Capa da Publicação

Homem de Ferro 3: Kevin Feige defende reviravolta polêmica do Mandarim

Por Gus Fiaux

Lançado há nove anos, Homem de Ferro 3 veio para inaugurar a Fase 2 do Universo Cinematográfico da Marvel após o estrondoso sucesso do primeiro filme d’Os Vingadores. O longa, que acabou sendo a última aventura solo do Homem de Ferro, mostrou ele confrontando seu maior inimigo das HQs, o temível Mandarim… contudo, no meio do longa, descobrimos que o “Mandarim” interpretado por Ben Kingsley não passava de um charlatão chamado Trevor Slattery. A reviravolta é discutida até hoje por ter gerado muita controvérsia entre os fãs.

Agora, no entanto, um novo Mandarim (e dessa vez, o real) está prestes a fazer sua estreia no MCU. Porém, ao olhar para trás em toda a polêmica causada pelo terceiro filme solo do Vingador Dourado, Kevin Feige, o produtor que supervisiona todas as criações do MCU, não se arrepende da ideia. Em entrevista ao Rotten Tomatoes, ele disse que os roteiristas da Marvel queriam introduzir o Mandarim apenas quando pudessem trabalhar a complexidade desse personagem, portanto, a reviravolta acabou sendo a melhor saída:

“Quando trouxermos esse personagem para as telas, nós queremos fazer apenas quando sentirmos que poderíamos fazer a justiça suprema com ele e realmente mostrar toda a sua complexidade, o que francamente é algo que não poderíamos fazer em um filme do Homem de Ferro, porque um filme do Homem de Ferro é sobre o Homem de Ferro; um filme do Homem de Ferro é sobre Tony Stark. Então, Shane Black [o diretor de ‘Homem de Ferro 3’], em seu filme e no roteiro que ele co-escreveu, inventou essa reviravolta divertida que amamos até hoje, onde [o Mandarim] acabaria sendo Trevor Slattery. E só porque aquela versão não era real, isso não significa que não há um líder da organização dos Dez Anéis, e esse é quem nós conhecemos pela primeira vez em ‘Shang-Chi’.”

O filme de 2013 faz essa revelação em tom de piada, mas há um comentário interessante ali por trás, já que esse falso Mandarim era apenas uma cortina de fumaça criada por Aldrich Killian para continuar seu reinado de trevas – ou seja, uma alegoria política para como os Estados Unidos gostam de “criar vilões” para disfarçar seus próprios planos e interesses. Ainda assim, boa parte dos fãs ficaram indignados com a revelação, o que gerou um intenso backlash ao filme – não é à toa que no curta Todos Saúdam o Rei, de 2014, já é revelado que existe um Mandarim “real”.

O verdadeiro Mandarim será apresentado em Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis.

E agora, nós veremos essa versão do personagem em Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis. No filme, o vilão será vivido por Tony Leung e pelos trailers, já podemos perceber que muitos dos traços estereotipados do personagem nas HQs foram subvertidos.

O Mandarim de Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis é o pai do herói que dá nome ao filme e é o responsável por controlar a organização terrorista dos Dez Anéis. Ele próprio também possui dez anéis (que usa em seus braços) e será o principal antagonista do longa, conforme Shang-Chi precisa passar por uma série de testes e provações para se livrar de vez dos fantasmas de seu passado que ainda o atormentam.

O verdadeiro Mandarim vai aparecer em Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, que estreia em setembro.

Abaixo, veja tudo o que você precisa saber sobre o Mandarim:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux