Capa da Publicação

Netflix chega a um acordo em processo por Enola Holmes

Por Gabriel Mattos

A Netflix acabou se envolvendo em um processo judicial devido ao lançamento de Enola Holmes esse ano no streaming. Acontece que o instituto Sir Arthur Conan Doyle não ficou feliz com a aparição de Sherlock Holmes, mas tudo foi resolvido extrajudicialmente.

Comandado pelos herdeiros de Arthur Conan Doyle — o criador de Sherlock Holmes — esse instituto é conhecido por processar basicamente qualquer empresa que utilize o personagem.

A questão é que uma versão mais antiga, com praticamente nenhum desenvolvimento emocional, entrou em domínio público e pode ser usado em novas obras por qualquer um. O instituto entretanto não tolera que usem o personagem com nuances emocionais que só foram vistas em livros posteriores do autor.

Henry Cavill interpreta Sherlock Holmes.

Esse foi o problema do filme da Netflix, que trouxe Henry Cavill no papel do detetive. Sua relação complicada com os irmãos não agradou o instituto que ameaçou processar a empresa. Devido ao sucesso do filme, a Netflix decidiu por um acordo para não levar a questão aos tribunais.

Detalhes do acordo não foram liberados ao publico, mas segundo o The Hollywood Reporter ambas as partes estão satisfeitas com o desfecho e a Netflix tem permissão de manter o longa em seu catálogo.

Os 10 livros de Sherlock Holmes que ainda são protegidos por direitos autorais devem entrar em domínio público no dia 1 de janeiro de 2023.

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Gabriel Mattos

Redator que joga mais Switch do que deveria e já leu todo o novo cânone de Star Wars, até os livros ruins. • @gabeverse