Pinóquio – Guillermo Del Toro fala sobre suas inspirações para o filme da Netflix!

Capa da Publicação

Pinóquio – Guillermo Del Toro fala sobre suas inspirações para o filme da Netflix!

Por Raphael Martins

A história de Pinóquio, um inocente bonequinho que sonha em ser um menino de verdade e cujo nariz cresce se contar mentiras, ganhará duas grandes produções num futuro bem próximo. Uma é um live action produzido pela Disney baseado na animação de 1940, que terá Tom Hanks como Gepetto. A outra será uma animação em stop motion, dirigida por Guillermo Del Toro.

Ao site Collider, o diretor deu uma entrevista emocionada, falando sobre suas inspirações para o filme e de sua conexão emocional com o personagem. Ao ser perguntado sobre o porquê de querer contar essa história, o diretor disse:

“Quando eu era criança, eu sentia uma afinidade com a figura do Pinóquio, mas não de uma maneira feliz ou por ser um bom garoto. Eu estava muito interessado em saber se ele poderia ser ele mesmo e ser amado. Ele precisava mesmo ser um menino de verdade para ser amado? Por que ele não pode ser amado exatamente como ele é? Por que não podemos ser filhos imperfeitos de pais carinhosos? Essas são as coisas com as quais eu me conectava.”

Para o diretor, o que torna Pinóquio um personagem tão interessante são suas imperfeições e como, apesar delas, ele consegue superar as dificuldades:

“A beleza do Pinóqui para mim é que ele não é uma criatura perfeita. Ele é uma criança muito difícil, mas uma criança que aprende os limites entre o que ele quer e os outros. Ele se parece bastante com Frankenstein: é uma criatura criada de maneiras não-naturais por um pai de quem ele de distancia, e precisa aprender os caminhos do mundo através da falha, da dor e da solidão. Então é bem diferente da maneira como as pessoas geralmente interpretam o Pinóquio. Eu vejo e penso nele em sua estranheza, uma criatura estranha, e eu o amo por isso.”

Del Toro também falou sobre a tendência de diretores premiados levarem seus filmes até serviços de streaming ao invés de apresentá-los na tela grande, como normalmente acontece. Para ele, os tempos mudam, e o cinema precisa mudar junto.

 “Eu acho que o cenário está mudando, e que em dentro de cinco anos, vai mudar mais ainda. Todos os estúdios estão preparando suas próprias plataformas de streaming, então não é uma questão de de um único serviço. Eu tenho tentado fazer Pinóquio por dez anos, indo a cada estúdio de Hollywood, e todos me disseram não. Então eu vou fechar com quem quer me me diga sim, e eu acho que é a mesma coisa com os irmãos Coen com A Balada de Buster Scruggs e para Alfonso Cuarón no caso de Roma.

 

Durante a minha vida inteira, eu amei assistir filmes. É interessante notar como quando o cinema mudo ganhou som, todos falaram que seria o fim dos filmes, e quando a televisão apareceu, disseram a mesma coisa. Aí a (locadora) Blockbuster apareceu nos lares e era o fim do cinema de novo. Mas eles não acabaram: eles mudaram. É um dever para nós continuar contando historias, e mais importante, a ambição das histórias que queremos contar e a liberdade que temos para contá-las.”

Abaixo, confira os 10 melhores filmes da carreira de Del Toro:

Pinóquio ainda não tem data de lançamento.

Fonte: Bleeding Cool

 

Imagem de perfil
sobre o autor Raphael Martins

Redator, apresentador e roteirista. Gosto de longas caminhadas na praia, Star Wars, tokusatsu, anime e filé com batata frita. Deixo as pessoas constrangidas. Você pode trocar uma ideia comigo no Twitter: @aqueleraphael