Capa da Publicação

Legião dos Super-Heróis: Superboy e Supergirl quebraram a regra mais ridícula da equipe nas HQs

Por Melissa de Viveiros

Legião dos Super-Heróis é uma equipe clássica da DC Comics. Como é comum em muitas histórias mais antigas dos quadrinhos, algumas das tramas estreladas pelo time nem sempre fazem muito sentido, mas continuam impactando eventos posteriores da história. É o caso, por exemplo, de uma regra do grupo estabelecida na década de 1970, mas que foi quebrada posteriormente algumas vezes, mais notavelmente com a participação de Superboy Supergirl na trama.

Originalmente, a regra foi apresenta em Superboy #195, de 1973. Na HQ, um novo personagem, Erg-1, quer se juntar à equipe, e se apresenta a eles. Ele explica que foi transformado em um ser de energia, fato que o levou a adquirir diversos poderes, incluindo duplicar os poderes de outros membros da Legião.

A revelação chama a atenção de Mon-El, que afirma que isso impossibilitaria que Erg-1 se juntasse ao grupo. O motivo para isso, de acordo com ele, seria que a equipe possui uma regra que diz que cada integrante precisa ter um poder único. Por causa disso, o herói não poderia fazer parte do grupo. Ele argumenta, dizendo que ainda não sabe se possui outros poderes, já que a situação era bastante recente. Ainda assim, Mon-El se recusa a escutar, respondendo que eles não poderiam aceitar esse tipo de “desculpas”.

Erg-1 se apresenta ao grupo e é rejeitado.

Nunca é bem explicado qual seria a real motivação para essa regra, que sequer seria necessária de um ponto de vista narrativo. Isso porque, se a rejeição dele era necessária, a Legião poderia ter negado a ele a chance de entrar na equipe por qualquer motivo, sem precisar de uma regra para tal. A prova disso está em Adventure Comics #306, em que o grupo recusa um potencial membro com poderes de gelo, afirmando que ele poderia deixar seus companheiros incapacitados em um momento crítico.

Erg-1 acaba sendo aceito no grupo ao fim da história, após descobrir que possuía sim um poder diferente de todos os outros. Sendo uma criatura de energia pura, ele é capaz de se explodir, algo que nenhum dos outros pode fazer. Sua forma também permite que ele se recupere, o que o leva a se juntar ao grupo. Assim, ele é renomeado, passando a se chamar Wildfire.

 Por que Superboy e Supergirl puderam quebrar essa regra?

SuperboySupergirl possuem exatamente os mesmos poderes, mas ainda assim foram aceitos na equipe ao mesmo tempo. Isso não deveria ser possível, já que o acontecimento se dá após a regra ter sido estabelecida. Assim, os autores da série na época foram forçados a apresentar uma resposta a este questionamento, embora não tenham conseguido justificar a situação muito bem.

A justificativa para a presença de Supergirl e Superboy na equipe não é das melhores…

Em Superboy #212, a resposta apresentada é bem simples: os dois são exceções. O mesmo poderia ser dito de Mon-El, que também possui praticamente os mesmos poderes que a dupla. De acordo com o que um dos integrantes da equipe diz, a motivação por trás da regra seria “promover diversidade”, mas não se aplicaria aos dois Supers, que são considerados “especiais”.

A regra já parece absurda desde o princípio, mas isso a torna ainda mais desnecessária. Além disso, a HQ mostra que ela sequer é seguida pelo grupo, e não faltam outros motivos pelos quais os integrantes do grupo poderiam recusar novos membros.

Você se lembra de outras tramas inexplicáveis dos quadrinhos que não fazem muito sentido? Comente aqui!

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Melissa de Viveiros

Graduanda em Letras na UFMG. || What is infinite? The universe and the greed of men. || @windrunning_