Capa da Publicação

Até onde vai a utopia da “Fórmula Marvel”?

Por Guilherme Souza

Desde que a Marvel apresentou sua ambiciosa ideia de construir um Universo Cinematográfico em 2008, o estúdio tem provado ano após ano que o plano era brilhante, chegando ao ponto de redefinir os filmes de super-heróis como conhecíamos.

Tal sucesso, foi definido pelos especialistas como “a fórmula Marvel”, no qual muitos acreditam que o estúdio estabeleceu uma série de padrões em suas produções para se certificar de que todos os seus filmes sejam comercialmente bem-sucedidos. Hoje, iremos falar um pouco sobre essa dita fórmula e como ela afetou todos os outros estúdios.

Primeiramente, temos que analisar um pouco o que é a fórmula Marvel, já que, embora os filmes do estúdio apresentem semelhanças em suas narrativas, temos que nos lembrar que filmes como Star Wars e Indiana Jones também contavam com elementos muito similares aos vistos nos filmes da Marvel (humor, aventura, romance e carisma dos personagens centrais), além do fato de que esses são elementos básicos para qualquer produção cinematográfica de determinados gêneros. Sendo assim, podemos notar que a fórmula Marvel nada mais é do que um aperfeiçoamento de conceitos antigos vistos em franquias de grande porte.

Muitas vezes, o termo fórmula Marvel é usado para criticar o humor exacerbado visto em algumas produções, entretanto, temos que nos lembrar de que a Marvel precisava criar uma identificação para com seu público-alvo, as crianças, o que significa que a melhor maneira de se fazer isso é através do humor, porém também temos que reconhecer que as narrativas da Marvel Studios possuem diversas camadas, o que significa que as produções são feitas para qualquer faixa etária. Independente se uma piada ou outra não te agrada, sempre existirá um elemento no filme que acabará lhe chamando a atenção.

Com tanto sucesso, é óbvio que outros estúdios iriam querer partilhar dessa fatia do mercado, afinal, a Marvel Studios fez em 10 anos o que Fox, Sony, Warner e outros não fizeram em 30. O primeiro filme do Superman foi lançado em 1978, contudo, desde que o azulão deu as caras nos cinemas pela primeira vez, a Warner pouco explorou as propriedades da DC Comics, limitando-se a filmes do Superman e do Batman, além de algumas adaptações de outros personagens que são dignas de esquecimento.

Depois que o Universo Cinematográfico Marvel se estabeleceu, ficou claro que a DC também precisava de um universo compartilhado para chamar de seu, porém toda essa necessidade fez com que as coisas fossem apressadas demais e o resultado não fosse tão positivo, mas além disso, vimos a DC tentando “emular” a fórmula Marvel, tanto em termos narrativos quanto visuais, algo que foi ainda pior, já que isso fez com que ela perdesse sua identidade.

Acontece que isso não aconteceu somente com a DC e, ao que parece, vai se tornar uma epidemia em Hollywood. Esta semana, a Sony lançou Venom, o primeiro capítulo de seu universo cinematográfico baseado em personagens da Marvel, porém já deu pra notar que o filme não fez sucesso com a crítica especializada, o que provavelmente pode colocar em risco o futuro desse universo da Sony.

Por mais que Venom tenha seus motivos para ser achincalhado pela crítica, o fato de vermos mais um filme de super-heróis falhando em fazer sucesso levanta uma questão muito pertinente: Será que só a Marvel consegue fazer bons filmes de super-heróis? Essa pergunta pode ser facilmente refutada quando citamos a trilogia do Batman do Christopher Nolan ou até mesmo o recente Mulher-Maravilha, porém a coisa muda de figura quando nos lembramos que esses filmes funcionam de forma isolada e que não têm serventia alguma para a construção de um universo cinematográfico.

Com isso, podemos dizer que sim, até o momento, somente a Marvel obteve sucesso em construir um universo cinematográfico de filmes de super-heróis. A questão que é fica é: até quando isso continuará assim? Além disso, será que todos os estúdios terão que se adequar aos moldes da Marvel para conseguirem fazer sucesso?

Por mais que seja incrível imaginarmos um momento em que tanto Marvel quanto DC estejam fazendo sucesso nos cinemas, é bizarro pensarmos que para isso, todos os filmes devem ser iguais, sem nuances e sem gêneros diversificados.

É claro, não estou dizendo que a Marvel não se arrisque em suas produções, afinal, o estúdio chocou o mundo com filmes como Pantera Negra e Vingadores: Guerra Infinita, porém temos que concordar que, mesmo com as inovações narrativas, a Marvel sempre se atrela aos elementos-básicos de sua “fórmula”, não dando margem para correr riscos como o terror e o drama, como fez a Fox ao lançar filmes como Deadpool e Logan.

O curioso, é que se pararmos pra pensar, a franquia Invocação do Mal tem sido muito bem-sucedida em construir seu próprio universo de filmes interconectados, mesmo sendo uma franquia de terror, o que comprova o fato de que a questão não é o gênero em si e sim, se manter fiel a ele e criar um planejamento consistente, com personagens que cativem o público, e isso a Marvel faz muito bem.

No fim das contas, o que dá para concluir é que talvez seja impossível criar um universo com diversos gêneros distintos, já que, cada filme seria destinado para um público-alvo diferente e isso acabaria afetando a aceitação de filmes que mostrassem a interação de todos os personagens. Sendo assim, podemos imaginar que, por mais que a Marvel continue produzindo filmes do Deadpool depois que o acordo com a Fox for finalizado, dificilmente veríamos o Mercenário Tagarela se unindo aos personagens do Universo Cinematográfico Marvel, já que ele simplesmente não funcionaria lá, por mais que nos quadrinhos a união dos personagens faça muito sentido.

Por mais que os filmes da Marvel Studios sejam franquias individuais, eles ainda assim fazem parte de uma franquia maior que dita o tom e a narrativa de tudo o que acontece e, talvez, esse seja o motivo dos filmes fazerem tanto sucesso, contudo, isso os deixa “engessados” para novos experimentos artísticos. De certa forma, essa limitação de um universo compartilhado pode ser algo positivo, afinal, ultimamente todos os estúdios querem um universo compartilhado, baseados no sucesso da Marvel Studios, porém com o tempo isso pode acabar ficando saturado e inibindo que boas produções e novas franquias sejam iniciadas.

Ao que parece, a DC decidiu seguir uma nova estratégia e fazer filmes independentes, para que possam adotar diversos tons diferentes de acordo com a necessidade do personagem e isso pode acabar sendo o grande diferencial que eles precisam para fazerem tanto sucesso quanto a Marvel Studios.

Fique com imagens de Capitã Marvel, próximo lançamento da Marvel Studios:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'