Entenda a rivalidade entre o Batman e o Superman

Capa da Publicação

Entenda a rivalidade entre o Batman e o Superman

Por Gus Fiaux

Mesmo que você não goste da editora, é impossível negar que a DC Comics tem os dois maiores personagens das histórias em quadrinhos. Superman Batman sempre estiveram em um pedestal quando falamos de super-heróis, dois altos e inalcançáveis parâmetros a partir dos quais a mídia dos quadrinhos floresceu em direção aos seres superpoderosos e iluminados.

Criados no fim da década de 1930, os dois personagens sempre carregaram muitos ideais e pensamentos da sociedade norte-americana (não é à toa que o Superman defende a “verdade, a justiça e o american way of life“). Porém, ao longo dos anos, tornou-se muito comum ver esses dois personagens se digladiando nas HQs, lutando um contra outro como se os dois fossem opostos completos.

É curioso observar essa relação e como isso evoluiu ao longo dos anos, já que tudo isso nos oferece um vislumbre bem interessante sobre a indústria dos quadrinhos e até mesmo o mercado do entretenimento nos Estados Unidos e no mundo. Afinal, será que esses dois heróis se odeiam, de fato? Eles são completos opostos? Ou há uma outra razão pela qual vemos Clark Kent Bruce Wayne em disputas mortais?

Engana-se quem acredita que o Superman e o Batman são rivais nas HQs desde sua concepção. Inicialmente, eles não interagiam muito com o outro, mas quando a DC começou a apostar ferrenhamente nos crossovers de seus maiores heróis, os dois se tornaram grandes amigos, lutando lado a lado junto da Liga da Justiça em aventuras bem empolgantes.

A primeira batalha entre os dois veio em 1964, nas páginas de World’s Finest Comics #143. Na revista, vemos o Batman desafiando o Superman para um duelo seguindo as regras de Krypton. Parece algo sério, mas na época, essas batalhas tinha mero valor de entretenimento e eram esquecidas no momento em que as edições seguintes chegavam às bancas.

A verdadeira tensão entre os dois personagens só começou a aparecer após a Crise nas Infinitas Terras. Nesse período, a DC Comics realmente começou a se preocupar mais com a continuidade e o desenvolvimento de suas histórias, transformando as HQs em narrativas maiores. A partir daí, muitos roteiristas começaram a notar as diferenças entre os dois heróis.

Superman sempre foi o exemplo máximo de como a humanidade poderia melhorar. Mesmo sendo um alienígena, ele veio para trazer esperança e otimismo, em uma das várias metáforas messiânicas de suas histórias. Já o Batman se tornou o oposto do que era originalmente. Criado inicialmente como um herói carnavalesco, o personagem foi se tornando cada vez mais sombrio, uma criação à imagem das ruas escuras de Gotham City.

Claro que isso foi se intensificando. Em histórias dos anos 80, o Batman já era um ser torturado e cheio de problemas, que usava sua inteligência para combater inimigos e para preparar planos de contingência contra outros heróis, caso eles se tornassem malignos – e isso inclui o Superman e seus outros colegas da Liga da Justiça, como posteriormente foi provado no arco Torre de Babel.

Ainda assim, quem realmente mostrou o grande conflito entre o Cavaleiro das Trevas e o Homem do Amanhã foi Frank Miller, em sua icônica minissérie O Retorno do Cavaleiro das Trevas. A história se passava em um universo alternativo e distópico, onde o Batman retorna à ativa após anos de ostracismo. Ele acaba enfrentando o Superman, que se tornou um “faz-tudo” para o governo norte-americano.

É curioso que essa história tenha esse desenvolvimento, já que aqui temos uma subversão completa da figura do Superman. Em vez de ser um símbolo de paz e esperança, ele se torna corrompido pelo governo, um deus acomodado que faz apenas o que lhe mandam. Digo que isso é curioso porque em boa parte das narrativas das HQs e do cinema, o que torna o Superman um rival do Batman é justamente não se curvar ao governo.

