Dororo: Tudo sobre o anime baseado no mangá de Osamu Tezuka

Capa da Publicação

Dororo: Tudo sobre o anime baseado no mangá de Osamu Tezuka

Por Flávia Pedro

Atenção: Alerta de Spoilers!

Osamu Tezuka é um autor muito conhecido pelos otakus, sendo considerado por muitos “o pai” do mangá como temos hoje. Em 1952 ele começou a produzir Astro Boy, que logo depois se tornou referência por ter sido a primeira série exibida no Japão e em 1967 foi a vez de Tezuka se dedicar a história e mangá de Dororo. Em 2019 Dororo foi adaptado para anime e considerado por muitos como o melhor do primeiro trimestre de 2019.

Vamos te contar tudo sobre o anime e a perspectiva de Osamu Tezuka sobre sua obra!

Dororo Mangá

Dororo foi uma obra que caracterizou os yokais, que já estavam bastante populares entre as crianças e foi serializado pela Weekly Shonen Sunday por três anos. Já no Brasil o mangá começou a ser publicado só em 2010 graças a Editora NewPOP, que trouxe a história para o país. Mas após começar a ser escrita, Tezuka acabou encontrando diversos problemas em sua história e isso o deixou extremamente incomodado, mas o ponto que irritou foi justamente o mesmo que nos fez ter um anime do jeito que foi produzido.

Mangá de Dororo por Osamu Tezuka

Dororo foi escrito para ser um shonen, ou seja, uma obra para um público mais jovem e a estética do mangá até seguia essa linha, com traços mais arredondados característicos de Osamu. Mas a história que tinha como plano de fundo um contexto de guerras, yokais e uma criança amaldiçoada que, no mangá original, perdeu 48 partes de seu corpo, fez com que Osamu acreditasse que teria “perdido a mão” no meio da obra, tirando o ar leve que ele gostaria para atingir seu público alvo.

Isso fez, inclusive, que o final do mangá fosse visto por muitos leitores como algo corrido (e realmente foi). Tezuka tinha planos de detalhar os 48 demônios que o protagonista Hyakkimaru precisaria enfrentar para recuperar partes de seu corpo, mas como a história já não o agradava mais, ele acabou compilando esse combate para dar um final mais rápido a história.

Dororo Anime

Dororo é um anime que começa antes mesmo do nascimento de um de seus protagonistas, Hyakkimaru. Vemos uma mulher em trabalho de parto e seu marido em um templo suspeito, quando o garoto nasce é que descobrimos o que aconteceu. O pai de Hyakkimaru fez um pacto com demônios para que em troca de poder e prosperidade em suas terras, a vida de seu filho fosse levada.

Hyakkimaru bebê após nascer

Mas o bebê nasce com vida e com quase nada de partes humanas, o que faz com que seu pai veja que sua oferenda deu certo e queira se desfazer de seu próprio filho, por isso ele o entregando para a parteira jogá-lo no rio. Por ironia do destino, a mulher não tem coragem de matar a criança e, antes de ser devorada por um demônio na beira do rio, coloca o pobre bebê em um barco para que o destino diga se ele iria ou não sobreviver.

Seu barco cruza o caminho de um ex-combatente de guerra chamado Jukai que agora faz próteses de madeira para pessoas feridas na guerra. Para tentar compensar o mal que fez durante os horrores da guerra, agora ele quer devolver a vontade de viver para os que sofreram. Por isso, ao encontrar o bebê naquelas condições, ele decide o ajudá-lo e construir próteses para ele.

Hyakkimaru e Jukai no momento em que Hyakkimaru recupera sua perna direita após matar um demônio

Hyakkimaru cresce e é uma criança diferente, como não possui partes de seu corpo ele não fala, não enxerga e não escuta, ele é capaz de ver apenas a cor da alma das pessoasbranca para pessoas boas e vermelha para demônios – o fazendo ver diversos monstros quando cresce. Sabendo que não conseguiria proteger o menino de demônios para sempre, o carpinteiro ensina a criança a matar para se defender e assim, Hyakkimaru começa a lutar contra demônios e recuperar partes de seu corpo a cada um que derrota.

O encontro de Hyakkimaru e Dororo

Dororo e Hyakimaru

Após crescer, Hyakkimaru deixa o lar em que cresceu com Jukai para viajar como um samurai que enfrenta monstros afim de recuperar seu corpo inteiro. Durante uma dessas viagens, ele encontra Dororo: uma criança órfã de guerra que nos é apresentado como um ladrão que rouba para sobreviver.

Quando Dororo é pego pelos homens que roubou, a criança acaba sendo espancada e, por coincidência, Hyakkimaru aparece no local para enfrentar um demônio. No processo, ele salva o garoto dos homens que o agrediam e, após o acontecido, os dois seguem em uma jornada juntos.

Nessa parceria, Dororo às vezes cobra recompensas para Hyakkimaru enfrentar demônios, outras vezes tenta ajudá-lo em lutas difíceis contra essas criaturas.

O que talvez seja mais importante na relação dos dois com certeza são os laços que eles criam um com o outro. Em um certo ponto da história Dororo já se refere a Hyakkimaru como “irmão” e sempre o ajuda quando ele recupera partes de seu corpo que geram desconforto ou estranheza — como quando o guerreiro recuperou a audição e por nunca ter escutado antes considerava todo som muito alto e se assustava.

Hyakkimaru também constrói laços com o garotinho, mesmo que seja do jeito introspectivo dele. Um momento marcante entre os dois é quando Hyakkimaru recupera sua voz e pronuncia sua primeira palavra: Dororo. Ou quando sorri devido ao medo que Dororo possui de aranhas, após enfrentar um demônio com o aspecto de uma.

A parte mais leve do anime de Dororo com certeza é a amizade dos dois, principalmente no meio do contexto de guerra, violência e mortes.

Dororo é um anime pesado?

Hyakkimaru em um de seus embates, é notável a quantidade de sangue e violência do anime

Lembra do que eu falei sobre o Osamu ter se arrependido de ter “pesado a mão” na hora de escrever a história? Ele pode ter considerado isso um erro, mas com certeza esse foi o enredo perfeito para que o anime produzido pelo Estúdio MAPPA fizesse tanto sucesso e tivesse tanto destaque em 2019.

Dororo é sim uma obra tensa, pesada e bastante violenta. Devido ao cenário de guerras, algumas cenas do anime são fortes até para o público adulto – e pessoalmente não recomendo a quem é muito sensível – além da forma como a obra aborda assuntos sérios, como o caso da personagem Mio, que trabalhava durante a noite para alimentar crianças órfãs e, na segunda parte do seu arco, descobrimos que ela se prostituía para cuidar dos pequenos.

Não são apenas mortes em guerras que chocam, mas vemos até mesmo crianças sendo mortas de forma violenta diante das câmeras. Se isso já chocou em um anime de 2019, imagine em um mangá de shonen em 1967.

Mangá x Anime

Hyakkimaru e Dororo juntos

Como apontado anteriormente, por falta de tempo ou de vontade, Tezuka não trabalhou tão bem o final do mangá de Dororo, o que acabou fazendo com que o anime precisasse não só dar uma repaginada em alguns pontos, como a própria estética dos personagens, mas também no desenvolver do enredo para que ficasse algo mais conciso.

Um detalhe importante é a questão da criança Dororo ter um gênero feminino e, no mangá, dá para se ter algumas interpretações para o motivo dela sempre se referir no masculino. Um deles é que, criada apenas por sua mãe e com tanto perigo envolvendo crimes de guerra, ela foi criada para sempre se referir a si mesma como um menino, talvez como forma de proteção contra outros tipos de violência nesses tempos sombrios.

É claro que também não podemos ignorar a questão de que Dororo possa preferir ser chamada no masculino, afinal no anime vemos momentos em que a criança discute com Hyakkimaru para que ele não o chamasse pelo feminino, apesar de, no futuro, Dororo aparecer com uma estética feminina nas partes finais da animação.

O ponto é que, tanto no anime quanto no mangá, a história nunca foi sobre lutas contra yokais. Todas as vezes em que Hyakkimaru aparecia enfrentando um demônio as cenas eram bem rápidas, demonstrando o tamanho da habilidade do personagem como um espadachim que luta com próteses de lâminas no lugar de seus braços. Dororo é uma história de perda, traumas e sofrimento e como esses sentimentos ruins podem te impulsionar a ter coragem.

Além disso, a história mostra como uma disputa por poder – aqui ilustrada por dois nobres – pode prejudicar a vida de toda uma população através não só da guerra, mas da fome, do desespero, da perda de esperança, de familiares e da própria dor de sobreviver nesse cenário.

Você assistiu Dororo ou leu o mangá de Osamu Tezuka? O que você achou dessa obra? Divide sua opinião com a gente nos comentários!

Confira também:

Imagem de perfil
sobre o autor Flávia Pedro

Historiadora formada pela UFF e apaixonada por cultura japonesa, animes, mangás, filmes... Criadora de conteúdo no instagram Anime Dicria, viciada em café e leitora de fanfics ruins nas horas vagas. Instagram: fllavia_pedro