Halloween: Entenda a cronologia da franquia de terror

Capa da Publicação

Halloween: Entenda a cronologia da franquia de terror

Por Arthur Eloi

Um novo filme de Halloween chegou aos cinemas, e essa é uma frase que dita em vários momentos ao longo das últimas quatro décadas. A franquia de horror com o assassino Michael Myers surgiu lá em 1978, pelas mãos do diretor John Carpenter, mas até agora já teve 12 filmes lançados, entre continuações, derivados e até remakes.

Para colocar ordem nessa bagunça toda, organizamos abaixo a cronologia de toda a franquia Halloween!


A antiga cronologia

Com apenas duas exceções, o primeiro Halloween é o ponto de partida para a maioria das cronologias

Inclui:

  • Halloween: A Noite do Terror (1978)
  • Halloween II – O Pesadelo Continua (1981)
  • Halloween 4 – O Retorno de Michael Myers (1988)
  • Halloween 5 – A Vingança de Michael Myers (1989)
  • Halloween 6 – A Última Vingança (1995)

O primeiro filme de Halloween chegou aos cinemas em 1978, dirigido por John Carpenter e feito com orçamento minúsculo de US$300 mil. O longa, que apresenta o maníaco Michael Myers na cola da babá Laurie Strode (Jamie Lee Curtis), não foi um sucesso logo de cara, mas gradualmente cresceu na bilheteria e nas avaliações críticas. Hoje em dia, é considerado um dos clássicos absolutos do terror, tanto pela sua excelente direção, atmosfera pesada de suspense e, claro, pela marcante trilha sonora, que também foi feita por John Carpenter.

Com o sucesso, o cineasta aceitou produzir uma continuação ao lado de sua esposa, a produtora e roteirista Debra Hill, mas quem assumiu a direção foi o cineasta Rick Rosenthal. Halloween II – O Pesadelo Continua saiu em 1981, e ainda que seja um filme bastante sólido e bem feito, já inaugurou a decaída da franquia com os primeiros sinais de uma mitologia desnecessariamente complexa, como revelar que Michael Myers e Laurie Strode são irmãos.

Ambientado na mesma noite do primeiro, Halloween II mostra Michael Myers caçando Laurie Strode no hospital

Houve um terceiro filme chamado Halloween III: A Noite das Bruxas, lançado em 1982, mas sem nenhuma conexão aos demais filmes, essencialmente um ponto fora da curva (mais sobre isso abaixo). Dali em diante, quem assumiu o desenvolvimento da franquia foi o produtor Moustapha Akkad, que financiou a obra original. O executivo aprovou uma série de continuações, feitas sem esconder a intenção de lucrar, e alguns dos filmes são considerados os pontos mais baixos da saga.

É o caso de Halloween 4 – O Retorno de Michael Myers, de 1988. Como o nome sugere, essa continuação resgata o maníaco, que já não era visto nas telonas desde o segundo filme. O problema é que a trama só ficava mais complexa. Aqui, Laurie Strode morreu em um acidente de carro – nunca mostrado, já que Jamie Lee Curtis não quis retornar ao papel -, e Michael Myers desperta de um coma de uma década. Aqui, um novo arco é iniciado, que envolve Jamie Lloyd (Danielle Harris), a filha de Laurie que é criada por outra família após a morte da mãe. A recepção foi terrível, mas mesmo assim com o tempo o longa conquistou uma quantidade considerável de fãs.

É possível ver a queda de qualidade da franquia Halloween pelas máscaras do Michael Myers

Com menos de um ano de descanso, veio Halloween 5 – A Vingança de Michael Myers (1989). O filme foi feito a toque de caixa mesmo, e o resultado novamente foi amplamente criticado – ainda que rentável o bastante. Continuação direta dos eventos do anterior, aqui as coisas começaram a ficar um pouco estranhas com a introdução de um culto sobrenatural e poderes psíquicos, mas com Myers ainda na cola de Jamie Lloyd.

Para tentar contornar a fadiga, a franquia entrou em um breve hiato, e só foi retornar em 1995 com Halloween 6 – A Última Vingança. O filme, porém, dá ainda mais espaço ao aspecto místico do anterior.

Sim, a franquia Halloween já tentou justificar a maldade de Michael Myers com um culto

Aqui, Michael Myers retorna mais uma vez para matar todos os descendentes de Laurie Strode, e enfim é revelado que tanto a sua sede de sangue quanto sua aparente imortalidade são causadas por uma maldição. O mais notável desse filme é o fato de que Tommy Doyle, garoto do primeiro filme, aqui é vivido por Paul Rudd (Homem-Formiga), e que esse marcou o último papel de Donald Pleasence como o doutor Samuel Loomis, já que o ator faleceu ainda em 1995.

