Capa da Publicação

Tragédia, zumbis e mana preta: A incrível jornada anti-heroica de Liliana Vess em Magic: The Gathering!

Por Cristiano Rantin

Ontem tivemos o lançamento de um trailer lindíssimo de Guerra da Centelha, a nova coleção de Magic: The Gathering, que será lançada agora no final de abril. Além de contar com uma animação completa, capaz de competir com as melhores cinematics dos jogos mais populares como League of Legends e Overwatch, o que chamou a atenção dos fãs foi vermos o que talvez sejam os últimos momentos de Liliana Vess, uma das personagens mais complexas e queridas já criadas no jogo.

Antes de continuarmos, assista o trailer aqui:

Caso você não esteja familiarizado com Magic: The Gathering, aqui vai um rápido resumo: A cada nova coleção de cartas que é lançada, temos uma história sendo contada, seja através da lore oficial (publicada em livros ou no site do jogo) ou nos textos e artes das cartas. A franquia, criada em 1993, conta com um hall com milhares de personagens, cada um recebendo destaque quando convém para a narrativa.

Agora, em Guerra da Centelha, teremos uma espécie de paralelo com Vingadores: Guerra Infinita. Quase todos os personagens principais dos últimos anos estão presos em uma cidade, depois de serem “capturados” pelo grande vilão que deseja se tornar um Deus, roubando a “alma” desses personagens. Basicamente os Sentinelas, que seriam como os Vingadores, são um grupo formado por grandes e poderosos feiticeiros que juraram proteger o multiverso, e agora eles enfrentam Nicol Bolas, que nessa comparação seria como o Thanos, com a diferença de que o dragão é MUITO mais inteligente e está manipulando os eventos do jogo de uma forma impecável há muitos anos.

Guerra da Centelha será o ápice de uma história que vem sendo contada faz muito tempo, e como já ficou claro, é onde nos despedimos da maioria desses personagens que amamos. Muita gente vai morrer tentando impedir Nicol Bolas, ou simplesmente sendo assassinada pelo Dragão e seus lacaios, pegos no fogo cruzado.

Isso, no entanto, não é o foco deste artigo. Estou aqui para falar de Liliana Vess – a necromante que aparece em destaque no trailer – e como a história dela é incrível, mostrando a feiticeira como uma anti-heroína complexa e maravilhosa.

Sobrevivendo a qualquer custo

Liliana, ou Lili como é chamada pelos fãs, é uma das personagens mais antigas do jogo – em questão de lore, não necessariamente de tempo no jogo. Mesmo que aparente ter cerca de 30 anos, a necromante já viveu diversos séculos, sempre evitando a morte, ainda que seja nela que seu poder floresça.

A história dela, no entanto, é uma das mais trágicas do jogo e desde muito cedo vemos Liliana sofrendo com as questões envolvendo liberdade e mortalidade. Tudo que ela mais quer – e isso são coisas que se tornam recorrentes na história dela ao longo dos anos – é ser livre e sobreviver.

E esses pontos da história estão presentes desde que ela ainda não era uma planinauta, termo utilizado para se referir a feiticeiros extremamente poderosos que, diante de um grande trauma, descobrem ser capazes de viajar pelo multiverso. Apenas uma pessoa em um milhão consegue isso. Ainda usando os quadrinhos como comparação, seriam tipo os mutantes dos X-Men que só conseguem acessar seus poderes depois de uma situação de emoção extrema.

Tragédia em Família

Quando ainda vivia em Dominária, na poderosa Casa Vess, Liliana era censurada por seu pai, um poderoso general, que criticava seu comportamento e até mesmo o fato dela flertar e sair com quem ela bem entendesse, sem se importar com algum tipo de má reputação que isso pudesse atrair para sua família.

