Capa da Publicação

Attack on Titan: 3×01.02 – Inicia-se o fim de um relacionamento perfeito!

Por Felipe Vinha

Quando Attack on Titan começou, tudo era muito bom, tudo era muito bonito. O anime trazia uma ideia incrível, que era a luta da humanidade contra seres gigantescos, os Titãs, capazes de devorar um ser humano sem qualquer esforço. O tempo passou e algumas coisas foram mudando, a começar pela origem dos Titãs e a revelação de que alguns deles, de fato, eram pessoas disfarçadas.

Logo, Attack on Titan engrenou para um caminho um pouco mais complexo do que seus primeiros capítulos deixaram transparecer. Para quem imaginava que este seria mais um anime “shounen”, ou seja, voltado para combates e sem muita profundidade, acabou se decepcionando. Agora, com o início da terceira temporada, a decepção pode ser ainda maior.

Mas calma, isso não é algo ruim.

Nesta nova leva de episódios, Attack on Titan entra no chamado “Arco Político”. Como quase toda sociedade moderna, os sobreviventes deste mundo dominado por Titãs também desenvolveram suas catas, hierarquias e, claro, seus políticos e governantes. Agora começamos a ver como isso se desenvolve com a trama de ação e de matança de Titãs.

Pode parecer um pouco estranho que o roteiro original queira “enfiar” política em uma trama onde, supostamente, não cabe. Mas há um bom motivo para isso: como os japoneses encaram, de maneira vital, sua própria política.

O que cabe definir aqui é que Attack on Titan é uma obra japonesa e isso é bem comum por lá. Mesmo em filmes recentes, como Shin Godzilla, a primeira coisa a ser mostrada na trama é como o governo reage ao ataque de um monstro gigante e quais os planos são traçados – em vez de se focar na destruição e em pessoas morrendo.

Outros animes, como Samurai Flamenco, vão por caminho similar. Ao surgir um herói destemido nas ruas do Japão, o programa mostra a reação de todas as castas da sociedade, inclusive os debates internos dos governantes, para saber como isso se reflete.

Porém, Attack on Titan não esquece que é um anime de ação e não deixa a peteca cair. Nos seus dois primeiros episódios da terceira temporada já dá para notar diversas mudanças que fizeram na série em relação ao mangá: o primeiro episódio, em especial, cobriu nada menos que sete capítulos do mangá, uma verdadeira correria. Mas, ainda assim, ficou bom.

Isso sem falar na qualidade de animação. Todas as sequências de Levi correndo pelos telhados e lutando contra os novos inimigos foram incríveis. É uma qualidade pouquíssimo vista em um anime de temporada e que sabemos que deve manter o nível. E vale o aviso: se o seriado seguir o mangá de perto, nesta mesma leva de novos episódios teremos uma sequência de Levi ainda melhor.

E, claro, não poderia deixar de falar sobre os personagens inéditos: Kenny e seu grupo de policiais corruptos deve atender as expectativas de quem busca por um vilão coerente dentro de Attack on Titan, que vão além dos vilões. Ao menos até que o programa aborde o Titã Bestial, que estreou na temporada passada.

De fato, os dois primeiros capítulos da terceira temporada de Attack on Titan entregam que estes novos episódios vão separar quem está acompanhando o anime pela trama ou quem está vendo apenas para curtir cenas de lutas contra Titãs. Qual dos dois é você? As próximas semanas dirão. Mas, de certo, este é o início do fim de um relacionamento perfeito.

Fique ainda com imagens de Attack on Titan, em nossa galeria:

Attack on Titan é exibido aos domingos, na Crunchyroll, com transmissão simultânea às 15h.

Imagem de perfil
sobre o autor Felipe Vinha

Já tentei salvar o mundo de uma invasão alienígena, mas hoje me contento em ser jornalista. Gosto de quadrinhos e suas adaptações na TV ou cinema, animes, tokusatsu, games (de luta principalmente) e tecnologia. Vamos trocar uma ideia no Twitter @felipevinha