Halloween 6 foi um fracasso de bilheteria e de crítica, com muitas avaliações apontando justamente o quão desnecessariamente complexa a mitologia da franquia se tornou, além do desenvolvimento do filme ter sido marcado por diversas brigas entre os produtores, roteiristas e a distribuidora. Para a série continuar, seria necessário passar algumas coisas a limpo.

O ponto fora da curva

Halloween III pode não ser considerado cânone, mas você com certeza já viu essas máscaras em outros filmes da franquia

Inclui:

  • Halloween III – A Noite das Bruxas (1982)

O último projeto que teve a produção de Carpenter e Hill foi Halloween III – A Noite das Bruxas, de 1982. A dupla havia imaginado Halloween como uma antologia, que pudesse crescer além do assassino principal. O longa é um derivado meramente ambientado no mesmo universo dos antecessores, mas não conta com Michael Myers, Laurie Strode e nenhuma conexão com os antecessores ou sucessores.

O filme, dirigido por Tommy Lee Wallace, é novamente ambientado na noite de dia das bruxas, mas tem como antagonista uma fabricante de máscaras de monstro com um plano maléfico de dominação mundial. Halloween III até deu lucro, mas foi uma das piores bilheterias de toda a franquia, além de ter sido massacrado pela crítica. Assim como Halloween 4, porém, eventualmente encontrou o seu público, e hoje é um queridinho cult.

Mesmo assim, na época foi o suficiente para que John Carpenter e Debra Hill se afastassem da franquia.

A primeira tentativa de um resgate

Inclui os filmes:

  • Halloween: A Noite do Terror (1978)
  • Halloween II – O Pesadelo Continua (1981)
  • Halloween H20: Vinte Anos Depois (1998)
  • Halloween – Ressurreição (2002)

Halloween está na ativa desde 1978, e precisou de uma celebração especial quando atingiu a marca de 20 anos. Em 1998, com base em roteiros não-finalizados de Kevin Williamson (Pânico), veio Halloween H20: Vinte Anos Depois, que buscou celebrar o legado da franquia ao mesmo tempo que botava a casa em ordem. O filme ignorou tudo que aconteceu após Halloween II, e traz de volta a Laurie Strode de Jamie Lee Curtis. Dessa vez, a sobrevivente vive escondida na Califórnia, usando um nome falso na tentativa de despistar o seu irmão Michael Myers – até que, eventualmente, é encontrada pelo assassino.

Mesmo alguns anos após o fiasco do quinto filme, H20 conseguiu resgatar certo entusiasmo pela franquia. As críticas foram mais favoráveis, e o longa foi um sucesso de bilheteria, se tornando a melhor arrecadação da saga até então. Muito da equipe – incluindo Jamie Lee Curtis – achou que ali seria a oportunidade perfeita para encerrar tudo e se despedir da franquia. Novamente, o produtor Moustapha Akkad entrou em cena, e reforçou uma cláusula no contrato dos roteiristas que garante que Michael Myers nunca pode ser morto.

O Michael Myers com máscara em computação gráfica não é real e não pode te machucar

Assim, quatro anos depois, essa nova cronologia recebeu uma continuação. Halloween: Ressurreição (2002) foi dirigido por Rick Rosenthal – mesmo cineasta que comandou Halloween II lá em 1981. A trama segue Michael Myers iniciando uma nova série de assassinatos na cidade Haddonfield, com elementos tecnológicos para refletir o avanço da internet na época. O resultado foi um fracasso de primeira em todos os aspectos, tanto da bilheteria decepcionante quanto do verdadeiro massacre que sofreu nas críticas. Depois de mais de 20 anos, era a hora de deixar Halloween descansar um pouco.

Os remakes

Inclui os filmes:

  • Halloween – O Início (2007)
  • Halloween 2 (2009)

O descanso de Halloween não durou muito. Durante a primeira década dos anos 2000, a tendência vigente no horror era criar remakes de clássicos do slasher. Foi o caso com O Massacre da Serra-Elétrica (2003), Sexta-Feira 13 (2009) e A Hora do Pesadelo (2010). A decisão de fazer um remake ao invés de outra continuação partiu de Malek Akkad, filho de Moustapha Akkad, que assumiu o comando da franquia após o pai ser assassinado em um bombardeio na Síria.

