Capa da Publicação

Altered Carbon – Produtora fala sobre as polêmicas da série!

Por Guilherme Souza

Altered Carbon, nova série de ficção científica da Netflix que estreia em fevereiro, promete revolucionar as séries da plataforma ao exibir um material com qualidade cinematográfica, porém, a história baseada no livro de mesmo nome, escrito por Richard K Morgan, já está causando controvérsias mesmo antes de seu lançamento.

Durante uma entrevista com a EWLaeta Kalogridis, showrunner da série, comentou sobre as controvérsias e explicou seu ponto de vista sobre elas.

A primeira foi em relação ao branqueamento de Takeshi Kovacs, personagem principal da série, que inicialmente é vivido por um ator japonês e posteriormente, tem sua mente colocada no corpo de um homem branco (interpretado pelo ator Joel Kinnaman).

Kalogridis ressalta que a série nunca foi uma propriedade inteiramente asiática ou baseada em uma figura real da cultura asiática que está sendo interpretada por um homem branco. Além disso, a showrunner afirma ser uma fervorosa apoiadora do movimento que vai contra o branqueamento de personagens, e que inclusive, se preocupou muito com essa questão ao dar mais volume para o passado asiático de Takeshi, pegando algumas sentenças do livro e transformando-as em episódios inteiros da série.

“Na verdade nós expandimos a história de Kovacs em relação ao que está no livro, então eu pude escalar outros três atores asiáticos, e eles interpretam pontos-chave na trama. Nós ficamos indo e voltando entre o Kovacs dos dias atuais e o Kovacks do passado. Um episódio é inteiramente centrado em Will Yun Lee [que interpreta Kovacs durante seus dias como mercenário]. Mas falando desse problema em específico, eu sou grande apoiadora da preocupação com o branqueamento, e apoio muito o movimento que está tentando corrigir os problemas de branqueamento em Hollywood,” frisa a showrunner.

Outra polêmica que circunda a série é o suposto fato de que ela incita a violência contra mulheres, porém Kalogridis tem uma outra visão sobre o assunto.

A produtora ressalta que as personagens femininas da série não são vítimas, e que o grande objetivo da trama é apresentar o descaso com o corpo humano, seja ele masculino ou feminino.

“O propósito da violência em Altered Carbon tem duas vertentes: Uma, pensar sobre como a descartabilidade do corpo humano se torna uma extensão da descartabilidade cultural na qual estamos consumindo nosso país até a morte, e isso é mais um passo onde mais uma coisa se torna descartável; e dois, é sobre como tratamos as mulheres  e suas privações de direitos,” disse Kalogridis.”

A série de ficção científica com vybe cyberpunk promete dar o que falar, e mal podemos esperar para conferir.

Veja imagens de Altered Carbon em nossa galeria:

Altered Carbon estreia em 2 de fevereiro na Netflix.

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'