Capa da Publicação

Loki: Entenda como funciona a AVT na série e nas HQs

Por Camila Sousa

Atenção: Alerta de Spoilers!

Quando o Loki pega o Tesseract em Vingadores: Ultimato e some, imaginamos que o Deus da Trapaça com certeza conseguiu fugir e está escondido em algum lugar preparando algum plano. No entanto, para nossa surpresa (e dele), o personagem é capturado imediatamente pelos funcionários da AVT, Autoridade de Variação Temporal, ou TVA (no original). É assim que começa o primeiro episódio da série solo do anti-herói, já disponível no Disney+.

Após ser detido, Loki passa por diversos procedimentos extremamente burocráticos, como assinar tudo o que já disse na vida, atestar que não é um robô e até pegar uma senha para ser julgado. Mas o que é essa organização, que se manteve misteriosa durante todos esses anos no Marvel Studios?

AVT no MCU

A série estabelece que existe uma Linha do Tempo Sagrada, protegida pelos Guardiões do Tempo – que explicamos neste texto – mas, em resumo, essas entidades são responsáveis por manter a ordem dessa linha temporal e ficam de olho em tudo o que sai do esperado, exatamente como Loki fugir com o Tesseract.

A AVT foi uma criação dos Guardiões do Tempo para ajudar nesse monitoramento e evitar que qualquer desvio cause problemas maiores, como uma guerra entre os multiversos. É responsabilidade dessa instituição restaurar os problemas e punir aquele que causou esse desvio. É exatamente isso o que acontece com Loki. Ao roubar o Tesseract, ele criou um evento Nexus e uma linha do tempo que não deveria existir. Segundos após fazer isso, ele é levado pelos agentes da AVT, que revertem aquele acontecimento.

Assim, a chegada de Loki ao Deserto de Gobi, na Mongólia, deixa de existir, e o personagem levado não tem mais um lugar na realidade, precisando ser eliminado. O que acontece na série é que Mobius M. Mobius (personagem de Owen Wilson) se interessa pelo Deus da Trapaça durante seu julgamento e acredita que este Loki pode ajudar a encontrar o responsável por ataques a equipes da AVT no passado que, bom, estariam sendo feitos por outro Loki.

Nos quadrinhos

Nas publicações da Marvel, a AVT foi apresentada na década de 80 e é bem parecida com o conceito apresentado no seriado do Disney+. Todos os funcionários são criados lá para cumprir funções específicas, como o rapaz da recepção que conversa com o Deus da Trapaça no episódio. No entanto, também existe a possibilidade de pessoas serem recrutadas para servir à instituição.

Durante seu período de existência, a AVT já teve problemas com alguns personagens, como Kang, o Conquistador, um dos maiores vilões na escala temporal da Marvel, e que está confirmado como o antagonista de Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania (2023). Logo, há a expectativa que a apresentação de todos esses conceitos faça a série do Loki ter uma ligação com produções futuras da Marvel

Miss Minutes

Todos esses conceitos podem ser um pouco difíceis de entender no começo, exatamente por isso o seriado escolheu uma forma bem didática de explicar: com um vídeo narrado por Miss Minutes, a mascote da AVT que tem a voz original de Tara Strong. Com um design fofo e cartunesco, a personagem animada já estava presente nos trailers e cartazes de Loki, deixando uma pulga atrás da orelha dos fãs.

Nos quadrinhos, a personagem não tem funções maiores do que essa, então é provável que ela esteja na série do Loki como um easter-egg mesmo, assim como foram os comerciais de WandaVision.

E você, curioso para o futuro do Deus da Trapaça? Então continue acompanhando a série e acesse este link para fazer sua assinatura no Disney+.

Imagem de perfil
sobre o autor Camila Sousa

Jornalista por formação e nerd por natureza. Fã de diversos mundos fantásticos por aí e criadora do podcast Podcakes | @cakes_sousa no Twitter e Instagram