Channel Zero: Conheça a série de TV sobre creepypastas

Capa da Publicação

Channel Zero: Conheça a série de TV sobre creepypastas

Por Gus Fiaux

Com tantas opções no mercado, o gênero de terror é um dos mais prolíficos da cultura pop, com narrativas em mídias diversas que vão do cinema à literatura e os quadrinhos. Na televisão, o gênero tem se multiplicando bem rapidamente, com vários exemplares que vão desde o terror mais gore envolvendo zumbis e mortos-vivos às histórias de fantasmas que misturam elementos de drama e romance.

E no meio disso tudo, uma série que se destaca bastante é Channel Zero. Lançada pelo SyFy, a série foi iniciada em 2016 e teve quatro temporadas. Basicamente, sua premissa gira em torno de adaptar as famosas creepypastas – contos curtos de horror que viralizam na internet através de fóruns e comunidades virtuais. E se você ainda não conhece esse projeto bizarro, chegou a hora de mergulhar nessas histórias apavorantes.

O que é Channel Zero?

Channel Zero é uma série que segue um formato antológico – ou seja, cada temporada possui sua própria história fechada e completa, como American Horror Story, por exemplo. A série foi criada em 2016 por Nick Antosca, o roteirista de séries como Hannibal, The Act Teen Wolf, e foi ao ar até o fim de 2018, antes de ser cancelada pelo SyFy após a quarta temporada.

Apesar do curto período de exibição, a série acabou gerando uma legião de fãs e tem um status cult, com muitos que ainda fazem campanhas para que o projeto seja revivido em uma plataforma de streaming. Atualmente, as três primeiras temporadas de Channel Zero podem ser assistidas no Brasil através do Amazon Prime Video. Cada uma das temporadas possui apenas 6 episódios de 43 minutos de duração, em média.

Candle Cove

Cada temporada recebe o nome de um creepypasta que será abordada. A primeira delas já chegou com os dois pés na porta adaptando Candle Cove, uma história bem famosa nos fóruns de internet, que dizia respeito a um grupo de pessoas se lembrando de assistir uma série infantil bizarra em um canal estranho quando eram crianças. Essas pessoas começam a discutir sobre a série, mas logo descobrem que não há nenhum registro concreto de que essa produção já existiu.

Na trama do primeiro ano de Channel Zero, temos um homem soturno na forma do psicólogo Mike Painter, que mesmo depois de adulto ainda lida com o trauma do desaparecimento de seu irmão. Aos poucos, ele começa a perceber que esses eventos podem estar diretamente associados à série Candle Cove, que só ele se lembra de ter assistido. A temporada vai fundo num horror do desconhecido e de como nossas memórias podem ser uma prisão, além de contar com vários elementos sobrenaturais.

Mike é vivido na temporada por Paul Schneider (conhecido por seu papel em Parks & Recreation). Ao longo da série, conhecemos também sua mãe, vivida por Fiona Shaw (de Harry Potter e Killing Eve). Além deles, o elenco também traz nomes como Luisa D’Oliveira (de Supergirl), Shaun Benson (de Being Erica) e Natalie Brown (de The Strain).

The No-End House

A segunda temporada muda de rumo drasticamente e resolve adaptar uma creepypasta bem conhecida das profundezas da internet, chamada The No-End House. A lenda virtual fala sobre uma literal “Casa Sem Fim”. Qualquer um que ousar entrar nela se compromete com o desafio de achar a saída, com a promessa de ganhar US$ 500 caso a encontre. Porém, todos que adentram esse terreno macabro acabam se perdendo tanto geograficamente quanto em seus próprios psicológicos.

E o segundo ano de Channel Zero embarca fundo nessa proposta, contando a história de um grupo de amigos que decide ir até a famigerada Casa Sem Fim. Eles adentram o local esperando ser uma casa de atrações turísticas, mas acabam percebendo que algo mais sinistro está acontecendo por lá. Ao longo dos seis episódios, Nick Antosca e sua equipe de roteiristas se propõem a desconstruir não apenas a ideia de uma “casa dos horrores”, mas também a mente de seus protagonistas.