Quem assumiu a tarefa de recriar o clássico de John Carpenter foi Rob Zombie, músico que conquistou seu espaço no cinema de horror ao escrever e dirigir a dobradinha de A Casa dos 1000 Corpos (2003) e Rejeitados pelo Diabo (2005). O músico, que sempre demonstrou seu carinho pelo horror, era grande fã do original, e decidiu consultar Carpenter antes de ser anunciado como diretor. O criador apenas aconselhou que Zombie fizesse sua própria versão, o que motivou o remake a explorar a origem de Michael Myers quando criança, até eventualmente chegar na versão adulta que caça Laurie Strode e suas amigas.

O remake foi sucesso financeiro, mas a recepção crítica foi mista. Muitos elogiaram a brutalidade e o estilo de Rob Zombie, enquanto outros acharam que essa versão não agregava em nada. Assim como os filmes mais questionáveis da franquia, esse também foi ganhando um status de cult ao longo dos anos. Um desses novos fãs, por exemplo, é o diretor Quentin Tarantino, que afirmou não ter gostado da primeira vez, mas que gradualmente passou a apreciar as atuações e a estética do longa.

O segundo Halloween de Rob Zombie toma rumos mais… fantasiosos

Uma continuação foi aprovada em 2008, e chegou aos cinemas em 2009. Halloween 2 novamente foi escrito e dirigido por Rob Zombie, e foca nas consequências dos eventos do primeiro para Michael Myers, Laurie Strode (Scout Taylor-Compton) e o doutor Sam Loomis (Malcolm McDowell, de Laranja Mecânica).

O cineasta queria explorar o trauma dos sobreviventes, ao mesmo tempo que traçava paralelos entre a protagonista e o serial killer, com trechos de alucinações e muito mais violência gráfica. O filme foi um fracasso de bilheteria e crítica – assim como grande parte dos remakes de slashers da época. Dessa forma, ficou claro que Halloween precisava descansar mais uma vez.

A atual cronologia

Inclui os filmes:

  • Halloween: A Noite do Terror (1978)
  • Halloween (2018)
  • Halloween Kills (2021)
  • Halloween Ends (2022)

Claro, esse tempo de descanso serviu mais para o público do que para para os realizadores, que passaram todos os anos seguintes à 2009 planejando todo tipo de projeto bizarro envolvendo a franquia. Após uma mudança nos detentores dos direitos de Halloween, Malek Akkad decidiu ir atrás de Jason Blum, produtor e dono da Blumhouse Productions, conhecida por sucessos como Atividade Paranormal, Sobrenatural e Corra!.

Quem deu a ideia para um novo filme foi a dupla David Gordon Green e Danny McBride, mais conhecidos pela comédia Segurando as Pontas (2008). Os dois apresentaram um conceito de ignorar todas as continuações, e continuar a trama do original após 40 anos. A ideia foi apresentada para John Carpenter, que não só aprovou como também se juntou ao projeto como produtor-executivo e compositor.

Assim nasceu Halloween (2018), que acompanha Laurie Strode – novamente vivida por Jamie Lee Curtis – como uma mulher traumatizada pelos horrores que viveu, mas que passou quatro décadas se preparando obsessivamente para enfrentar Michael Myers caso ele a atacasse novamente, o que lhe custou o bom relacionamento com sua filha e família.

O reboot de Halloween foi um enorme sucesso em todos os sentidos. A crítica adorou o resgate da franquia, que conseguia mostrar a força do original ao mesmo tempo que trazia novos elementos. Já na bilheteria, se tornou um dos filmes de terror mais rentáveis da história, e a maior arrecadação dentre todos os antecessores na série. Não demorou muito para a Blumhouse anunciar duas continuações.

Halloween Kills é o capítulo do meio da nova trilogia da franquia

As sequências, que continuam a nova cronologia, tiveram que ser adiadas por conta da pandemia da Covid-19, até que em outubro de 2021, Halloween Kills chegou aos cinemas, mostrando os crimes de Michael Myers despertando pânico e caos na cidade de Haddonfield.

O longa já está em cartaz, e o final desta trilogia – chamado de Halloween Ends – segue previsto para outubro de 2022.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Arthur Eloi

Repórter entusiasta de filmes ruins, jogos de tiro e de horror em todas as suas formas. Dá notas duvidosas para obras questionáveis • @ArthurEloi117