Capa da Publicação

iZombie 3:09 – Dados, tiros e muito RPG!

Por Cristiano Rantin

Twenty Sided, Die começa exatamente de onde parou na semana passada, com Ravi se aventurando no encontro dos odiadores de zumbi. Como era de se esperar todos que estão ali estão com muito medo dos mortos-vivos, o que é a receita para violência gratuita e crimes de ódio.

Mas bem, alguém pode realmente culpar eles? Estamos falando de um grupo que, assim como nós, cresceu recebendo filmes e séries com zumbis perigosos e burros que instalavam o fim do mundo na Terra.

É claro que parece absurdo que eles odeiem zumbis e queiram matar eles, mas isso acontece porque conhecemos Liv e seus colegas de “espécie”. Talvez mais do que preparar um exército a Filmore-Graves deveria focar sua atenção em uma boa campanha publicitária para mostrar que eles são “gente como a gente” e o quão ignorante e errado é odiar alguém que você nem conhece.

Todos naquela sala estão com medo de serem transformados ou mortos em um possível apocalipse zumbi e a filmagem que fizeram de Justin com seus olhos vermelhos em modo full-zumbi de nada servem como uma boa propaganda. Por isso, educar talvez seja a melhor maneira de combater o preconceito e ódio deles.

Problematizações chiques a parte, vemos Ravi ter uma resposta rápida para evitar que o grupo de ódio comece a raptar zumbis e os fazer passar fome até que eles revelem sua face mais agressiva. E no meio disso ele conhece uma bela moça que aparentemente vai se atrelar com a trama dele de alguma forma. Seria um novo interesse amoroso?

Logo que essa cena acaba somos apresentados ao caso da semana: Um mestre de RPG, muito habilidoso na sua arte de jogar os dados e narrar os feitos de seus colegas, acaba sendo envenenado e morrendo no meio de uma partida.

Descobrimos também que alguns personagens que já vimos na Polícia, como o  rapaz responsável pelos retratos falados, são fãs desse tipo de jogo e, por estarem ali na hora da morte, suspeitos em potencial.

O caso se desenvolve de maneira cômica, fazendo com que Liv use os dados do falecido para decidir sua vida e até mesmo guie uma partida de RPG hilária com os seus amigos – que até então rejeitavam esse passatempo – tudo isso para ver se consegue ativar mais uma visão que ajude o caso a avançar.

Durante todos esses eventos pudemos ver que Jimmy, que já havia ficado bem animado com a versão mais dominadora de Liv quando ela comeu o cérebro da Doce Senhora Dor, levou essa paixonite para o campo das artes e fez um retrato nada discreto de sua colega de trabalho.

Falando em Doce Senhora Dor, o caso continua a ser explorado por Peyton que descobriu que o suposto assassino não poderia ter se envolvido sexualmente com a dominatrix, já que sofria com alguns distúrbios mentais que o afastava do sexo. Fica o mistério em aberto: Quem realmente matou a moça? Mais do que isso, o que essa pessoa gostaria de esconder?

Para complicar as coisas, Mr Boss, o responsável pelo sequestro e diversos problemas da advogada, retornou para a cidade, o que não deve significar uma boa coisa para Peyton.

O caso da semana termina sem conclusão, já que a trama avança para uma direção inesperada envolvendo uma sala secreta, super-computadores e plantas russas. O que significa que ele está nas mãos do FBI – que na série aparentemente é personificado na adorável policial e ex-peguete de Cliv. É interessante ver como eles re-introduziram ela na série e como o detetive fica mais vulnerável perto dela, algo muito agradável de se ver visto que nos aprofundamos no personagem.

Quando achamos que tudo ficará mais calmo somos jogados na cena da festa do prefeito zumbi Floyd Baracus, patrocinada pela Filmore-Graves e cheia de mortos-vivos. Depois do encontro firme entre Liv e Chase Graves – o novo líder da organização – vemos um atirador atacar o prefeito e seu filho.

Nada de mais grave acontece, visto que um tiro no coração não parece ter muito impacto em alguém que come cérebros, mas com toda certeza veremos mais repercussões desse momento em outros episódios. Talvez isso signifique pontos na campanha do prefeito – o que pode nos levar a pensar se Filmore-Graves não estaria envolvida nisso.

Mais reviravoltas do episódio: O grupo de ódio conseguiu capturar um zumbi, Don E acabou nas mãos deles depois de ficar insano com as visões de guerra do cérebro que ele comeu – potencializadas pelo soro azul de Blaine. Tudo isso acontecendo enquanto descobrimos que o pai do vilão continua vivo, preso no poço mas alimentado com pequenos pedacinhos de cérebros.

Um bom episódio para série, ainda que tenha levantado mais questões do que respostas tudo foi feito de maneira muito orgânica e divertida. Uma das coisas mais positivas em iZombie é como a trama avança no tempo certo, sem que isso, na maioria das vezes, comprometa o humor e agilidade da série.

Mas o que vocês acharam do episódio? Qual foi o momento favorito de vocês?

Na semana que vem teremos Return of the Dead Guy que, a julgar pelo nome, parece indicar que Blaine voltará a ser um dos antagonistas oficiais da série – e da história de Liv. Confira abaixo as imagens do próximo episódio:

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Mestrando em Comunicação Social pela UEL • Bruxo • Twitter: @ChrisRantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"