Capa da Publicação

The Walking Dead: 8×08 – A sombra do que um dia foi uma boa série!

Por Mike Sant'Anna

Eu quase não tenho vontade de escrever esta análise do episódio que precede o hiato de fim de ano de The Walking Dead. Não por má vontade, mas porque minha sábia mãe sempre me ensinou que “se você não tem nada de bom para falar, não fale nada.”, e além do mais, não há nada que eu vá dizer aqui que vá ser muito diferente do que eu já venho reclamando ao longo das reviews desta temporada. Mas vamos lá…

The Walking Dead vinha para apresentar o episódio que iria preceder o seu primeiro hiato, a midseason finale, ou seja, obviamente ele viria com altas apostas e conclusões para o desenvolvimento desta trama que vem sendo – arrastadamente – apresentada na temporada. Mas não foi bem por aí não…

Logo no começo nós já começamos à levantar as hipóteses de que algo de ruim poderia acontecer à Carl, estava na cara, tanto quanto no episódio em que Shiva morreu. A série nem se preocupa mais em tentar esconder quando ela está dando destaque para um personagem, para que sua possível morte seja impactante. Assim sendo, nós entramos em uma das piores coisas que temos tido nessa temporada, uma coisa que eu já venho reclamando à alguns episódios, mas parece que vai durar pelos próximos também: Essa pretensão de fazer uma direção poética, que acaba esbarrando apenas na novela mexicana brega. Com todos esses takes em close nos olhos de diversos personagens no começo do episódio, com aquela edição barata que parece vídeo de casamento, e que esses takes irão se repetir no fim do episódio para dar a impressão de um ciclo fechando em unidade.

O roteiro continua sendo algo tão raso quanto essa direção, não é possível que as pessoas na sala de roteiristas de The Walking Dead, realmente pensem que alguém falaria daquele jeito, quando começaram à construir as falas. Por Deus, nós tivemos um diálogo que tinha tudo para ser bom e tivemos o clássico argumento do “eu faço pelo futuro das crianças”. Eu não vou colocar um GIF no meio da review, por motivos de sempre pensar nos leitores que estão no 3G, mas espero que fique nítido o grande facepalm que isso merece, ok? Talvez o único personagem que se manteve com falas naturais, tenha sido Negan, até porque seu personagem é propositalmente caricato daquele jeito.

E sobre a trama, o que podemos dizer além de: Sério mesmo?”. Tantos episódios gastos em um grande plano faraônico, pra do nada tudo voltar à estaca zero. Não me entendam mal, eu realmente já esperava que o plano fosse dar errado em algum momento, eu só esperava não me sentir completamente confuso do que estava acontecendo, me perguntando “Será que eu perdi alguma coisa episódio passado?”, e toda a explicação que nós tivemos foi: “Eugene…”

E aí tivemos um episódio pretensioso, completamente escuro, que muitas vezes dificultava saber até o que estava acontecendo – eu demorei pra entender quem tinha morrido no carro de Maggie – repleto de coisas que deveriam te deixar emocionado como a liderança exemplar de Maggie, mas provavelmente você passou a maior parte do tempo olhando a tela do celular, para que no final do episódio, nós tivéssemos o grande climax. Antes de entrar no mérito de comentar o final do episódio em si, eu gostaria de lembrar que antes da temporada começar, os produtores fizeram apenas duas promessas: A primeira de que essa temporada seria mais eletrizante, ao contrário da temporada passada que foi mais parada. A segunda promessa é que não teríamos cliffhangers “criminosos”, assim como estávamos tendo ao longo das últimas temporadas. É seguro dizer que os produtores de The Walking Dead mentem.

Mas agora, vamos comentar o fatídico final do episódio. Eu estou extremamente frustrado que o episódio falhou em fazer algo tão fácil como me fazer lamentar a possível morte de Carl. Uma sequência completamente mal construída, sem sentimento, corrida, e que o episódio já vinha “amaciando o golpe” ao longo de todo episódio. Eu queria me importar com a mordida que Carl levou, mas tudo que eu consegui ver foi um cliffhanger barato.

Com isso, eu imagino que muitos fãs da série – como eu sou um, não se enganem pela chuva de críticas que estão acontecendo neste artigo, eu sempre fui um fã inveterado da série – não retornarão ano que vem, quando a série retornar. Pois o grande erro da temporada até agora, tem sido subestimar a inteligência e o bom senso do seu público. Aos poucos vamos vendo que The Walking Dead vai fazendo uma metalinguagem consigo mesma, já que estamos vendo a série morrendo, mas ainda assim ela continua de pé…

Abaixo, confira imagens da série:

The Walking Dead retorna em 2018.

Imagem de perfil
sobre o autor Mike Sant'Anna

Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço... É bem retardado.