Capa da Publicação

Roteirista de “Doutor Estranho” desmente popular rumor sobre a Marvel Studios!

- – Os diretores têm sua liberdade criativa respeitada!

Por Gus Fiaux → Filmes de super-heróis são reconhecidos por vários elementos em comum: os personagens, que seguem arquétipos tradicionais; a eterna luta entre o bem e o mal; a jornada do herói e, é claro, as fabulosas sequências de ação. Nenhum filme de herói é completo sem batalhas incessantes e viscerais, e em uma participação ao podcast do Junkfood Cinema, o roteirista C. Robert Cargill falou um pouco sobre isso.

Cargill escreveu o primeiro filme do Doutor Estranho e pode acabar retornando para a sequência, que chega aos cinemas em 2021. No podcast, ele falou sobre como funciona o esquema das sequências de ação e desmentiu um mito popular de que a Marvel não deixava os diretores comandarem as sequências de ação de seus próprios filmes:

“Por exemplo, se você ama os filmes da Marvel, você precisa em algum momento homenagear as equipes de ação que trabalham lá, por conta do que eles fazem – uma vez que eles sabem o que estão fazendo e quais cenas estão no filme, eles começam a planejar as sequências de ação. E eles pensam: ‘O que não fizemos antes? O que não vimos antes? Como gostaríamos de ver esses personagens? Como podemos tornar os poderes desse personagem interessante?’ E então eles começam a brincar com essas ideias. E depois eles começam a trabalhar antes de todos, dizendo: ‘Vamos tentar?’ E então, eles vão até as quadras e começam a praticar, e jogar um ao outro pelos ares, e improvisar, e pensam: ‘Ah, e se fizermos isso e aquilo?'”

Por fim, o roteirista também comentou sobre como a equipe de Doutor Estranho ajudou a introduzir alguns conceitos no filme – como, por exemplo, a “personalidade” do Manto de Levitação, que surgiu graças às ideias dessa equipe. Além disso, ele falou sobre um conceito errado levantado por alguns diretores e pela imprensa a respeito das técnicas da Marvel Studios:

“O Manto da Levitação evoluiu da equipe de ação. Eles diziam: ‘O Manto da Levitação é algo muito legal. O que aconteceria se ela se envolvesse nas lutas sozinha?’ E eles então trouxeram isso até nós, e eu e a equipe de dublês sentamos e conversamos e eles começaram a nos mostrar um vídeo de demonstração. O diretor, Scott [Derrickson] amou e eu pensei: ‘Ah, isso é ótimo!’ E eles perguntaram como podiam incorporar mais isso à história. […] É por isso que algumas pessoas da imprensa já disseram ‘Ah sim, eu me reuni com eles e eles disseram para eu não me preocupar com as sequências de ação, que eles tomam conta disso’, e eles pensaram que isso era como se a Marvel tivesse dizendo: ‘Nós não estamos te contratando para dirigir ação, outra pessoa vai dirigir’. E não é assim, eles não entenderam: o negócio é que eles têm esses gênios que bolam essas ótimas sequências e eles te levam até eles, e o diretor e o roteirista podem trabalhar com eles para desenvolver as cenas.”

Os comentários de Cargill parecem ser direcionados especialmente à diretora argentina Lucrecia Martel, que teria sido convidada para dirigir o filme solo da Viúva Negra mas acabou recusando o cargo porque sobre a Marvel dizendo que o estúdio “tomaria conta” das cenas de ação. Com isso, o assunto parece ter sido esclarecido.

Além disso, é muito natural que, em filmes de ação, existam diretores específicos para sequências de ação – especialmente quando o diretor “principal” não é muito experiente com esse tipo de cena. Esses diretores de sequências de ação normalmente têm treinamento e experiências com dublês, com técnicas e coreografias de luta.

Na galeria abaixo, fique com imagens de Viúva Negra, o próximo filme da franquia:

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura chega aos cinemas em maio de 2021.

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal de Pernambuco. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux