Capa da Publicação

Legion: 1.03 – A Hora do Pesadelo!

Por Felipe de Lima

Chapter three foi um episódio bastante experimental e com muitos flertes de horror, desafiando os conceitos firmados em séries de super-heróis e afins. Nesse ponto, ela nem se preocupa mais em nem lembrar que deixou o escopo do gênero há muito tempo.

A estrutura do episódio é baseada no conto folclórico japonês Tsuru no Ongaeshi. Um homem encontra uma garça branca que foi atingida em sua asa pela flecha de um caçador e decide cuidar dela até que possa voar novamente. Tempos depois, uma jovem mulher bate em sua porta lhe pedindo abrigo. Os dois se apaixonam e, em meio as dificuldades financeiras, ela começa a trabalhar com tecelagem, mas pede para que o marido nunca a veja trabalhando. Quando ela retorna com o tecido mais belo, que é disputado pelos comerciantes. Com a vida mudando para melhor, ela decide parar de tecer. O marido, agora ganancioso, pede para que um último tecido seja feito. Dias se passam e a moça continua trabalhando, o homem fica preocupado e resolve ver o que está acontecendo. Para sua surpresa, a tecelagem estava sendo feita pela garça que ele salvou, que arrancava as próprias penas para o trabalho. Eis que a garça volta a sua forma humana e entrega o tecido, dizendo que era sua maneira de recompensar o homem por ter cuidado dela, mas como ele foi curioso e a viu trabalhando, ela foi obrigada a se transformar novamente em garça e voar para longe. A história é contada para Melanie por uma cafeteira (?) e conversa muito com os mistérios em torno do protagonista. A direção é de Michael Uppendahl, de American Horror Story e é a menos surpreendente de todos os três episódios. Contudo, a tonalidade expressada pelo diretor mostra que Legion finalmente encontrou suas vertentes mais efetivas: O suspense e o terror.

O episódio continua a luta para entender as memórias de David, que, como apontado por Syd, não são memórias. A garota, Melanie e Ptonomy ficam presos dentro da cabeça do protagonista e vivenciam momentos arrepiantes. Na forma de uma criança, David não consegue resistir as investidas do grupo de vasculhar sua mente, mas isso me mostra um erro conforme a história se desenrola. Ele pode não ser louco como foi declarado a vida toda, mas as variáveis de seus poderes causam efeitos drásticos em seu cérebro, chegando a distorcer suas memórias de infância, criando alucinações para todas as pessoas dentro de seu cérebro. A presença de duas entidades em especial é assustadora. Como Nancy perseguida por Freddy Kruger em A Hora do Pesadelo, que aqui encontra sua forma no Demônio de Olhos Amarelos e no Menino Mais Irritado do Mundo.

Única coisa que chega a incomodar no episódio é o aparente descaso com a irmã de David. Ele consegue entrar em uma espécie de plano astral e ver como ela está sofrendo na mão da Divisão Três, mas pouco faz a respeito e parece facilmente induzido a desistir de sua busca sempre que alguém o confronta sobre isso. É algo que deve ser explorado nos próximos episódios, mas a falta de um senso de urgência prejudica e é maléfica a maneira como vemos a relação dele com a irmã.

Um dos pontos mais positivos do episódio é a evolução de Sdy na narrativa, que tem sido muito natural e ela já não parece mais deslocada como parecia em Chapter One. Sua relação com David também cresceu em muitos aspectos. A cena onde os dois comentam a troca de corpos flui tão bem que é impossível não arrancar algumas risadas. Afinal, em meio à bagunça e a incerteza do que é realidade e o que é fruto da imaginação, um alivio na tensão é necessário para manter a sanidade.

Legion estabeleceu que a mente de David é um lugar de poderes extraordinários e além da compreensão. Existe beleza nas cenas onde ele se solta, mesmo que sem intenção, e a direção contribui muito pra isso. Porém, assim como foi com a Garça, ver como a mente de David trabalha não é a melhor ideia. Estar dentro de sua cabeça e tentar entender a origem desses poderes pode ser perigoso… Muito perigoso.

Legion é exibida às 22:30 todas as quintas-feiras no FX. Confira o trailer do próximo episódio:

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Felipe de Lima

Pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo. Me segue no twitter @tearsgodown