Capa da Publicação

Supergirl: 3×13 – Contemplem a Pureza em pessoa!

Por Cristiano Rantin

Depois do episódio fraco da semana passada, finalmente voltamos a encarar a trama principal desta temporada de Supergirl, trazendo os Arrasa-Mundos de volta aos holofotes. Como lembramos, Reino descobriu que existem outras pessoas como ela na Terra, e que cabe à vilã uní-los no seu Reino do Terror.

Pureza e Peste estavam seguindo suas vidas mundanas, esperando para serem despertos e guiados para suas missões, graças a visões proféticas que por alguma razão Supergirl começou a ter, sua equipe foi capaz de identificar a localização de Pureza e todos marcharam para encontrar Julia, sim o aspecto alienígena dela estava adormecido.

Nesse episódio tudo poder ser resumido com: Pelo amor da Deusa Alex para de estragar tudo!!!! Tudo que deu de errado foi, basicamente, culpa da Alex que por alguma razão não conseguiu controlar o que sentia e arriscou toda uma operação (e a vida de uns 40 figurantes).

Obviamente isso não faz muito sentido, especialmente pela maneira como a personagem sempre foi muito focada e séria – ainda mais em operações envolvendo alienígenas. Claro, dá pra entender que os últimos encontros da Supergirl com Arrasa-Mundos foi algo assustadoramente dramático, mas Alex nunca passou na frente da Kara, especialmente quando ela está tentando acalmar alguém que está totalmente confusa com o fato de que tem muita gente armada na casa dela.

Toda essa tensão, como era de se esperar, despertou o aspecto vilanesco na moça. Desde que as primeiras imagens de Pureza foram lançadas – e que vimos a moça em outros episódios – eu imaginava que ela seria como a Reino, tendo os mesmos poderes que ela e, basicamente, servindo apenas como mais força bruta pra ficar do lado da vilã. Felizmente eu estava enganado e, pelo visto, cada Arrasa-Mundo terá um conjunto de habilidades diferentes.

Pureza possui uma das habilidades que eu mais gosto de ver sendo retratada: gritos sônicos! Assim como a Banshee Prateada que deu as caras na primeira temporada da série, a Arrasa-Mundos tem um vocal poderoso, capaz de incapacitar todos do time da Supergirl por um tempo – Até que o Caçador de Marte tenha se cansado da brincadeira e partido com as algemas pra cima dela.

Ai então retomamos ao problema de pelo amor da Deusa Alex cala a boca, uma vez que a moça não só se meteu no interrogatório da sua irmã, como ficou atrapalhando cada tentativa mínima da Kara de se conectar com a Julia e tentar obter informações sobre esses Arrasa-Mundos. Fala sério, em que universo Alex, uma agente muito bem treinada, iria interromper um interrogamento pra ficar fazendo ataques pessoais? E porque diabos a Kara simplesmente não pediu que ela se retirasse? Pior que isso, depois de atrapalhar toda a tentativa da irmã, Alex ainda tem a pachorra de dizer “tentamos do seu jeito, agora vamos fazer do meu jeito”. Minha filha, quando que você estava ajudando ou seguindo o jeito da Kara?!

Claro, tudo isso foi construído desse jeito para que, no final das contas, fosse Alex aquela que conseguisse entrar em contato com o aspecto humano da Pureza – mas só fez isso depois de ferrar toda a operação durante todo o episódio, chegando até mesmo a colocar a vida da própria irmã em risco.

É, eu sei que vai parecer que eu estou reclamando muito da série – especialmente porque semana passada eu praticamente só falei mal do episódio – mas essa coisinha da Alex surtada colocando todo mundo em perigo não só não combina com a personagem como não fez bem pra ninguém da trama.

Agora, a última coisa que tenho pra reclamar antes de focar em outros aspectos do episódio é: Caçador de Marte. Quem é fã de personagens apelões nos quadrinhos já tá meio acostumado com essa situação chata que envolve o marciano desde a primeira temporada. Ele simplesmente é poderoso demais, o que significa que ele pode resolver a maioria dos problemas de forma bem rápida e tranquila – como fez quando algemou a Pureza no começo do episódio. O que a série faz para tirá-lo do combate? Arranja desculpas até meio toscas para isso, como foi o caso de colocar praticamente a única pessoa que tinha uma chance contra Pureza pra segurar uma pilastra.

Eu sei que ele não é o foco da série e que, na medida do possível, eles conseguem contornar esse problema com desculpas até criativas, mas talvez seja a hora de simplesmente deixar que ele lute – talvez até mesmo colocando inimigos para ele na série (e que sejam do mesmo nível dele). Assim não só ele tem destaque como temos razões lógicas para ele ser retirado das lutas da Supergirl.

Agora, focando no lado positivo do episódio, eu definitivamente não esperava ficar tão apaixonado pela Pureza. Tanto seu aspecto como Julia como seu lado vilanesco são fascinantes. A vilã é debochada (diferente do lado mais severo da Reino), tem poderes interessantes e conseguiu fazer uma cena que foi basicamente feita apenas para mostrar o quão incrível ela é – toda a sequência dela destruindo tudo enquanto recupera seu cristal foi maravilhosa e me lembrou muito a Sindel de Mortal Kombat.

Acho bem interessante como foi construída essa coisa de que talvez a equipe da Supergirl não tenha que derrotar os Arrasa-Mundos, mas sim salvá-los. Isso coloca todo mundo na mesma página e, é claro, dá uma chance para que alguma coisa seja feita, pois a Reino e a Pureza já se mostraram bem mais poderosas que os heróis.

Outra coisa bem bacana que a série está fazendo é em relação com a Sam. Desde que a sua contra-parte vilanesca apareceu temos visto menos da moça, mas os últimos episódios tem trabalhado muito bem a perda de controle de Sam – e o quão desesperador isso seria para qualquer pessoa. Isso não só deixa tudo mais interessante, como também serve para reforçar os laços entre suas amigas (o que deve colaborar para uma carga dramática muito bacana quando todos descobrirem que ela e Reino são a mesma pessoa).

Claro que para deixar todo mundo no suspense temos a cena final do episódio, mostrando a maravilhosa da Lena Luthor [que brilhou muito nesse episódio, o que talvez seja explicado pela ausência do James] dizendo que sabe o que está acontecendo com Sam – depois de acompanhar o rápido surto que ela/Reino deram.

Será que finalmente veremos Lena mostrando que sabe bem mais do que aparenta? Será que veremos ela ligando os pontos e descobrindo que sua amiga é a vilã que tem aterrorizado a cidade? Não dá pra negar que seria incrível se, nesse tempo todo, ela soubesse que Kara era a Supergirl e que só não tinha falado nada porque não parecia muito importante, uma coisa meio Cat Grant e o fato de que ela sabia a identidade secreta da heroína por um bom tempo. Isso faria com que Lena tivesse um papel mais ativo nas aventuras de Kara, mas provavelmente a série deve apostar em deixar a moça no escuro – inclusive para essa questão da Reino.

Infelizmente, vai demorar um pouquinho para termos essas respostas, já que a série entrou em hiato.

PS: Me recuso a comentar o fato de que a série já começou a trabalhar o fim do casamento do Mon-El com a Imra para que ele volte a ficar com a Kara. Ainda quero a Satúrnia e a Supergirl virando BFFs e trabalhando juntas sem se importar com aquele chato.

O que vocês acharam desse episódio? Comentem!

Confira abaixo a nossa galeria sobre a série:

Supergirl vai ao ar toda segunda-feira pela The CW. Já a Review sai toda quarta-feira aqui na LH!

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"