Capa da Publicação

Qual o filme da Marvel mais massacrado pela crítica?

Por Arthur Eloi

A Marvel Studios construiu um verdadeiro império nos cinemas. De Homem de Ferro até os dias de hoje, o estúdio não só mostrou a força das adaptações de HQs, como também criou obras que se consagraram na bilheteria e na crítica. Mas, claro, nem sempre foi assim. Na verdade, a empresa é conhecida por muitas obras questionáveis.

Antes de inaugurar o seu universo cinematográfico, a Marvel emprestava seus personagens para vários estúdios e produtoras, e os resultados nem sempre agradavam. A lista de fracassos é considerável: Motoqueiro Fantasma (2007), Quarteto Fantástico (2005), O Justiceiro: Em Zona de Guerra (2008), Howard, o Pato (1986), só para citar alguns. Mas um, em específico, conquistou o título de adaptação das HQs da empresa com pior desempenho crítico.

Qual é o pior filme da Marvel?

Demolidor: O Homem Sem Medo (2003) não é o pior filme da Marvel – mas é relacionado

Dentre todas as adaptações de HQs pré-MCU, é Elektra (2005) que leva o troféu de pior filme da Marvel. O filme é um derivado de Demolidor: O Homem Sem Medo (2003), é dirigido por Rob Bowman (Arquivo X), e resgata a personagem titular vivida por Jennifer Garner, que havia sido assassinada durante os eventos do filme anterior.

Aqui, ela é revivida pelo Tentáculo, e como dívida, ela se torna uma assassina de aluguel para a organização de ninjas. Ao se recusar a matar um alvo, ela se vê na mira de seus empregadores.

Ainda que Jennifer Garner seja uma atriz bastante elogiada, a crítica verdadeiramente massacrou o filme. No Rotten Tomatoes, que agrega 166 análises profissionais do longa, Elektra tem uma média impressionante de 11%. O consenso é de que a aventura solo da personagem é sem graça, com efeitos especiais fracos e atuações medíocres.

Como Elektra se saiu com o público?

No geral, a crítica entendeu Elektra como um “filme de estúdio”, feito unicamente para tirar dinheiro sem o mínimo de esforço. O problema é que nem isso o longa conseguiu fazer: produzido com um orçamento de cerca de US$43 milhões, a bilheteria mundial totalizou apenas US$56,9 milhões. Ou seja, o filme até que se pagou, mas quase não lucrou nada.

Será que o público gostou mais do que a crítica? É comum casos em que os espectadores não concordam com as avaliações profissionais, como Venom (2018), que tem média de 30% mas 81% de aprovação com os espectadores casuais. Já em Elektra, a diferença não é tão gritante: contra os 11% da crítica, estão os 29% de aprovação do público. Levemente maior, claro, mas nada tão significativo.

No fim das contas, não dá nem para dizer que Elektra é uma mancha na história da Marvel. Muito pelo contrário, o filme simplesmente caiu no esquecimento, e nem ao menos conquistou a fama de porcaria que outras adaptações de HQ atingiram, como Motoqueiro Fantasma (2007) ou Mulher-Gato (2004). É um caso em que não fede e nem cheira, um destino muito mais triste do que ser uma bomba memorável.

A versão de Elodie Yung de Elektra, vista na série do Demolidor, não caiu exatamente na graça do público, mas com certeza se saiu melhor que a de Jennifer Garner

Mais de uma década depois, em 2016, Elektra ganhou uma nova interpretação na série do Demolidor, dessa vez vivida por Elodie Yung. A personagem também não foi tão aclamada no seriado da Netflix, mas foi o suficiente para apagar de vez a encarnação de Jennifer Garner.

Bateu a curiosidade de assistir Elektra? Bom, o filme não está disponível em nenhuma plataforma de streaming, apenas em cópias usadas de DVD. Talvez é melhor deixar algumas coisas no passado mesmo.

Aproveite e confira:

Imagem de perfil
sobre o autor Arthur Eloi

Repórter entusiasta de filmes ruins, jogos de tiro e de horror em todas as suas formas. Dá notas duvidosas para obras questionáveis • @ArthurEloi117