A única pessoa com quem Liliana realmente se importava ali era com seu irmão, Josu, que acabou sendo amaldiçoado pelos inimigos de seu pai. A moça, que era uma aprendiz de curandeira, foi imbuída com a tarefa de buscar a erva que supostamente salvaria seu irmão. Desesperada, Liliana seguiu até as florestas de Dominária, sendo abordada por uma figura misteriosa chamada de Homem-Corvo, que disse que a planta que ela buscava havia sido destruída pelos mesmos homens que amaldiçoaram o garoto.

No entanto, ele disse que existia uma possibilidade de ainda salvar Josu. Sabendo dos talentos latentes para necromancia que a garota possuía, o Homem-Corvo estimulou Liliana a ressuscitar a planta, mas manter isso em segredo, já que sua família iria condenar o uso de uma arte tão sombria.

Liliana usando seus poderes contra Josu

Liliana o obedece e ao entregar a cura para Josu, assiste ele se transformar em um monstro horripilante que imediatamente sai matando as pessoas da Casa Vess. Traumatizada e horrorizada, ela usa sua necromancia para controlar os mortos e com o coração apertado, faz com que eles coloquem um fim a esta versão distorcida de seu irmão. O trauma de ter que fazer isso, no entanto, é poderoso o bastante para acender a centelha de planinauta dela, teletransportando ela para Innistrad, um plano bem longe daquele lugar.

Pra que ter um pacto demoníaco, quando se pode ter quatro?

Em Innistrad, Liliana desenvolveu seus dons de necromancia, se tornando uma feiticeira poderosa. Mas a morte de Josu ainda pesava em seu peito e, mesmo em todos esses anos, Liliana sempre se recusou a realmente morrer para conseguir se torna uma grande mestra em sua arte. Depois do que aconteceu com seu irmão, Liliana passou a temer a ideia de morrer e iria se certificar de que isso nunca acontecesse com ela.

Muitos anos depois, quando ela já era uma velha senhora, a necromante viria a se encontrar com Nicol Bolas e ele, ao descobrir a história dela, iria ajudá-la a fazer um pacto com quatro grandes demônios: Kothophed, Griselbrand, Razaketh, Belzenlok. Em troca de servidão eterna, Liliana teria imortalidade, juventude, beleza e ainda mais poder.

Um demônio é pouco!

Como já havia dito antes, Liliana preza por sua liberdade, então mesmo concordando com esses termos, ela se certificou de que aquele não seria o seu fim. Assim ao longo dos anos, temos a moça conquistando cada vez mais poder e aliados – para resumir, o Véu Metálico, um artefato extremamente poderoso, e os Sentinelas -, matando um demônio de cada vez.

Ela explodiu Kothoped com o poder do Véu, praticamente iniciou uma guerra entre anjos e demônios para conseguir destruir Griselbrand, e estraçalhou Razaketh depois de controlar crocodilos zumbis gigantes. Mas quando foi hora de enfrentar Belzenlok, que estava em Dominária, o demônio tentou destruí-la psicologicamente, ressuscitando seu irmão Josu como um Cavaleiro Lich. É um momento muito traumático para Liliana, onde ela, mais uma vez, é obrigada a matar seu irmão, livrando o rapaz desses destino distorcido. Em fúria, Liliana consegue matar seu último mestre demônio e agora finalmente é uma mulher imortal e livre.

Eu disse livre? Eu quis dizer controlada pelo maior vilão de todos os tempos…

Liliana se ferrou…

Se lembra que eu disse que foi Nicol Bolas quem arranjou esse contrato com os demônios para Liliana? Lembra como, antes disso, eu falei que ele é extremamente inteligente e que vem manipulando os eventos do jogo há anos? Pois bem. Nicol Bolas queria que Liliana matasse os demônios, pois uma vez que eles estivessem fora do caminho, seria o Dragão que se tornaria o dono da alma de Liliana. Ou seja, depois de todos esses anos de luta, a moça saiu da frigideira para cair no fogo.

