Doutor Estranho: Tilda Swinton reage à comentários de Kevin Feige sobre mudança de etnia da Anciã

Capa da Publicação

Doutor Estranho: Tilda Swinton reage à comentários de Kevin Feige sobre mudança de etnia da Anciã

Por Gus Fiaux

Em 2016, tivemos o primeiro filme do Doutor Estranho no Universo Cinematográfico da Marvel, abrindo todas as portas para o núcleo místico da editora. O filme fez uma boa bilheteria e apresentou personagens marcantes. No entanto, a escolha de elenco da Anciã causou problemas. A personagem foi interpretada por Tilda Swinton (uma atriz branca e escocesa, embora o personagem das HQs seja um homem asiático), e isso gerou várias discussões no que diz respeito ao whitewashing em Hollywood.

Recentemente, Kevin Feige comentou sobre a mudança de etnia e disse ter se arrependido de escalar Tilda para o papel, uma vez que não tinha a sensibilidade de reconhecer como isso poderia ser prejudicial para a representação asiática dentro do MCU. E agora, foi a vez da própria Tilda Swinton reagir aos comentários do produtor, em uma entrevista concedida à Variety:

“Eu fico muito, muito grata que ele tenha dito isso. Eu lembro que na época tinha um grande ponto de interrogação na minha cabeça, por acompanhar a reação do público descobrindo que uma mulher escocesa interpretaria essa personagem – e por não ter sentido nenhum tipo de resistência. Houve um acolhimento imediato. Isso mudou em algum momento, por motivos pelos quais eu tenho uma enorme parcela de simpatia.”

A atriz compreende todas as críticas direcionadas à essa mudança de etnia, por conta do whitewashing – a prática de “embranquecer” personagens e até mesmo figuras históricas em suas adaptações para o cinema e para a televisão. Ela admite que uma onda consciente de crítica cresceu “com razão” com o passar do tempo, e elogia a participação dos fãs nesse debate: “O público se sente cada vez mais empoderado para contribuir com as narrativas e se sentir ouvido dentro da história, e esse é um desenvolvimento social muito saudável”.

Nos quadrinhos, o Ancião é tido como um idoso asiático. A mudança de etnia gerou polêmicas sobre whitewashing em Hollywood.

O que é o whitewashing?

A questão de whitewashing é muito complexa e precisa de um estudo aprofundado, já que deriva diretamente das representações de minorias étnicas ao longo dos anos. Desde que o cinema foi fundado, era normal ver personagens e figuras históricas embranquecidas pela narrativa (como, por exemplo, Cleópatra de 1963) – ou então, tínhamos atores brancos “emulando”, através de expressões, estereótipos e maquiagem, traços étnicos não-caucasianos, em práticas que ficaram conhecidas como blackface (no caso de pessoas negras), yellowface (no caso de asiáticos) e até redface (no caso de indígenas e povos nativos).

Não é uma simples questão de “mas um negro interpretar um personagem branco pode, né?”, porque as representações de pessoas não-brancas sempre foram escandalosamente menores que as representações de pessoas caucasianas – e é por isso que não faz sentido, por exemplo, comparar a escalação da Anciã com a mudança de etnia de Mordo, por exemplo.

Doutor Estranho está disponível em DVD, Blu-Ray e mídias digitais, além de estar no catálogo do Disney+.

Abaixo, veja 10 coisas que queremos ver em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux