Capa da Publicação

The Flash: 4×04 – O loooongo braço da lei!

Por Mike Sant'Anna

E chegamos ao quarto episódio desta maravilhosa 4ª temporada de The Flash. Mais uma vez, a série se mantém nesta promessa de trazer uma temporada muito mais alegre, feliz, divertida, colorida, e acima de tudo, leve.

O episódio já começa em um momento bem “casual” de Cisco e Cigana, e se você pensou que você já teve problemas com pessoas interrompendo seus momentos íntimos com sua namorada, imagina como deve ser a vida do jovem Cisco com o sogro dele interrompendo o momento, com um portal no meio do quarto. Se não pudesse piorar, seu sogro é Danny Trejo.

Eu acho que eu nem preciso mais falar nada sobre o clima da série, que eu já não tenha dito nas reviews anteriores. Mas eu preciso ressaltar o quanto a adição de Ralph Dibny, interpretado por Hartley Sawyer, fez um bem para a série. O ator trouxe para o personagem um ar canastrão, que lembrou muito estas história antigas de detetives meio Dick Tracy. Além disso, o ator foi muito carismático e emprestou um ar muito engraçado para o novo herói da série.

A química entre Dibny e Barry Allen não podia ser melhor, trazendo essa relação já conhecida dos Frenemies, que são inimigos que são quase forçados à ter uma relação de amizade.  Falando em Barry, pudemos ver no personagem desta vez a verdadeira evolução da série nesta temporada, principalmente em dois momentos. O primeiro deles, quando Barry estava completamente rabugento e ranzinza por conta de Dibny, em temporadas anteriores, aquilo teria virado um drama sem fim, carregado e melodramático, nesta temporada virou um puxão de orelha vindo de Caitlin e Barry começou a entender o outro lado. Outro momento célebre de Barry que ilustra essa nova proposta da série, foi quando ele levantou o quadro de evidências e não restavam mais as provas do caso da morte de sua mãe, e no momento em que ele foi questionado por Joe, ele só respondeu “o caso foi resolvido” sem drama, sem discurso, sem peso nos ombros.

Do outro lado do episódio, tivemos toda esta trama com a relação nada amistosa entre Cisco e seu sogro Breacher. A atuação de Danny Trejo foi propositalmente trash, afinal de contas, estamos falando de Danny Trejo. Você com certeza vai ficar com a cena dele com os braços pra cima gritando “Ciskyyyy, Ciskyyy” por alguns dias na sua cabeça, mas essa é toda a mágica de ter chamado este ator em específico para o papel.

Por outro lado, tivemos Cisco sendo o melhor que o personagem pode ser, ao tentar escapar da caçada de Breacher, tanto na inteligência, quanto na coragem na hora que o momento pediu.

Uma coisa me incomodou no episódio, foi mais uma vez Barry convenientemente confiando em uma pessoa que não deu motivos para ser confiável, e mostrando sua identidade apenas por méritos de ser um personagem que ingressará para o Team Flash – se era pra mostrar pro Dibny, tivesse contado pra Patty também – mas essa foi talvez a única coisa que me incomodou.

Eu resumiria toda essa temporada, até agora, na cena de Barry dançando com um charuto na boca, enquanto todos riem ao fundo. Aliás, parabéns Joe.

EASTER EGGS E REFERÊNCIAS:

  • SINTO CHEIRO DE MISTÉRIO: O personagem de Ralph Dibny, nos quadrinhos, quando está perto de um mistério ou uma pista, começa a tremer o seu nariz de borracha. O mesmo aconteceu na série, tanto na primeira vez que o personagem disse isso, quanto na ultima cena, quando o nariz mexe de fato.
  • MORLOCK: Breacher começa a nomear algumas pessoas para intimidar Cisco, e cita um tal Morlock. Conhecido como Bernard Emil Morlock, este personagem é um vilão do Superboy.
  • PLASTIC MAN: Barry sugere que Dibny adote o nome Plastic Man (Homem-Borracha), e Dibny acha ridículo. Isso porque este nome pertence ao outro herói da DC Comics com os mesmos poderes que Dibny.
  • MACHETE: Quando Cisco começava à se armar para fugir de Breacher, ele pega um facão na mesa, e Harry diz que isso seria demais. Claramente uma referência ao personagem de Danny Trejo, Machete,  que significa uma espécie de facão.

The Flash vai ao ar às terças-feiras, no CW. 

 

Imagem de perfil
sobre o autor Mike Sant'Anna

Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço... É bem retardado.