Essa era a última informação que tínhamos dela e, desde então, muitas pessoas estavam teorizando qual seria o destino de Liliana. Será que ela simplesmente iria trair seus amigos – sim, porque ela realmente passou a se importar com eles, pelo menos com Gideon e Jace – e servir cegamente Bolas, apenas pelo medo de morrer?

Depois de muita especulação, o trailer finalmente nos trouxe uma resposta: Sim, Liliana iria servir Nicol Bolas em seus planos, mas ela também iria se dar conta do que estava fazendo e se voltar contra ele. Em suma, sendo uma das maiores anti-heroínas da história de Magic: The Gathering.

 

Mas como assim anti-heroína?

Pois bem, enquanto seguia em busca de formas de matar seus antigos mestres demônios, Liliana foi se transformando. Se antes ela era uma pessoa arrogante, manipuladora, egoísta e cruel, ao longo do seu caminho fomos vendo ela se tornando, mesmo a contragosto, uma pessoa um tanto mais “cinza” e que se importa com os outros. Claro, a personagem não passa a sair distribuindo abraços e amor para seus aliados, mas ela se torna sim alguém mais amável, mesmo que sendo arrogante, sarcástica e manipuladora.

Mesmo assim, os temas liberdade e morte ainda pesam muito sobre a personagem. Liliana deixou de ser uma vilã rasa para ir ganhando cada vez mais profundidade e tons de cinza, se tornando a anti-heroina que ela é hoje.

Por exemplo, enquanto servia seu primeiro mestre Kothoped, ela acabou conhecendo Jace Beleren, um telepata. Suas ordens eram de manipular o rapaz, mas Liliana realmente acabou se envolvendo com ele e desenvolvendo um rápido romance com o “garoto da capa azul”.

Mas no fim, Liliana ainda temia terrivelmente a ideia de morrer caso descumprisse seu contrato, então, mesmo com o coração partido, ela traiu Jace – ainda que nos próximos anos ela fosse ficar imaginando o que teria acontecido se ela simplesmente tivesse fugido com ele e ido pra longe de demônios, morte e dor.

Mais tarde, quando o plano de Innistrad estava sendo corrompida pela poderosa Titã Eldrazi Emrakul, Liliana já estava pronta para fugir, sabendo que seu mundo seria destruído pelas forças sombrias da criatura. Mas no fim, quando ela viu que Jace – que estava ali junto das outras Sentinelas para tentar impedir Emrakul – provavelmente morreria, ela decidiu ficar e lutar. Claro, o Jace foi o catalizador pra isso, mas a necromante também não gostava nada da ideia de ter Emrakul destruindo o plano que ela passou a considerar como lar.

Assim, quando tudo parecia perdido, Liliana se tornou literalmente a Última Esperança daquele mundo, usando seus poderes e uma horda de zumbis para acabar com Emrakul, possibilitando o aprisionamento dela.

Liliana Vess, a Última Esperança

Depois disso, ainda que pensando em como as Sentinelas poderiam servir para os intentos dela, Liliana decidiu jurar que iria proteger o multiverso com eles e, mesmo agora, ela não quebrou esse juramento – diferente da Nyssa, uma das “heroínas” do jogo, por exemplo.

Junto dos seus novos amigos, ela seguiu para outros planos e ajudou as Sentinelas diversas vezes. Se não fosse por ela eles teriam morrido para o vilão Tezzeret em Kaladesh, ou ainda para os mortos e horrores das areias de Amonkhet.

É preciso dizer que foi Liliana quem estimulou os heróis a seguirem para Amonkhet, local onde que temos o primeiro grande confronto dos heróis contra Nicol Bolas. A necromante sabia que Razaketh, seu terceiro mestre demônio, estava ali e queria utilizar a ajuda dos seus amigos para destruí-lo. A feiticeira, contudo, não hesitou em salvar eles dos perigos que enfrentaram.

