Capa da Publicação

The Magicians: 3×01 – “Harry Potter daria um jeito nessa m%$#@!”

Por Leo Gravena

The Magicians não é uma série para todo mundo. Além de todo o conteúdo “adulto” que a série se propõe a fazer, muitas vezes o humor negro cheio de referências a cultura pop regado a álcool e drogas pode acabar afastando algumas pessoas. Se você não é uma delas, bem-vindo a esta épica jornada que será trazer a magia de volta.

Desde a primeira temporada, uma coisa é clara sobre The Magicians. Todo mundo ali é completa e totalmente fodido e não importa o que aconteça, nada jamais vai ser o suficiente para preencher o vazio dentro deles, seja o de Julia, seja o de Quentin, seja o de Margo, Elliot, Penny ou Kady – todos eles utilizam a mágica para se sentirem melhores mas, no fim do dia, a magia é apenas um “apoio” para que a vida seja um pouco menos dolorosa.

Então, quando a coisa que fazia com que todos esses personagens fossem divertidos, engraçados, trágicos e interessantes é retirada deles, o que sobra? Jovens perdidos andando de um lado para o outro tentando fazer o seu melhor… E a verdade é que o melhor deles, sem magia, chega nem perto de ser o suficiente. Quentin voltou a colocar Julia em um pedestal. Margo e Elliot estão completamente submissos às maléficas fadas, Kady está perdida na vida e Penny está lutando contra o tempo. Como já era de se esperar, nenhum deles está muito bem.

Contudo, algo faz com que todos esses personagens se juntem, ou se “trombem”, durante a temporada: a necessidade de trazer a magia de volta. Neste primeiro episódio, todos estão bem separados, mas é óbvio que logo eles começarão a se unir. Assim, o primeiro episódio, intitulado “The Tale of Seven Keys” (algo como O Conto das Sete Chaves em tradução-livre) se divide entre dois núcleos: Quentin e Julia tentando encontrar algum deus para os ajudar e Elliot e Margo lidando com a invasão das fadas em Fillory.

Durante o episódio, tivemos rápidos momentos de Penny e Kady. O primeiro continua trabalhando para a biblioteca e manteve seus poderes de viajar entre dimensões e se teleportar. Nesse episódio ele não teve muito destaque e, por enquanto, ele apenas serve de motivação para Kady ir atrás de uma maneira de trazer a magia de volta. Kady possui uma trama extremamente interessante com Harriet, a mágica muda que acredita que todo o conhecimento deveria ser de livre acesso. Mesmo ajudando Kady, ela deixa claro que haverá um preço a ser pago mais tarde.

Kady (aparentemente) está trabalhando como garçonete em alguma lanchonete não muito glamurosa em Nova York. Porém, parece que ela não possui muitas expectativas ou esperanças de que a magia retorne. Após os problemas da personagem com Julia na última temporada, vai ser interessante ver o relacionamento entre as duas voltando a se desenvolver, principalmente pois Kady deve ficar bem intrigada pelo fato de Julia ainda ter magia.

Falando em Julia, a busca dela e de Quentin em tentar restaurar a magia será a grande trama dessa temporada. Quem leu os livros, sabe que essa busca acaba com Julia Wicker tendo uma grande reviravolta em sua história, porém a série definitivamente deve ir por outro caminho.

Foi ela também quem teve um dos momentos mais adoráveis do episódio: após ouvir Josh dizendo o quanto sentia falta de mágica e de ser um mágico, Julia mostra a ele que ainda consegue fazer pequenos feitiços. Ele fica maravilhado e, logo depois, a moça fala para Quentin sobre como, se possível, ela gostaria de dar um pouco de esperança para aqueles que estão perdidos sem magia.

Inclusive, isso é uma mudança muito boa de se ver na personagem. Se na segunda temporada vimos Julia no fundo do poço e depois sem sentimentos, agora estamos vendo ela como um farol de esperança, sendo alimentada pelo otimismo e fé de Quentin Coldwater.

O episódio também serviu para conhecermos mais um deus: Baco, deus do vinho e dos excessos. Na série, ele é representado como um ser festeiro, sempre alcoolizado, dando festas regadas a drinks coloridos e drogas. Impossível esperar algo diferente vindo de The Magicians, porém, o mais interessante disso tudo é o fato de que Josh conhecia o deus… e simplesmente age como se isso fosse nada demais.

Ainda na Terra, vemos que Brakebills está em apuros, já que sem magia a escola não consegue se manter sozinha. A trama do “conselho” que mantém Brakebills funcionando não deve ter grande destaque nesta temporada, porém é uma história interessante de ser abordada no futuro.

Já em Fillory as fadas dominaram tudo. Porém, não foi uma invasão tão hostil quanto acreditávamos ao final da segunda temporada. Elas estão no castelo, porém, apenas Elliot e Margo sabem da existência dos seres. Tentando escapar dos “olhos”, ou mais especificamente, o olho de Margo, eles tentam de todas as maneiras bolar planos em segredo para acabar com a Rainha das fadas, o que dá origem a uma das melhores cenas do episódio e, possivelmente, da série.

Para que a Rainha das Fadas não entendesse nada do que eles estavam falando, Elliot e Margo conversam através de “códigos”, envolvendo tudo da cultura pop, desde Battlestar Galactica, X-Men, Gossip Girl e Game of Thrones até Britney em 2007 tudo isso acompanhado de legendas para explicar que o significado de “Seu Marsden está xoxo-ando nós totalmente naquela ótima música do The Police” era simplesmente: “Seu olho está permitindo que a Fada Rainha veja todo passo que damos”.

A conversa fez com que tivéssemos mais um ser mágico (e excêntrico) de Fillory aparecendo. Dessa vez, o escolhido foi o Great Cock, um nome que pode ser traduzido como Grande Galo,mas infelizmente perde todo o duplo-sentido sexual dessa forma. O Great Cock, diferente da Dama Branca, não concede um desejo, mas oferece a Elliot a oportunidade de partir em uma grande jornada para recuperar a Magia e, assim, ter uma chance de lutar contra as fadas.

Deste modo, mesmo separados, as tramas dos personagens vão cada vez mais se juntando, já que é através das pistas do Great Cock que Elliot avisa Quentin, o “Harry Potter” do grupo, sobre o livro que conta a história das Sete Chaves, as quais os personagens sairão em busca, para reunir e trazer de volta a magia.

Por fim, vimos finalmente onde está Alice. No meio do episódio tivemos um flashback onde vimos ela deixando Quentin e Brakebills, porém, isso não deve ter sido gerado pelo fato de que estar depressiva e entediada, como ela diz, mas sim pois o tal do “Lamprey” está vindo atrás da moça e ela não está confiante de suas chances.

A Alice humana que conhecemos e amamos ainda está lá, como é deixado claro quando vemos ela pedindo e comendo bacon. Contudo, essa versão mais irritada e bruta da personagem não deve sumir tão cedo…

O que achou do retorno da série? Não deixe de comentar!

Confira abaixo as imagens do segundo episódio, intitulado “Heroes and Morons”:

The Magicians é exibido toda quarta as 21h no Syfy Brasil. Ainda não há previsão de estreia para a terceira temporada por aqui. Nos EUA, a série é exibida toda quarta-feira, no Sysy.

Imagem de perfil
sobre o autor Leo Gravena

Editor-Chefe | @LeoGravena
"...It was never going to be okay..."