Capa da Publicação

Guardiões da Galáxia Vol. 2 – Microsoft não gostou de cena com um de seus aparelhos no filme!

Por Chris Rantin

Atenção: Alerta de Spoilers!

Dois erros fatais foram cometidos por Ego, o Planeta Vivo, durante seu confronto com Peter Quill em Guardiões da Galáxia Vol. 2: Confessar que ele deliberadamente matou a mãe do herói, dando um tumor para ela e destruir o walkman do Senhor das Estrelas.

Ainda que nada pudesse ser feito em relação ao câncer de sua mãe, o segundo erro do vilão é corrigido quando, perto do fim do filme, Peter consegue ser capaz de ouvir música de novo graças ao Microsoft Zune entregue a ele por Kraglin como um presente de Yondu.

O herói fica ainda mais feliz quando descobre que é isso que as pessoas da Terra estavam usando para ouvir música e que ele contém mais de 300 canções.

Como sabemos, o Zune foi um grande fracasso de vendas, sendo uma espécie de “piada interna” no filme e agradando a maioria dos fãs. Mas aparentemente quem não gostou nada disso foi a Microsoft.

O diretor James Gunn revelou em seu Facebook que quando ele falou com a empresa sobre a utilização do aparelho no filme, eles informaram que estava infelizes com a forma como ele seria usado.

Com toda certeza é uma pena que a empresa tenha pensado isso, especialmente quando o diretor explica todo o contexto da cena final do filme – quando Peter ouve o Zune:

Peter Quill quase ignora o Baby Groot durante todo o filme. Isso é importante. Eu acho que, em diversas maneiras, ele é uma figura paterna completamente ausente para esse filho que eles tem a bordo. Eu acho que a situação do Baby Groot é completamente oposta a minha. Eu tive seis crianças em minha família e dois pais. O Baby Groot é uma criança com muito pais. E então, eu acho que perto do fim do filme, Peter Quill recebe seu Zune do Yondu, e ele senta e toca ele. E ele está tendo um momento de auto-reflexão com ele mesmo – como ele teve perto do fim do primeiro filme . O primeiro filme é sobre mães, o segundo é sobre pais. E ele começa a ouvir sua música. Ao invés de ser um momento egoísta, Baby Groot se arrasta até o seu colo e nós vemos o Peter olhando para ele e nós vemos o amor de um pai pelo seu filho. É um momento completamente altruísta para Peter Quill. Um momento que foi completamente sobre ele e sua relação com seu pai, agora se tornando sobre seu filho e passando para uma nova geração e sendo parte disso. E é por isso que esse momento é tão importante para o filme e tão importante para o desenvolvimento de Peter Quill.”

O que vocês acharam dessa cena?

Veja também nossa galeria sobre o filme:

Fonte: Comicbook

Imagem de perfil
sobre o autor Chris Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Instagram e Twitter: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"