Capa da Publicação

Os Pokémon da Nintendo precisam evoluir!

Por Guilherme Souza

Em 1996, a Nintendo publicou um jogo chamado Pokémon. Desenvolvido pelo estúdio GameFreak, o jogo foi lançado no Japão em duas versões distintas, sendo elas Pokémon Red e Pokémon Green, mas o que ninguém esperava, é que esses lançamentos iriam redefinir a cultura Pop dos próximos anos e criar um fenômeno mundial, que perdura até os dias de hoje.

De 96 pra cá, a franquia se expandiu, se ramificando em uma série de outros jogos, mangás, animes e em breve, até mesmo um filme em live-action produzido por Hollywood, além de ter servido de inspiração para diversas outras franquias que surgiram nos anos seguintes. O sucesso de Pokémon é inegável, tanto que essa semana, recebemos o anúncio de dois novos jogos da franquia, que servem como pontapé inicial para a oitava geração de monstrinhos.

Durante uma live especial, a Nintendo revelou os jogos Pokémon Shield e Pokémon Sword, títulos exclusivos para Nintendo Switch que fizeram muitos fãs delirar de ansiedade. Apresentando uma grande melhoria gráfica em relação aos títulos anteriores, o jogo promete ser mais um sucesso da franquia, mas mesmo com mudanças visíveis, as curtas cenas de gameplay foram suficientes para mostrar que muitos elementos clássicos foram mantidos, principalmente no que se refere aos combates, o que nos faz pensar: será que não chegou a hora de mudar isso?

Desde que foi, lançada, Pokémon ainda é uma franquia extremamente lucrativa, contudo, nos últimos anos, os jogos principais que são responsáveis por apresentar as novas gerações de monstrinhos, vêm apresentando leves quedas de vendas, como é o caso de Pokémon X & Y (16.34 milhões de cópias vendidas) e Pokémon Sun & Moon (16.13 milhões de cópias vendidas), porém devemos considerar uma série de fatores para isso, tais como: falta de identificação do público para com a nova geração de Pokémon, lançamentos de concorrentes no mesmo período, transição de consoles e etc.

Só teremos a certeza de como um novo jogo da franquia principal se comportará na indústria após o encerramento das vendas, mas no momento, os dados apontam uma queda.

Quando pensamos nas mecânicas de combate de Pokémon, o padrão é sempre o mesmo: batalhas por turno, com limite de quatro golpes por Pokémon, onde se deve usar a estratégia de comparar as forças e fraquezas entre os tipos, bem como encontrar o balanço entre aprender golpes ofensivos, defensivos e que mudam os stats de seu adversário. Por mais que esse seja um padrão que deu certo nos últimos 23 anos, as outras mídias em que Pokémon aparece já nos mostraram que as batalhas podem ser muito mais dinâmicas e frenéticas do que isso.

Em 2015 a Bandai Namco lançou o jogo de luta Pokkén Tournament, que colocava os clássicos monstrinhos em uma mecânica de combates similar à de Tekken. Como dá para imaginar, o jogo foi um verdadeiro sucesso e atendeu aos pedidos de muitos fãs que gostariam de ver um combate mais intenso e diversificado na franquia, porém mais uma vez, nos questionamos: não seria interessante se integrassem esse combate dinâmico ao clássico RPG?

Por mais que Pokémon tenha uma gama variada de produtos e seu sucesso de vendas seja uma resposta negativa direta para essa pergunta, devemos levar em consideração que a franquia nasceu de uma ideia original, que acabou se tornando um sucesso colossal. Sendo assim, seria interessante ver Pokémon revolucionando a indústria mais uma vez e reinventando a si mesmo (falando especificamente dos RPG principais).

Em meados dos anos 80, a Squaresoft (atual Square Enix) conseguiu evitar a falência ao lançar o primeiro jogo da franquia Final Fantasy, mas desde então, a franquia mudou, se renovou, evoluiu, errou, aprendeu com seus erros e ajudou a Square a se tornar líder no mundial no mercado de RPGs. Por mais que essa tacada de sorte tenha dado certo com a Square, isso é um caso raro de se ver, já que os estúdios preferem apostar na segurança e se manter fiéis ao que tem dado certo, o que é mais um obstáculo para que vejamos mudanças significativas nos RPG de Pokémon.

Com o passar do tempo, é normal que fãs mais antigos acabem perdendo o interesse e é óbvio que isso aconteceu com Pokémon, mas isso não significa que novas gerações de fãs não tenham descoberto e se apaixonado pelos monstrinhos, o que de certa forma, justifica o fato de manterem a base do jogo fiel ao material original, já que, independente de quanto tempo passe, qualquer um terá sensações similares ao jogá-los pela primeira vez.

Por mais que seja incrível imaginar um RPG de Pokémon em um mundo aberto, com os animais na natureza, similar ao que foi feito em Final Fantasy XV, além de combates onde é possível controlar a mobilidade de seu Pokémon, isso parece apenas um sonho distante, já que a franquia ainda se mostra extremamente valiosa do jeito que é.

Nos últimos anos, novas mecânicas de combate (Movimentos Z) e de evoluções (Mega) foram implementadas, o que serviu para dar um novo respiro para a franquia e agradar os jogadores que clamavam por novidades, com isso, podemos dizer que as evoluções estão sendo feitas, mas não de maneira drástica como alguns gostariam.

Fique com imagens de Pokémon Shield & Sword em nossa galeria:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'