Capa da Publicação

Dark Nights: Metal – Conclusão da saga Metal mostra Batman formando uma aliança inacreditável!

Por Felipe Vinha

Dark Nights: Metal #6, última edição da saga que modificou alguns elementos do Universo DC nos quadrinhos, e que trouxe de volta personagens esquecidos, reservou uma última surpresa para seu fim: uma união entre Batman e Coringa.

Por mais impossível que isso possa parecer, a união foi realmente feita de um modo impensado. Os dois se deparam enfrentando o Batman Que Ri, versão distorcida do herói, da Terra-22, capaz de prever todos os atos de seus inimigos e incomparável em combate.

Para quem não se lembra, ou quem não está lendo Metal, o Batman Que Ri é Bruce Wayne de uma Terra paralela, após ser infectado com uma nanotoxina liberada pelo próprio Coringa, em seu leito de morte, que o transforma para sempre. Após matar todos os seus aliados heroicos, esta versão do Batman se alia ainda a heróis distorcidos de outros universos, criando vários “Batmen” malignos.

Porém, na luta final, para surpreender seu inimigo, o Batman é convidado pelo Coringa a se unir em combate contra o monstro. “Então, parceiros, Bats?”, pergunta o Coringa. Quando é surpreendido pela resposta de Bruce: “Eu fico com as pernas”. Durante o combate, Batman ainda deixa claro que a união é apenas temporária: “Para ficar claro, nós nunca falaremos sobre isso”, alerta.

O Batman Que Ri fica confuso com a investida, pois ele pensa que o Coringa está do seu lado. Porém, o Palhaço do Crime revela que teve vontade de criar a aliança justamente por ser algo totalmente insano a ser pensado. A razão para o Coringa ter feito isso é que a aliança seria a coisa mais improvável que ele poderia fazer naquela situação.

Ainda que não seja a primeira vez que vimos o Coringa lutando do mesmo lado que o Batman – isso ocorreu no crossover Capitão América/Batman e também na saga A Risada do Demônio – não deixa de ser inesperado ver essa união.

Veja os momentos descritos acima, em nossa galeria, a seguir:

Fonte: Screen Rant 

Imagem de perfil
sobre o autor Felipe Vinha

Já tentei salvar o mundo de uma invasão alienígena, mas hoje me contento em ser jornalista. Gosto de quadrinhos e suas adaptações na TV ou cinema, animes, tokusatsu, games (de luta principalmente) e tecnologia. Vamos trocar uma ideia no Twitter @felipevinha