Quando Razaketh foi morto e eles avançaram contra Nicol Bolas, Liliana foi a primeira a se dar conta de que todos eles iriam morrer se não fugissem, o dragão era forte demais. Ela implorou para que eles fossem embora, para que eles sobrevivessem. Ninguém deu ouvidos a ela e Liliana fugiu.

Como era de se esperar, todas as Sentinelas apanharam MUITO, chegando bem perto da morte. Se eles a tivessem escutado, talvez Jace não teria perdido a memória e ido parar em Ixalan. Talvez Nissa não teria quebrado seu juramento. Talvez eles encontrariam uma maneira mais efetiva de parar Nicol Bolas.

A derrota das Sentinelas

Não estou aqui para teorizar o que poderia ter acontecido se eles tivessem escutado Liliana, ou se o Jace não tivesse perdido a memória. O ponto é que logo depois disso, e da luta dela contra Belzenlok, vimos Liliana acabar nas garras de Nicol Bolas e ela sendo obrigada a ir embora com ele.  

A traição fecha o ciclo

Como vimos, mais uma vez voltamos aos temas que definem a personagem: Liberdade e Morte. Depois de anos lutando para ser livre – e continuar imortal – Liliana acaba tendo que escolher abandonar seus amigos para continuar viva, mesmo que seja uma vida de servidão, até que ela encontre uma maneira de quebrar o seu contrato ou de matar Nicol Bolas.

Mas ai temos a Guerra da Centelha, e em apenas um trailer de três minutos, conseguimos ver o ápice da mudança de Liliana e o quanto ela evoluiu ao longo dos anos. Ali temos a necromante decidindo abrir mão da própria vida – porque ela sabe que aquilo vai ter uma consequência severa – para fazer o que é certo. Ali ela escolhe ser livre, de uma vez por todas, mesmo que isso a mate no final.

O trailer destaca essa mudança em Liliana e podemos ver todo o conflito de emoções que se passa dentro dela. Temos a obrigação em servir o Nicol Bolas para continuar viva, a arrogância em ser aquela que controla os Eternos, desprezo enquanto caminha em direção ao dragão e então a tristeza em ver a morte da garota protegendo seu irmãozinho, talvez até um pouco de nojo ao saber que foi uma ação dela que causou isso.

Aqui temos um paralelo bem legal com a própria origem de Liliana e toda sua relação com Josu, sobre como ela fez tudo o que podia para proteger ele e, mesmo assim, falhou duas vezes.

Qualquer que seja o resultado, Liliana vai triunfar

É isso que faz com que ela se volte contra Nicol Bolas, ela se lembra de quem ela é: Alguém bem mais profunda do que apenas uma marionete nas garras do dragão. Ainda que seja um pouco tarde, Liliana decide se sacrificar como uma heroína, colocando sua vida e segurança em risco, para fazer o que é certo. Ela prova, de uma vez por todas, que não é uma simples vilã, mas sim algo mais complexo que isso: uma anti-heroína.

Contando a história dela para um amigo, ele me disse “Ah, então ela é o Loki? Vilão carismático que fez muita coisa errada, mas que também foi desenvolvido para se tornar um herói, ou anti-herói, capaz de se sacrificar para proteger o que ele ama?” e é quase isso que temos ali.

Estamos vendo a conclusão de anos de desenvolvimento da personagem e seja qual for o resultado da Guerra da Centelha, será algo muito bonito acompanhar. Pois agora, ela finalmente parou de temer a morte e deixar que esse medo comandasse suas escolhas. Agora ela encara a morte de frente e está pronta para o que quer que aconteça. Porque no fim, seja o que for, será algo glorioso e memorável. E Liliana Vess triunfará. 

Veja também nossa lista sobre a personagem:

A coleção Guerra da Centelha será lançada dia 25 de abril no jogo online Magic Arena e nos dias 27 e 28 de abril nos eventos de pré-lançamento para o jogo físico.

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação Social pela UEL • Twitter: @ChrisRantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"