Capa da Publicação

Supergirl: 3×02 – O medo é PSIcológico!

Por Chris Rantin

Precisamos falar sobre Kara Danvers e seu romance ruim. A maioria de vocês vai concordar comigo que, por mais fofinho que Mon-El poderia ser, o relacionamento entre os dois não era bacana. Não estou dizendo que o amor não faça as pessoas cometerem loucuras, mas a reação de Kara pela perda do amado chega parecer exagerada, especialmente quando lembramos que eles ficaram juntos por menos de um ano.

A maneira que Kara sofre parece que ela perdeu o grande amor da vida dela, o romance de vários anos. Nem mesmo Iris West agiu dessa forma quando Barry Allen, que cresceu junto dela, sendo seu melhor amigo e noivo, ficou fazendo tanto drama quando o herói foi embora na última temporada de The Flash.

Chega um ponto que fica muito irritante ver esse comportamento auto-destrutivo e tóxico para as pessoas que estão ao redor da kryptoniana, mas nesse episódio finalmente entendemos por que ela se sente tão mal assim: Ela se culpa não só por ter mandado seu namorado pra fora do planeta, mas também por achar que acabou condenando ele a morte.

E só entendemos isso depois dos vários ataques da maravilhosa Psi, a meta-humana que surgiu na cidade para roubar bancos, usando seus poderes mentais – que são superiores até mesmo que o do Caçador de Marte – para projetar o medo na mente de seus oponentes.

Supergirl continua tentando fugir do seu aspecto humano, que segundo ela está quebrado e devastado, o que a faz querer ser heroína 24 horas por dia para sentir poderosa, assim sendo, ela nem pensa muito antes de tentar enfrentar a vilã, apenas para ter que enfrentar seus maiores medos.

E o que seria tão horrível a ponto de colocar a Garota de Aço de joelhos? Seu maior trauma de infância: Sua fuga de Krypton, tendo que assistir o planeta inteiro explodindo, sabendo que sua vida nunca mais seria a mesma depois daquilo e, como se não bastasse isso, passando anos perdida no espaço depois de um acidente.

Ao longo do episódio, conforme vemos que a nossa heroína continua sofrendo nas mãos de Psi, vamos entendendo que esse trauma junta muitos medos de Kara em um só.  É a saudade dos pais, é o medo de ficar sozinha, é TER ficado sozinha – no silêncio do espaço – por muito tempo, é achar que esse sofrimento nunca teria fim, é achar que ela condenou Mon-El ao mesmo destino quando o colocou na nave.

O maior medo dela é pensar que ela pode ter matado Mon-El enquanto tentava salvá-lo. Toda a cena da heroína sofrendo com seu próprio passado e com o que ela imaginava que poderia ter acontecido com seu amado foi bem angustiante, mas felizmente fomos recompensados com mais um momento fofo entre as Irmãs Danvers, quando Kara finalmente decidiu ouvir Alex e acredita que, assim como sua mãe, ela salvou o alienígena ao colocá-lo na nave e o mandar embora.

Essa realização permitiu que Kara ficasse imune aos efeitos de Psi, já que agora ela tinha superado seus medos – sabendo que não tinha matado ninguém e que ela não estava sozinha, tudo que ela precisava era deixar sua família voltar para sua vida.

Com isso resolvido, eu realmente espero que o próximo episódio não traga Kara de volta para a estaca zero. O final do primeiro episódio, quando vimos a heroína indo até seus amigos no bar, me fez pensar que ela finalmente iria deixar que ser tão babaca com eles e começar seu processo de cura, apenas para que nesse episódio a gente voltasse a ver Kara como alguém viciada em ser Supergirl e ignorando totalmente seus amigos.

É importante que todo esse peso da escolha dela continue a ser trabalhado, mas definitivamente já passou da hora dela começar a melhorar e que isso deixe de ser algo que acontece todo episódio, apenas para ser ignorado no seguinte.

Todos esses momentos com a Alex, no que parecia ser o retorno de mais momentos fofos entre as irmãs – algo que ficou meio e lado com todos os romances da segunda temporada – claramente parecem indicar que estamos seguindo para uma Kara melhor.

Outra pessoa que surgiu para mostrar para a Garota de Aço que suas ações tem consequências é Lena Luthor, que mesmo sendo adorável e realmente tentando entender e ajudar Kara, ficou de saco cheio de toda a atitude irritadinha e grosseira da moça. Foi muito bom ver a Luthor assumindo uma postura de chefe e realmente sendo séria com nossa heroína, mostrando que ela precisa ter responsabilidade e parar de achar que todo mundo está abaixo dela, sendo uma das poucas pessoas que não ficaram intimidadas com Kara ou simplesmente aceitando sua agressividade de cabeça baixa (como o resto do time dela passou a fazer).

Lena mostra que por mais gentil e amigável que ela seja, ela continua sendo uma mulher forte – e uma empresária de sucesso – e ela definitivamente não precisa aturar um comportamento ingrato de Kara, especialmente quando ela comprou a CatCo como um favor para a jornalista.

Falando na Luthor, ficou muito claro que planejam colocar a moça junto de James como um casal, a ideia até poderia ser bacana se o personagem tivesse um pingo de carisma ou fosse minimamente interessante, mas desde a primeira temporada toda a trama do rapaz é totalmente sem sal – incluindo a sua faceta heróica que graças aos Deuses não apareceu em cena até o momento. Lena ficaria melhor sozinha, na minha opinião. Já chega de romances ruins nesta série.

Neste episódio também vimos o desenvolvimento de Samantha, a nova personagem que apresentou super-força no primeiro episódio da temporada, e Ruby sua filha que aparentemente possui tendências suicidas – quase se matando para tentar provar que sua mãe possui super poderes. Em breve devemos ver um maior desenvolvimento da moça que deve entender melhor quem ela é.

Em resumo, o segundo episódio da temporada continuou explorando esse lado mais sombrio – e ligeiramente irritante – de Kara, fazendo com que ela lidasse com seus medos e, ao que tudo indica, finalmente estamos caminhando para ter nossa antiga heroína de volta.

Novas tramas também foram iniciadas, inclusive o que parece ser uma certa crise no noivado de Alex com Maggie, já que as duas estão começando a ver as muitas diferenças de opinião que possuem, assim como o final do episódio que mostrou a Miss Marte chamando J’onn J’onzz de volta para marte.  

O que vocês acharam do episódio? Comentem!

No próximo episódio devemos ver Marte em toda sua glória – e problemas. Confira o teaser do próximo episódio:

Enquanto aguardamos a próxima segunda-feira, confira abaixo a nossa galeria sobre a série: 

Supergirl vai ao ar todas as segundas, na CW. A Review dos episódios sai toda quarta-feira aqui na LH.

Imagem de perfil
sobre o autor Chris Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Instagram e Twitter: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"