Steven Spielberg quase dirigiu Harry Potter? A história por trás do filme que nunca foi feito

Capa da Publicação

Steven Spielberg quase dirigiu Harry Potter? A história por trás do filme que nunca foi feito

Por Gus Fiaux

Que Harry Potter se tornou um fenômeno mundial, não há a menor sombra de dúvidas. Os livros de J.K. Rowling fizeram tanto sucesso a ponto de gerar uma vasta franquia nos cinemas, nos jogos e até no teatro, com várias obras derivadas surgindo a partir da saga do jovem bruxo que sobreviveu ao ataque cruel de Lord Voldemort. E 2021 é um ano bem importante para os fãs, por marcar o aniversário de 20 anos do lançamento da adaptação de Harry Potter e a Pedra Filosofal.

Contudo, muito antes do filme sair pelas mãos de Chris Columbus em 2001, haviam alguns diretores interessados em contar essa história – como é o caso de Steven Spielberg, o lendário cineasta por trás de sucessos como E.T.: O Extraterrestre, Tubarão Jurassic Park. Spielberg estava muito cotado para dirigir uma adaptação da famosa série de livros nos anos 90, mas seus planos iam contra as decisões de Rowling, o que fez ele ser desligado do projeto.

Agora, está na hora de relembrar da época em que Steven Spielberg quase dirigiu uma das maiores sagas de fantasia de todos os tempos!

A saga de Harry Potter foi um gigantesco sucesso nos anos 90!

Como tudo começou?

Em 1997, foi lançado o primeiro livro do Mundo BruxoHarry Potter e a Pedra Filosofal foi escrito por J.K. Rowling, marcando uma estreia impressionante para a autora britânica no mundo literário. Sucesso imediato, o livro conquistou o interesse de diversos estúdios e produtoras que queriam fazer suas próprias adaptações, mas eles logo encontrariam o maior “entrave” desse projeto: a própria escritora, já que J.K. Rowling queria proteger o conceito de sua obra a todo custo.

Depois de muitas análises, Rowling vendeu os direitos de adaptação para a Warner Bros., mas fez várias exigências para que a adaptação fosse o mais fiel o possível ao seu trabalho: a história devia se passar na Inglaterra, além de que todos os atores deveriam ser britânicos. Assim, começou a busca por um diretor que transformaria a série de livros em um sucesso absoluto nos cinemas.

Warner estava analisando bastante os sucessos da época e um dos primeiros nomes que surgiu para o estúdio foi o de Steven Spielberg, que estava vindo de um blockbuster absoluto – Jurassic Park, de 1993. O diretor já havia se provado como um verdadeiro para-raios de lucros em boa parte de suas obras, além de produzir aventuras para todos os públicos. Com essa escolha em mente, eles chamaram o diretor, mas logo que Spielberg revelou seus planos, o assunto esfriou…

Steven Spielberg queria Haley Joel Osment dando vida a Harry em uma animação!

Os planos de Steven Spielberg

Spielberg queria fazer muita coisa e não tinha muita intenção de seguir as diretrizes de J.K. Rowling. Curiosamente, sua primeira ideia foi transformar a história em um filme animado – em grande parte, porque ele estava animado com a ascensão da Pixar e queria testar o formato de animações para o cinema (coisa que ele só iria fazer vários anos depois, com As Aventuras de Tintim). Para ele, o formato seria o melhor para explorar as magias e criar efeitos que não seriam possíveis em live-action.

Porém, não era só isso: ele também queria condensar a narrativa dos quatro primeiros livros – Pedra Filosofal, Câmara Secreta, Prisioneiro de Azkaban e O Cálice de Fogo – em um filme só, usando elementos que só seriam apresentados depois para introduzir Harry no mundo mágico da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Isso, obviamente, causou um certo desconforto na autora e no estúdio, que pretendiam fazer uma vasta série de filmes para capitalizar no sucesso dos livros.

Ainda assim, o ponto de ruptura foi outro: Spielberg queria mudar a ambientação dos filmes, passando a história para os Estados Unidos, e queria escalar Haley Joel Osment – que na época, tinha participado de Forrest Gump e estava despontando como uma baita revelação em O Sexto Sentido – para fazer o papel de Harry Potter. Americano e loiro, ele não era nada como J.K. Rowling havia imaginado o personagem, mesmo que a ideia do projeto fosse uma animação. E assim, Spielberg rompeu com a Warner.

Harry Potter e a Pedra Filosofal foi dirigido por Chris Columbus e se tornou um sucesso absoluto, dando início à franquia!

O que acabou acontecendo

Então, o estúdio passou mais alguns meses pesquisando quais outros diretores podiam assumir o projeto – e a lista foi bem extensa, trazendo nomes peculiares como Terry Gilliam (Os 12 Macacos), Jonathan Demme (O Silêncio dos Inocentes), Ivan Reitman (Os Caça-Fantasmas) e até mesmo M. Night Shyamalan (O Sexto Sentido). Com tantas opções, o estúdio acabou optando por Chris Columbus, que já tinha um bom histórico de produções para o público infantil.

Columbus dirigiu não só Pedra Filosofal mas também sua continuação, Câmara Secreta, antes de passar o projeto da saga adiante para que outros diretores dessem suas visões aos capítulos seguintes. O diretor, apesar de não ser britânico, respeitou as decisões de J.K. Rowling e se manteve fiel à obra da escritora, ambientando a história na Inglaterra e trazendo diversos atores britânicos para os papéis mais importantes.

Com isso, o filme arrecadou mais de US$ 1 bilhão mundialmente e se tornou um sucesso imediato, rendendo toda a franquia que conhecemos até hoje. Ao todo, foram oito filmes baseados nos sete livros (o último foi dividido em duas partes) e a trama continuou transcorrendo mesmo após o fim dessa história. Atualmente, há uma série de prequels dos livros chamada Animais Fantásticos, que deve lançar seu terceiro filme em 15 de abril de 2022.

Já Spielberg, depois que abandonou o projeto, seguiu em frente e dirigiu A.I.: Inteligência Artificial, filme que conta com Haley Joel Osment em um dos papéis principais, lado a lado com Jude Law. O diretor continua na ativa até hoje, e seu cinema se tornou mais voltado para as premiações – ainda que ele tenha lançado um divertido blockbuster de ação em 2018, Jogador Nº 1.

Harry Potter e a Pedra Filosofal está disponível no HBO Max junto com os outros filmes da franquia!

Abaixo, confira também:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux