Capa da Publicação

Warner Bros. diz que Ray Fisher não colabora nas investigações contra Josh Whedon

Por Cristiano Rantin

Após denúncias de Ray Fisher, o Ciborgue do Universo Estendido da DC Comics, foi iniciada uma investigação contra Joss Whedon, diretor que assumiu Liga da Justiça após a saída de Zack Snyder. Contudo, a Warner Bros. acusa o ator de não estar colaborando com esse processo.

Em uma declaração oficial (via TheWrap), o estúdio afirma que Fisher está frustrado com a maneira que seu personagem estava sendo escrito para o filme solo do Flash, e que essa seria uma das suas principais preocupações. O comunicado ainda aponta que Fisher não teria participado das reuniões sobre o caso de Whedon, mesmo que o estúdio tenha contratado o investigador particular sugerido pelo ator, e que, sendo assim, ele teria “falhado em prover uma alegação com credibilidade sobre a má conduta” do diretor.

Confira a declaração completa da Warner Bros:

Em  julho, representantes de Ray Fisher pediram para o Presidente dos Filmes da DC, Walter Hamada, falar com o sr. Fisher sobre suas preocupações durante a produção de Liga da Justiça. Os dois haviam conversado anteriormente, quando Hamada pediu para que ele reprisasse seu papel como Ciborgue no filme do Flash, junto com outros membros da Liga da Justiça. Na conversa deles em julho, o sr. Fisher recontou os problemas que teve com a equipe criativa do filme acerca da retratação de Ciborgue, e reclamou que as sugestões que ele fez durante a revisão do roteiro nunca foram adotadas. O Sr. Hamada explicou que diferenças criativas são uma parte normal de um processo de produção, e que o roteirista e diretor de um filme está no controle desses assuntos. Sr. Hamada também disse para o sr. Fisher que ele levaria as preocupações dele para a WarnerMedia, para que eles pudessem conduzir uma investigação. Em momento nenhum o sr. Hamada ‘puxou o tapete de alguém’, como o sr. Fisher afirmou falsamente, ou fez algum julgamento sobre a produção de Liga da Justiça, no qual o sr. Hamada não tinha nenhum envolvimento, visto que as filmagens começaram antes que o sr. Hamada fosse promovido para seu cargo atual.

 

Ainda que o sr. Fisher nunca tenha alegado nenhuma má conduta litigável contra ele, a WarnerMedia ainda assim iniciou uma investigação sobre as preocupações que ele levantou sobre a representação do seu personagem. Não satisfeito, o sr. Fisher insistiu que a WarnerMedia contratasse um investigador independente. O investigador tentou diversas vezes se encontrar com o sr. Fisher para discutir as preocupações dele, até o momento, sr. Fisher se recusou a falar com o investigador. A Warner Bros. continua comprometida com  sua responsabilidade com o bem estar de todo elenco e membros da produção de cada um dos seus projetos. Ela também continua comprometida a investigar alegações específicas e crédulas de má conduta, algo que até o momento o sr. Fisher falhou em prover.” 

A declaração parece uma resposta direta ao que Fisher disse em seu twitter. Nesta sexta, dia 04, o ator acusou Walter Hamada de querer puxar o tapete de Whedon e do produtor Jon Berg, que também é investigado, caso Fisher retirasse suas acusações contra Geoff Johns, produtor e roteirista do estúdio.

Depois de falar sobre Liga da Justiça,” declarou Fisher em sua rede social, “Eu recebi uma ligação do Presidente dos Filmes da DC e ele tentou puxar o tapete de Joss Whedon e Jon Berg, na esperança de que eu fosse aliviar para Geoof Johns. Não farei isso.” 

Pelo visto, este assunto ainda está longe de um fim…

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação Social pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"