Aqui, temos um elenco mais diversificado e conhecido pelo grande público. Amy Forsyth (conhecida por papéis em Parque do Inferno e We Summon the Darkness) é a protagonista, seguida por nomes como Aisha Dee (de The Bold Type Sweet/Vicious) e Jeff Ward (de Agentes da S.H.I.E.L.D.). A segunda temporada foi muito elogiada por sua atmosfera misteriosa e aterradora, com o crescente pavor que se alastra pelas paredes e corredores da casa eterna.

Butcher’s Block

O terceiro ano da série talvez seja o mais experimental, por apenas basear seus conceitos em uma creepypasta e não necessariamente adaptá-la com mais preciosismo, como os anteriores. A temporada é baseada em uma série de publicações conhecidas como “Search and Rescue”que por sua vez exploram histórias de pessoas que desaparecem misteriosamente, deixando para trás algumas pistas incômodas e bem emblemáticas. Aqui, Antosca decide pegar o conceito e expandi-lo para um território novo.

Assim, nasce Butcher’s BlockNa trama, conhecemos uma mulher muito sonhadora e idealista que dedica seu tempo a trazer mais positividade para o mundo, ajudando quem necessita – e isso inclui sua irmã mais velha, que é diagnosticada com esquizofrenia. As duas acabam se mudando para uma cidade que é marcada por frequentes e estranhos desaparecimentos. E tudo começa a espiralar quando as duas percebem que esses sumiços estão ligados a um segredo bizarro compartilhado por vários habitantes do local.

Para a crítica, Butcher’s Block é a melhor temporada de Channel Zero e é uma excelente vitrine de como Nick Antosca sabe usar conceitos externos e adaptá-los em obras extremamente originais. A temporada traz alguns nomes interessantes em seu elenco, como Olivia Luccardi (conhecida por The Deuce e Jogo do Dinheiro), Holland Roden (de Teen Wolf), além de Krisha Fairchild (de The Act) e Rutgen Hauer (o eterno Roy Batty de Blade Runner: O Caçador de Androides).

The Dream Door

Em 2018, pouco após o lançamento de Butcher’s Block, o SyFy começou a exibição daquele que viria a ser o quarto e último ano de Channel ZeroThe Dream Door volta à origem e tenta adaptar de modo mais compreensivo uma história bem impactante, sobre um casal que se muda para uma nova casa e descobre, em um dos cômodos, uma porta misteriosa e repleta de símbolos ocultos. Ao abrirem a porta, eles acabam liberando uma figura humanoide estranha e violenta, que investe contra eles e foge desesperadamente.

O maior mérito dessa quarta temporada é não ficar apenas nessa base estrutural da narrativa. Aqui, acompanhamos marido e mulher que escondem segredos profundos um do outro e quando a porta misteriosa se abre, não é apenas o temível monstro que salta para fora, mas também todos os mistérios que pairam sobre esse relacionamento. Por isso, a temporada sabe conciliar muito bem um drama psicológico sobre segredos conjugais com uma ameaça mais puxada para o sobrenatural, dando um tom sinistro a uma narrativa que, de qualquer outra forma, seria mundana.

A temporada não foi tão bem recebida quanto as anteriores, mas ainda tem sua base fiel de fãs. No elenco, temos nomes como Brandon Scott (de This is Us) e Maria Stein (da série finada do Monstro do Pântano). Muitos ficaram inconsoláveis com a notícia do cancelamento, mas é interessante observar como, em apenas quatro temporadas, a série se propõe a expandir um tema tão curioso na cultura de internet, como as creepypastas. Se você gosta desse tipo de história, sinta-se convidado a entrar no mundo sombrio e assombroso de Channel Zero. 

Abaixo, veja as 10 melhores séries de terror da atualidade:

As três primeiras temporadas de Channel Zero estão disponíveis no Prime Video.

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux