Capa da Publicação

[Review] Condado Maldito: Entre fanáticos e pagãos

Por Gus Fiaux

Há anos já sabemos que os quadrinhos não são apenas sobre super-heróis e suas lutas homéricas contra supervilões. Muitas histórias já vieram para nos mostrar a potência de outras narrativas dentro das HQs, sejam de drama, romance ou até mesmo horror. E por falar nesse gênero tão querido, precisamos conversar um pouco sobre Condado Maldito, o mais novo lançamento da Darkside Books no Brasil.

O quadrinho foi escrito por Cullen Bunn, com arte de Tyler Crook, publicado lá fora pela Dark Horse Comics entre 2015 e 2018, em trinta e duas edições. Agora, o projeto está chegando ao Brasil nas mãos da editora especializada no horror e no fantástico, em uma coleção de oito volumes dos quais dois já foram anunciados.

A história segue a vida de Emmy Crawford, uma jovem mulher que se descobre como uma bruxa poderosa, mas que vive sob o julgo do pequeno condado de Harrow. O povo do vilarejo tem um grande problema com bruxas, e por mais que Emmy sempre tenha sido uma menina simpática e gentil, isso a torna um alvo no momento em que seus poderes sobrenaturais são revelados.

Ela precisa escapar da intolerância e do preconceito – destilados por pessoas que ela sempre conheceu, inclusive seu pai. Mas nesse capítulo, ela acaba conhecendo figuras que serão essenciais em sua jornada, como o misterioso Garoto sem Pele ou até mesmo Bernice Anderson, uma mulher que quer salvar Emmy a qualquer custo.

Em seu primeiro volume, intitulado Bruxas e AssombraçõesCondado Maldito não vai além de apresentar seus principais personagens e sua história como um todo, preparando o terreno para os próximos volumes. É uma edição bem introdutória e simples, que serve apenas para que possamos nos familiarizar com o condado de Harrow e seus peculiares habitantes.

Ao mesmo tempo, a HQ já esbanja muita originalidade ao abordar algumas criaturas sobrenaturais. Por exemplo, o próprio Garoto sem Pele que já mencionamos, que será uma peça crucial dos próximos volumes, e que nutre uma relação bem interessante com Emmy, servindo quase como o “familiar” da jovem bruxa.

O mesmo pode ser dito para os fantasmas, que aparecem pela metade do volume. Diferente do que estamos acostumados – as formas etéreas como véus, brancos e translúcidos -, as assombrações de Condado Maldito são seres inflamáveis, sempre em chamas, consumidos por um fogo que não se apaga.

Tudo isso é bem interessante, compondo a aura mais mística e pagã do quadrinho. Aliás, falar em paganismo desperta outras ideias importantes, uma vez que a HQ explora muito bem o conflito entre paganismo e fanatismo religioso, criando uma batalha ideológica que remonta tanto às Bruxas de Salém quanto ao período sombrio da Guerra Fria.

Em termos de narrativa, temos uma obra que vai se construir melhor com o tempo, mas que já nos permite ter algumas primeiras impressões.

A escrita de Cullen Bunn é fluida e ágil, muito melhor que qualquer trabalho do autor para a Marvel (onde ele já escreveu títulos dos X-Men e do Homem-Aranha). O autor consegue criar uma boa aura para a história, ainda que o volume se perca de vez em quando nas “divagações” para introduzir novos personagens e elementos.

Por outro lado, o destaque completo fica por conta de Tyler Crook e sua arte. Aqui, as ilustrações contam a história melhor do que o próprio roteiro, criando um senso de movimento e uma atmosfera que raramente se vê em quadrinhos de horror. É uma arte bonita e detalhista, que consegue ao mesmo tempo ser divertida e assustadora. De muitas formas, as cores em aquarela até lembram um pouco as clássicas revistas em quadrinhos de terror, como Tales from the Crypt, Creepy Eerie.

Aliás, é na arte que os personagens são mais bem definidos. Crook consegue dar personalidade a cada uma das figuras, trabalhando um esquema tão elaborado de cores e formas, o que ajuda a definir ainda mais um desenvolvimento de personagem.

Tudo isso torna Condado Maldito uma aposta bem interessante, sobretudo para quem quer fugir dos super-heróis e encontrar quadrinhos voltados para outros gêneros. É uma aposta a longo prazo, já que serão 8 volumes, mas o primeiro certamente já nos captou a atenção, fazendo com que nós tenhamos interesse em voltar ao mundo de Emmy e do Condado de Harrow.

Abaixo, fique com as 10 maiores bruxas da Marvel e da DC:

Condado Maldito Vol. 1: Bruxas e Assombrações está disponível nas livrarias. Você também pode adquirir seu volume no site oficial da Darkside Books.

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux