Capa da Publicação

Entenda de uma vez por todas toda a novela entre Disney, Fox e Comcast!

Por Mike Sant'Anna

Já faz muito tempo que vocês ouvem dizer algumas coisas sobre a famosa venda da Fox para a Disney, não é? E provavelmente muitos de vocês torcem para que isso se concretize o mais rápido possível para ver muitos dos personagens Marvel voltarem todos para o mesmo teto. Mas, principalmente por conta de envolver trâmites corporativos um tanto quanto complexos para todo mundo entender, as pessoas muitas vezes se pegam meio confusas no que está acontecendo de fato. Então vamos esclarecer tudo, desde o início, de uma vez por todas.

No dia 14 de dezembro de 2017, nós ouvimos a confirmação de que os rumores estavam certos, a Disney havia comprado a Fox. Mas aqui estava o primeiro erro de interpretação de todo mundo (de nós, inclusive). Quando isto foi anunciado, parecia que já era algo completamente concreto, escrito em pedra e irreversível, parecia que a negociação já estava completa, sendo que na verdade haviam diversas situações à serem resolvidas antes ainda. No mesmo dia a  Associação de Roteiristas da America expediu uma nota de repúdio à negociação.

“Em busca implacável para eliminar a competição, grandes negócios têm o apetite insaciável por consolidação. Disney e Fox passaram décadas lucrando com um oligopólio de seis dos maiores conglomerados de mídia, com grande controle da indústria de entretenimento, muito às custas de seus criadores, que controlam suas emissoras e operações de cinema. Agora, esta fusão proposta de dois rivais diretos fará com que tudo piore substancialmente, aumentando o poder de mercado de uma corporação que combina Disney e Fox. Preocupações com o direito de concorrência por conta deste acordo são óbvias e significativas. A Writers Guild of America West se opõe de forma severa contra essa fusão e vai trabalhar para garantir que as leis de concorrência sadia sejam aplicadas”.

Obviamente, o medo do monopólio foi geral em muitas empresas americanas, o que fez com que o próprio congresso americano fizesse uma investigação, na mesma semana. A senadora Amy Klobuchar, do partido democrata, é líder de um subcomitê do Senado Judiciário responsável por analisar e discutir movimentos comerciais que podem se aproximar da prática de monopólio. Ela já convocou audiências para investigar a venda da 21st Century Fox, e em entrevista, disse que o acordo com a Disney é “outra fusão de grande impacto na indústria, que causaria grandes implicações para a televisão, os cinemas e outras mídias. Fico preocupada com o impacto dessa transação para os consumidores americanos.”

Mas após alguns meses sem ouvirmos nada sobre isso, finalmente, no dia 5 de fevereiro, vieram os primeiros rumores de que a Comcast estaria interessada em fazer uma contra-proposta para a Fox. Esse foi o primeiro indício para as pessoas, de que talvez os acordos com a Fox não estavam assim tão concretos na parte da Disney. Foi então que, no dia 07 de Fevereiro, o presidente da Disney, Bob Iger, foi à público dizer em que pé estavam as negociações. Iger comentou brevemente que “O processo de regulamentação começou em várias jurisdições em todo o mundo.” O que deixava claro que as negociações ainda estavam ocorrendo, e contratos sendo assinados.

Com a Comcast sempre do lado, sempre sendo noticiada em rumores, o próprio presidente da Fox, Peter Price veio intervir uma semana depois da declaração de Iger, dizendo que ele possuía uma preferência por fechar a parceria com a Disney. Em uma entrevista durante o evento Code Media, ele declarou o seguinte: “Eu acho que [a Fox] é um ótimo encaixe na Disney.” Rice admitiu que existe toda uma discussão interna, mas argumentou que se tivesse que decidir, a Disney seria a parceira ideal.

Assim, surpreendentemente, no dia 1º de Março, nos deparamos com a notícia de que a Comcast havia supostamente abandonado a negociação e a intenção de comprar a Fox. Proém, estes rumores não demorar nem uma semana, visto que no dia 07 daquele mesmo mês, a empresa de telecomunicação estaria anunciando que voltaria para o páreo com uma proposta financeira ainda maior do que a da Disney, e assim a Comcast foi em busca de bancos e parceiros para trazer uma grande proposta para a empresa.

O grande diferencial que a Comcast trazia, de acordo com a CNBC, era uma proposta de 60 bilhões de dólares, mas em dinheiro. Isso fez com  que a Disney estivesse disposta à dividir alguns direitos que a Fox possuía, visto que o principal alvo da Comcast em toda negociação, era a SKY. Mas tudo estava no campo das suposições e dos rumores, mesmo que as fontes fossem muito confiáveis. Até que no dia 28 de Maio, a própria Comcast confirmou que estava nos estágios finais para fazer uma grande proposta que iria superar a proposta da Disney.

Foi aí que os sonhos de muitos fãs da Marvel começaram a se ruir,  principalmente quando a Fox anunciou que teria uma nova reunião para decidir qual proposta iria aceitar, e que essa reunião aconteceria no dia 10 de Julho. Foi quando, quase um mês antes da dita reunião, no dia 13 de Junho, a Comcast oficializa sua nova proposta. De acordo com a Deadline, a Comcast ofereceu os US$ 65 milhões pela Fox Film e Television, incluindo a compra do serviço de streaming Hulu e os investimentos internacionais. A última oferta da Disney foi de US$ 52,4 bilhões.

Mas era da Disney que estávamos falando, e na mesma semana, a CNBC informou que a Disney estaria disposta a aumentar ainda mais a proposta de 52.4 milhões de dólares, em dinheiro também, para superar a proposta de 65 milhões da Comcast. O que foi devidamente oficializado no dia 20 de Julho, oferecendo 71,3 bilhões de dólares e tomando a divida de 13,8 bilhões da Fox, fazendo com que o valor total da transação seja de 85,1 bilhões de dólares. O dia em que tudo ficou ainda mais confuso.

Neste dia, todos os maiores veículos noticiaram o anúncio da Fox dizendo que ela havia aceitado a proposta da Disney. Obviamente isso gerou uma confusão enorme, visto que muita gente não entendeu o que o termo corporativo significava.

O termo “aceitar” neste caso pode ser um tanto quanto confuso, já que ele não significa que o acordo está fechado, e que a Fox será vendida para a Disney. Apenas significa que a Fox reconheceu a proposta como sendo a maior e principal proposta a ser considerada no momento, sem concorrência até então. Assim sendo, se nenhuma oferta maior for feita, a proposta da Disney é que será escolhida.

Então, pouco menos de um mês atrás, a Fox marcou uma nova reunião para decidir qual das duas propostas iria aceitar. A diretoria da Fox recomendou aos seus acionistas que votem a favor da nova oferta da Disney na reunião do dia 27 de Julho.

E como toda boa história, no final nós temos um grande plot twist surpreendente. Mesmo antes da decisão final da Fox, a Comcast anunciou oficialmente que estaria desistindo da disputa pela Fox. Em uma declaração oficial, a companhia disse:

“A Comcast não pretende continuar com a aquisição dos ativos da Twenty-First Century Fox e, em vez disso, focará nossa oferta recomendada para a Sky”

E para finalizar, o que parece ser finalmente a Season Finale desta série, no dia de hoje, 27 de Julho, como haviam prometido ter uma ultima reunião, os acionistas da Fox finalmente aceitaram majoritariamente a fusão com a Disney.  O site da revista Variety informou ainda que as reuniões das duas empresas foram breves, coisa de 15 minutos, em Nova York. O lado da Disney foi liderado por Alan Braverman,conselheiro geral, e pela diretora de finanças Christine McCarthy. Apenas um dos participantes criticou a negociação, alegando que “a Disney está pagando demais pela Fox“. A partir de agora a negociação entre em processo de avaliação por órgãos reguladores de mercado.

Espero que tenha ajudado a entender toda essa história que me faz já aguardar ansiosamente a adaptação pra uma série!

Confira também imagens do próximo filme da Fox nos cinemas, X-Men: Fênix Negra:

Imagem de perfil
sobre o autor Mike Sant'Anna

Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço... É bem retardado.