Gavião Arqueiro: Musical do Capitão América quase existiu na vida real, entenda

Capa da Publicação

Gavião Arqueiro: Musical do Capitão América quase existiu na vida real, entenda

Por Arthur Eloi

Gavião Arqueiro enfim teve seu primeiro trailer divulgado, que mostra Kate Bishop (Hailee Steinfeld) e Clint Barton (Jeremy Renner) se metendo em aventuras natalinas. O fã da Marvel não deixa nenhum detalhe passar, e rapidamente já analisou toda a prévia. Curiosamente, um dos easter eggs que mais chamou a atenção foi um musical da Broadway sobre o Capitão América – e o mais irônico que isso quase rolou na vida real.

Antes de se tornar o império supervisionado por Kevin Feige que é hoje, a Marvel das antigas tomava decisões um pouco… questionáveis. Antes dos anos 2000, a empresa era conhecida por vender seus direitos para quem tivesse grana, sem se importar com o que sairia dos acordos. Foi em uma dessas, por exemplo, que o Homem-Aranha quase acabou ganhando um filme de terror por Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica). Sim, por um tempo nos anos 80, a Marvel preparou um musical do Capitão América.

O musical do Capitão América quase aconteceu mesmo

 

Chamada de elenco para o musical do Capitão América nos anos 80

Na década de 1980, o Capitão América já era um herói bastante popular nos Estados Unidos, pois já tinha uns bons anos nas HQs, além de liderar Os Vingadores. Para tentar levar o personagem para outra mídia, e tentar apagar a memória do terrível telefilme que foi ao ar em 1979, a Marvel então começou a preparar um ambicioso musical focado no herói.

O projeto nunca foi para frente, então todas as informações que existem sobre o musical do Capitão América são de uma reportagem do New York Times, originalmente publicada em 5 de abril de 1985. Segundo a matéria, a Marvel havia investido US$4 milhões nesta brincadeira – algo que a jornalista Enid Nemy julgou ser bastante, afirmando: “É muito dinheiro até mesmo para um herói que luta pelo sonho americano, pela bandeira, pela mulher que ele ama”. Se fosse nos dias de hoje, com ajustes para inflação, o projeto teria custado cerca de US$10 milhões, o que já não é tão absurdo, visto que a média de orçamento para um musical da Broadway hoje em dia fica entre US$8 milhões e US$12 milhões.

A jornalista também divulgou a premissa do musical:

O Capitão América passa por uma crise de meia idade. Felizmente, a ação toma conta – sua namorada, uma candidata à presidência, é capturada por terroristas e mantida refém no Memorial Lincoln.

A produção do musical do Capitão América até estava bem avançada. Mel Mandel e Norman Sachs, dupla de My Old Friend, escreveram as músicas da obra, e Philip Rose (Purlie, Shenandoah) seria o diretor. John Cullum (Waitress) viveria o herói (que se chamava John Rogers), mas o papel de seu interesse romântico ainda não havia sido escalado. A namorada do Capitão América se chamaria Sharon Phillips, e as atrizes Linda Lavin e Cloris Leachman eram cotadas para assumir o posto.

John Cullum como Capitão América no musical oitentista da Marvel

 O que deu errado com o musical do Capitão América?

A Marvel começou a exibir o musical do Capitão América em pequenas apresentações fora do circuito da Broadway, com a intenção de despertar interesse o bastante para colocar a peça entre os prestigiados teatros da cidade de Nova York a tempo das festas de fim de ano (como é o caso da versão vista no trailer de Gavião Arqueiro). A recepção inicial não agradou nem um pouco, e o projeto voltou para a fase de planejamento – apenas para ficar para sempre preso neste limbo.

O Capitão América não seria o primeiro herói a ganhar um musical, e nem foi o último. Superman e Mulher-Maravilha já haviam tido adaptações teatrais na época, e dos anos para cá, o Homem-Aranha ganhou em 2011 uma rock opera na Broadway simplesmente absurda: chamada de Spider-Man: Turn Off the Dark, a peça custou absurdos US$75 milhões, teve músicas tocadas pelo U2 e foi escrita por Roberto Aguirre-Sacasa, que depois virou o criador de Riverdale e O Mundo Sombrio de Sabrina. Até hoje, é um espetáculo guardado com carinho pelo público, ainda que seja infame pela bilheteria medíocre que juntou, e pela impressionante quantidade de atores principais que se machucaram fazendo as acrobacias do Teioso nos palcos.

Rogers, o musical fictício do Capitão América em Gavião Arqueiro, com fachada inspirada por Hamilton

Seja como for, o musical do Capitão América deve ter um pouco de destaque na série do Gavião Arqueiro. A fachada, que brinca com a identidade visual de Hamilton (cuja filmagem profissional foi comprada e lançada pela Disney), seria só um easter egg legal para os fãs atentos, mas o trailer depois mostra uma cena do palco, indicando que pelo menos uma música dessa produção fictícia deve ser entregue de presente ao público.

Gavião Arqueiro estreia em 24 de novembro no Disney+. Aproveite e confira todos os detalhes que você precisa notar no trailer da série:

Imagem de perfil
sobre o autor Arthur Eloi

Repórter entusiasta de filmes ruins, jogos de tiro e de horror em todas as suas formas. Dá notas duvidosas para obras questionáveis • @ArthurEloi117