Isso continuou através de outras histórias, ainda mais universos alternativos. Na trama de Injustice: Deuses Entre Nós, por exemplo, vemos uma completa inversão de papéis. O Superman se torna um tirano sombrio e opressivo, enquanto o Batman se torna a única esperança da humanidade para combater esse titã alienígena. Geralmente, essas histórias nos apresentam um parecer bem interessante da relação entre os dois.

Desde que os super-heróis viraram pop, no entanto – e por pop, quero dizer o boom cultural que eles tiveram nos últimos anos, deixando de serem ídolos de nichos para ganharem destaque nas maiores bilheterias de todos os tempos, em franquias de jogos premiados e em outras mídias mainstream -, os conflitos de super-heróis se tornaram outra coisa.

Não que isso já não fosse feito antes, mas crossovers e batalhas entre heróis se tornaram motivo de grande apelo comercial para as massas. Se isso já ajudava a impulsionar as vendas de revistas anteriormente, a partir dos anos 2000, toda a atenção dos fãs se voltava para um quebra-pau entre heróis – basta ver duas sagas de grande sucesso para a MarvelGuerra Civil Vingadores vs. X-Men.

Nos últimos anos, o número de edições que trazem conflitos entre heróis aumentou exponencialmente, e essa ideia se expandiu para outras mídias, como o cinema. Há anos se falava em fazer um filme que colocasse Batman contra Superman, mas só vimos isso ganhando vida em Batman vs. Superman: A Origem da Justiça, filme lançado em 2016 e dirigido por Zack Snyder. 

Ainda que o filme tenha alguns problemas e erros, a ideia de Snyder foi bem interessante, trazendo uma adaptação dos conceitos apresentados por Frank Miller em O Retorno do Cavaleiro das Trevas. Aqui, conhecemos um Batman mais velho, que realmente se preocupa com a devastação causada pelo Superman na Terra e como isso pode afetar diretamente a humanidade.

É curioso, porque isso é basicamente toda a trama de Lex Luthor nos quadrinhos, só que passada de uma forma menos vilanesca e mais suavizada para o Batman. E teria sido uma narrativa bem interessante de acompanhar, especialmente se o filme ficasse focado na disputa ideológica entre os dois heróis. Infelizmente, o projeto tomou uma direção completamente oposta – o conflito foi resolvido em uma cena bem infame e o resto do filme parte para um grande show de CGI na luta contra o Apocalypse. 

Em suma, a rivalidade entre os dois heróis é bem interessante de um ponto de vista narrativo, ainda que tenha sido usada nos últimos anos como um recurso qualquer para atrair mais leitores e público. De um lado, temos um alienígena extremamente poderoso que inspira as pessoas e que é como um deus entre os mortais. Do outro, um mortal que sabe que o ser humano não pode depender de heróis e salvadores, mas que faz de tudo para lutar contra os algozes de sua cidade.

Embora os dois pareçam ser rivais ferrenhos, que estão sempre trocando socos, é importante ressaltar que, nos quadrinhos, não é bem assim. Na verdade, os dois são amigos e se admiram muito. O Superman é uma das maiores inspirações do Batman, e vice-versa.

É compreensível que, para muitos fãs – sobretudo os que só conhecem os filmes e animações, mas ainda não tenham lido muitas HQs -, os dois pareçam grandes rivais e inimigos, ainda mais levando em conta como suas personalidades são opostas e até mesmo seus visuais geram um contraste interessante quando os dois estão lado a lado. Ainda assim, são justamente essas diferenças que os complementam.

Ainda assim, se você quer ver mais histórias de embate entre o Superman e o Batman, aqui vão algumas recomendações de arcos: O Retorno do Cavaleiro das Trevas, Injustiça: Deuses Entre Nós, Superman: Entre a Foice e o Martelo, Batman: Silêncio e Superman: Sacrifício. 

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux