Capa da Publicação

Como Capitã Marvel se conecta com o Universo Cinematográfico Marvel e prepara o terreno para o futuro!

Por Guilherme Souza

Atenção: Alerta de Spoilers!

Essa semana finalmente chega aos cinemas o primeiro filme solo da Capitã Marvel, com isso, temos novas informações sobre o Universo Cinematográfico Marvel em geral, bem como sobre o que virá nos próximos filmes. Depois de assistirmos ao filme, podemos analisar todas as informações que nos foram passadas, bem como fazer algumas especulações para o futuro. Obviamente, o texto a seguir estará cheio de spoilers do filme, portanto, se você ainda não assistiu ao filme, não leia o texto!

Capitã Marvel começa mostrando Carol Danvers em uma base Kree, onde é treinada por seu mentor, Yon-Rogg. Logo no início do filme, Danvers não sabe muito sobre seu passado e acredita que sempre foi uma guerreira Kree, contudo, a personagem possui algumas habilidades especiais que a tornam única, até mesmo entre os Kree.

Carol usa um dispositivo que, segundo Yon-Rogg, é capaz de lhe conceder suas habilidades, porém em uma conversa com a Inteligência Suprema, uma tecnologia feita da consciência de diversas gerações passadas dos Kree, Danvers descobre que, assim como o dispositivo é capaz de lhe conceder seus poderes, ele também é capaz de desabilitá-los.

Um detalhe interessante, é que cada Kree enxerga a Inteligência Suprema de uma forma, geralmente, a tecnologia utiliza memórias de alguém importante para gerar o avatar, porém Danvers não faz ideia de quem seja a mulher que se manifesta para ela.

No decorrer do longa, Carol acaba caindo na Terra juntamente com um grupo de Skrulls, seres alienígenas capazes de se metamorfosear em outras pessoas somente pelo olhar. Os Skrulls são descritos pelos Kree como uma raça conquistadora, que busca outros planetas para colonizar e, por esse motivo, ambas as raças estão em guerra.

Quando chega na Terra, Danvers acaba se encontrando com Nick Fury e começa a ter alguns vislumbres de seu passado, que de alguma forma, se conectam com aquele planeta em que ela caiu por acidente. Juntos, Danvers e Fury começam a caçar os Kree que também estão na Terra, porém eles se misturam facilmente com a população terráquea.

Mais tarde, descobrimos que a mulher que Carol enxergava como a Inteligência Suprema era ninguém menos do que Mar-Vell, uma Kree que veio para a Terra trabalhar na criação de uma tecnologia chamada ”velocidade da luz.” Durante sua estadia aqui, Mar-Vell acabou tendo contato com Carol Danvers, enquanto ela trabalhava na Força Aérea Americana como piloto de testes.

A relação entre Mar-Vell e Danvers é maior do que o esperado, já que, enquanto ambas testavam uma nave criada por Mar-Vell, Yon-Rogg acaba encontrando-as e tenta roubar o projeto de Mar-Vell, porém Danvers acaba absorvendo a energia que servia de combustível para a nave e é daí que se originam seus poderes.

Posteriormente, descobrimos que os Skrulls são uma raça oprimida pelos Kree e que eles se infiltram em outros planetas na tentativa de encontrar um lar. Mas além disso, descobrimos que Mar-Vell manteve um grupo Skrull escondido em uma nave na órbita da Terra e que dentro dessa nave, também reside a fonte de energia que ela usou para criar a “velocidade da luz”. Essa fonte, era nada menos do que o Tesseract, o cubo cósmico que escondia a Joia do Espaço.

Como bem nos lembramos, a primeira vez que o Tesseract apareceu nos filmes da Marvel foi no primeiro filme solo do Capitão América. O objeto estava em posse do Caveira Vermelha, porém desde então, existia uma lacuna entre esse período e o momento em que o objeto apareceu em posse da S.H.I.E.L.D. no primeiro filme dos Vingadores. Com o filme solo da Capitã Marvel, sabemos como o objeto chegou às mãos de Fury.

O filme nos mostra que o objeto foi engolido por Goose, uma alienígena Flerken que possui a aparência de um gato da Terra, mas que pode ser bem ameaçadora. Na segunda cena pós-créditos do filme, Goose vomita o Tesseract na mesa de Nick Fury, esclarecendo tudo de uma vez por todas.

Além de termos essa resposta, também descobrimos que os poderes da heroína se originaram da energia extraída da Joia do Espaço. Assim como aconteceu com o Mercúrio e a Feiticeira Escarlate, Danvers também possui habilidades vindas de uma Joia do Infinito, o que explica o fato dela ser tão poderosa.

No fim do filme, vemos Danvers deixando a Terra junto com os Skrull, em busca de um lar definitivo para os alienígenas, o que explica em partes o motivo da heroína ter se ausentado por tanto tempo. Por mais que os Skrull do MCU sejam apresentados como seres pacíficos e que só querem um lar, nos quadrinhos, os personagens são conhecidos como seres extremamente manipuladores, o que pode indicar que, talvez, eles não sejam tão bonzinhos quanto o filme nos fez acreditar que eles são.

Ainda falando sobre os personagens que cercaram a vida de Carol no período antes dela ganhar seus poderes, temos Maria Rambeau, amiga de Danvers que serviu na força aérea junto com ela. Maria tem uma jovem filha chamada Monica e aqueles que conhecem os quadrinhos da Marvel, sabem que Monica Rambeau é uma personagem importante. Nos quadrinhos, Monica ficou conhecida como a primeira Capitã Marvel, passando a assumir a identidade de Fóton posteriormente.

Embora Monica seja apenas uma criança no filme solo da heroína, devemos nos lembrar que a trama se passa por volta de 1995, o que significa que a trama de Vingadores: Ultimato se passa cerca de 25 anos no futuro, tempo o suficiente para que a garotinha tenha crescido. Contudo, por mais que a garotinha tenha demonstrado grande interesse pela vida super-heróica e até mesmo ajudou Danvers a escolher o novo visual de seu uniforme, no momento, só podemos especular que ela terá alguma importância no futuro, quem sabe até mesmo assumindo a identidade de Fóton.

Outro fato que chama bastante atenção, é o dispositivo que era usado por Danvers como forma dos Kree controlarem seus poderes. A heroína não precisava dele para ter poderes, mas sim, como interruptor. Com isso, podemos assumir que os Kree possuem uma tecnologia capaz de inibir os poderes das Joias do Infinito. Se esse for realmente o caso, os heróis finalmente terão uma vantagem contra Thanos.

Embora Capitã Marvel possua uma trama bem amarrada em relação aos eventos que virão a seguir, o filme deixa algumas pontas soltas, principalmente no que se refere aos personagens que terminaram o filme vivos, tais como Goose, Yon-Rogg e os Skrulls. Tais personagens não tornaram a aparecer nos filmes posteriores, o que é estranho, principalmente no que se refere à Yon-Rogg, já que, no filme solo da heroína, ele faz uma aliança com Ronan, o Acusador, porém nos filmes seguintes, só Ronan aparece.

Por fim, temos que falar sobre a primeira cena pós-créditos, que mostra o retorno da Capitã Marvel à Terra e o primeiro contato da heroína com os Vingadores. Muito provavelmente, a cena se passa pouco depois dos eventos de Guerra Infinita, já que os heróis ainda estão fazendo o levantamento de quantas pessoas desapareceram, e estão com os mesmos visuais.

No curto trecho, vemos o resultado do chamado de Nick Fury e a Capitã Marvel chegando ao quartel general dos Vingadores. A cena entrega pouco material para especulações, contudo, o que podemos afirmar é que a Capitã Marvel irá ajudar a arquitetar um plano para derrotar Thanos e, muito provavelmente, não será a responsável por ajudar Tony Stark a retornar para a Terra, como alguns imaginavam.

Apesar de parecer complexo, o filme da Capitã Marvel se mostra bem simples e apenas preenche algumas lacunas, deixando muitas dúvidas que só devem ser respondidas no futuro. Independente do que aconteça, uma coisa é fato: a heroína é bem poderosa e Thanos terá sérios problemas quando enfrentá-la.

Fique com a nossa crítica de Capitã Marvel:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'