Capa da Publicação

Nem todos sabem lidar com a pressão de estrelar um filme baseado em quadrinhos!

- – A vida de um ator nem sempre é fácil.

Por Guilherme Souza Nos últimos anos, os filmes baseados em histórias em quadrinhos atingiram uma popularidade absurda, chegando ao ponto de figurar em grandes premiações e se tornando líderes de bilheteria. Grande parte disso se deve à construção do Universo Cinematográfico Marvel, que redefiniu filmes desse tipo e lançou uma tendência em Hollywood, mas nem tudo são flores e alguns atores não estão prontos para encarar a pressão de lidar com a atenção de milhões de fãs ao redor do mundo. 

O cinema é uma das formas de arte mais complexas da história, onde bons atores conseguem nos levar das lágrimas às gargalhadas em uma fração de segundos. Enquanto muitos atores sonham com a fama e o sucesso, outros, buscam marcar seus nomes na indústria através de seu talento, mesmo que isso aconteça através de filmes menores e que não estejam focados no público mainstream

Joaquin Phoenix é um desses raros casos. Embora o ator já tenha provado seu talento diversas vezes, o ator continuava se negando a estrelar uma grande franquia, principalmente um filme de super-heróis, por mais que convites não faltassem. A surpresa veio quando Phoenix foi anunciado como o protagonista de Coringa, que como o próprio nome diz, é um filme baseado em um dos maiores vilões que os quadrinhos já nos proporcionaram. 

Muitos acreditam que o motivo por trás de Phoenix ter aceitado fazer parte do longa é porque esse não é um filme de quadrinhos tradicional, na verdade, a trama se sustenta muito bem sem o personagem em que se inspira, sendo mais um drama cult maquiado de filme popular. Isso até pode ser verdade, porém por mais que o ator não queira, o filme automaticamente atinge um público bem diferente dos que ele está acostumado nos filmes que estrela. 

Desde o princípio, os quadrinhos foram criados para inspirar crianças em tempos de guerra e até hoje, elas são o principal público dessa mídia, inclusive nos cinemas. Aliás, as crianças são responsáveis por grande parte do sucesso comercial desses filmes. Por mais que Coringa definitivamente não seja um filme para crianças, é inevitável que elas saibam de sua existência, já que ele é o maior vilão do Batman. Além disso, o longa também chama a atenção dos milhões de leitores de diversas outras faixas etárias, bem como aqueles que aderiram à onda dos filmes de super-heróis com o aumento da popularidade do MCU. 

Além da atenção por parte do público, o longa também chamou muita atenção da mídia, algo que ficou ainda mais intenso com as polêmicas de que a trama pode acabar incitando ataques terroristas e servindo de inspiração para os Incel. Durante a turnê promocional do filme, fica nítido que Phoenix não estava preparado para tamanho assédio, ficando visivelmente desconfortável em algumas entrevistas e até mesmo abandonando algumas ao ser questionado sobre assuntos que não lhe agradavam.

Esse certamente não é um comportamento comum para atores que estrelam filmes desse tipo, já que geralmente temos entrevistas leves e mais genéricas. No fim do dia, Coringa ainda é um filme de quadrinhos, queira ele ou não, portanto, as atitudes de Phoenix e até as do diretor Todd Phillips, provam que a abordagem do filme talvez não tenha sido das melhores, já que seu protagonista não está pronto para mergulhar em um universo tão popular quanto este. 

Tudo fica ainda mais estranho quando um filme que se presta a se apoiar na popularidade do Coringa não permite que a imprensa participe do tapete vermelho de sua première mundial, limitando ainda mais qualquer tipo de informação fornecida pelo elenco e pelo diretor do projeto.

Outro bom exemplo de um ator que não suportou a pressão de dar vida a um grande personagem dos quadrinhos é Ben Affleck, que deixou recentemente o papel após uma série de polêmicas. 

Mesmo tendo vivido um super-herói nos cinemas anteriormente e tendo passado pelo processo de rejeição da crítica e do público, Affleck aceitou suceder Christian Bale como o Batman dos cinemas, mas os motivos por trás dele ter topado vestir um traje super-heroico novamente não foram nem um pouco altruístas

Quando Affleck aceitou interpretar o Batman, o ator estava se destacando em Hollywood, tendo ganhado um Oscar como roteirista e despontando na carreira de diretor, contudo, estrelar o Batman lhe garantia suporte financeiro por parte da Warner Bros. para outros projetos de sua carreira, algo que lhe era muito conveniente. 

Mesmo com o fracasso de Batman vs Superman: A Origem da Justiça, longa que serviu de porta de entrada para o Batman de Affleck, o ator foi escalado para um filme solo do herói, não só como protagonista, como também como diretor, roteirista e produtor. 

Como sabemos, o Batman é um dos personagens mais populares dos quadrinhos, sendo assim, é óbvio que todos não paravam de perguntar para Affleck sobre o andamento do filme solo do herói onde quer que ele fosse. Infelizmente, isso acabou ofuscando outros filmes do ator, tais como A Lei da Noite, algo que o deixou extremamente irritado, chegando ao ponto de insinuar que estava cansado disso durante uma entrevista

Somado à isso, tivemos o desastroso filme da Liga da Justiça, além de uma série de problemas pessoais na vida do ator, fazendo com que ele deixasse o papel, que agora será de Robert Pattinson

Ao analisar o passado, vemos diversos outros atores que tiveram problemas ao estrelar produções desse tipo, tais como Heath Ledger, que se suicidou após dar vida ao Coringa, ou Hugo Weaving, que teve de brigar com a Marvel para que o estúdio o liberasse do papel de Caveira Vermelha, alegando ter detestado a experiência. Isso sem falar em como o público pode ser bem tóxico em alguns casos, como o que vimos acontecer com Brie Larson e seu filme da Capitã Marvel. 

Infelizmente, o preço que se paga ao dar vida a personagens tão icônicos é alto e nem todos estão preparados para pagá-lo.

Fique com imagens de Coringa em nossa galeria:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'