Capa da Publicação

Legends of Tomorrow: 3×07 – Brincar com gorilas na selva não foi a melhor ideia!

Por Márcio Jangarélli

Depois do sensacional “Helen Hunt”, com as aventuras das Lendas caçando Helena de Troia na velha Hollywood, “Welcome to the Jungle” é um super banho de água fria para os fãs da produção. Não chega a ser um episódio ruim, mas plano, sem graça e lotado de oportunidades perdidas. Isso piora quando esse é justamente o capítulo em que resolveram trazer o Gorila Grodd como vilão.

Mas qual é o problema principal? Sinceramente eu não lembro qual foi a última vez que isso aconteceu, mas a aventura não casou com a ambientação história. Houve sim alguns acertos, no entanto, o plano geral causa uma certa estranheza. O motivo disso é que talvez – e isso é só um palpite – seja muito difícil conciliar a Guerra do Vietnã com as maluquices cotidianas de Legends. Essa é uma passagem histórica americana extremamente controversa que não se dá muito bem com a ficção e, principalmente, comédias.

Ainda, nas chances que a série tinha para acertar o passo com o Vietnã, a coisa passou batido quase que completamente. Tivemos uma ou outra referência, como o Nate citar “Apocalypse Now” – e foi basicamente isso, uma citação do título – mas existe tanto material para ser explorado, tantas maneiras boas de se fazer isso, e nada foi bem executado como já vimos em tantos outros capítulos. Nós sabemos que Legends consegue trabalhar de maneira excelente, inclusive guerras e períodos mais obscuros; já vimos acontecer. Esse não foi o caso.

No meio de tudo isso, surge o Grodd, que foi um desperdício completo. Tivemos um gostinho do que poderia ter sido a relação dele com a Amaya afinal, o totem dela possibilitaria um plot bem bacana com o gorila – e o CGI dele estava bem feito, porém, além disso, essa participação do personagem foi pior que a primeira vez dele, lá em The Flash. Não dá nem para comparar esse Grodd com o Grodd que quase destruiu Central City com uma invasão gorila na terceira temporada do Velocista Escarlate.

Também, a trama do Stein com o Jax está ficando um tantinho passada. É legal que estejam focando no assunto para não cortarem o Victor Garber de uma vez da série, mas não precisam fazer um caso procedural da coisa toda. Entendemos que é um processo complicado separar o Nuclear talvez a separação nem role – porém, repetir isso todo capítulo já tornou a dinâmica cansativa. Ponto positivo para o Jax servindo como herói sozinho, no entanto, porque foi algo bem bacana.

Nem tudo é lamúria, tivemos algumas coisas legais sim. O Mick brilhou como uma grande fogueira nesse episódio e nem foi sendo cômico: foi pelo drama. Explorar o passado tenso do personagem com o seu pai, o Dick, e sua maneira bizarra de lidar com seus pecados e emoções foi o ponto mais alto do capítulo. Também ficou no ar que a aparição dessas aberrações temporais justamente em locais onde antepassados das Lendas estão não é coincidênciae como poderia ser, não é verdade?

O que resta agora é esperar que a série acerte o passo depois de um tropeço. De novo: essa é uma passagem histórica difícil, então podemos dar uma aliviada dessa vez. Só não repitam. E, como o destino do Grodd ficou incerto, se ele for voltar, que volte majestoso como o personagem pede.

Agora, galera, é hora de crossover! “Crise na Terra-X“, o grande crossover da CW deste ano, trazendo pela primeira vez as CRISES da DC para a TV, começa nessa segunda e o Cris, o Mike, a Bia e eu acompanharemos tudo para entregarmos uma super review para vocês. Fiquem ligados no site para novidades sobre as séries e para as reviews!

E aí, o que acharam do episódio? Não esqueçam de comentar!

Confira nossa galeria com imagens de Crise na Terra-X, o crossover das séries da CW:

Lançamento não encontrado.

Imagem de perfil
sobre o autor Márcio Jangarélli

Assessor, redator e jornalista. Madonna de Jakku.