Capa da Publicação

Deuses Americanos: 1.04 – Moscas!

Por Lucas Rafael

Tem muitas moscas nesse episódio novo de Deuses Americanos. Moscas no começo, moscas no meio do episódio e até no final. Seja lá qual for a metáfora que se tira disso, uma coisa é certa, não dá pra se livrar de moscas.

O quarto episódio de Deuses Americanos subverte a expectativa do espectador ao focar a narrativa em Laura Moon (Emily Browning), recapitulando a primeira vez em que a jovem conhece Shadow, quando ele tenta roubar o cassino no qual trabalha, até os eventos que levaram à sua morte e, sucessivamente, sua pós-vida.

O sentimento aqui é de uma pausa, uma breve interrupção nas andanças esquisitas de Shadow e Wednesday para que uma nova personagem seja aprofundada com perfeição. E o episódio consegue isso.

Laura é uma personagem que desencadeia os acontecimentos de Deuses Americanos, afinal, é sua morte que libera Shadow da prisão mais cedo, assim como são seus telefonemas que dão ao protagonista resiliência para aturar o xilindró. Após ela ser um personagem “plano de fundo” tão intrigante, a série apresenta quem ela é como pessoa: uma jovem fria e apática.

O episódio é intitulado “Git Gone“, nome da marca de repelente de insetos que Laura usa para matar moscas, e, numa rima visual elegante, tentar se matar. A apatia de Laura tem raiz em um claro desinteresse que, em certas cenas chega a beirar a sociopatia. Obviamente, não é tudo preto no branco. As camadas de cinza fazem parte das nuances dos personagens desse universo, e ao mesmo tempo em que o espectador repudia Laura por suas ações, tem ali um “que” de simpatia. Talvez seja sua fragilidade inicial, demonstrada através da tentativa de suicídio, talvez seja porque estamos felizes por Shadow estar feliz com ela. Talvez porque moscas sejam um problema na vida de todo mundo.

Após a série preencher algumas lacunas acerca de Laura e o amigão de Shadow, Robbie (Dane Cook), chegamos no momento de sua tão ansiada morte. E assim como as moscas sempre voltam, Laura retorna à vida (depois de elegantemente mandar um deus egípcio da morte se f*der).

É revelado então que Laura tem protegido Shadow desde sua ressurreição, sendo ela que mutilou os capangas do garoto tecnológico. O lance aqui é a personagem ter que morrer para encontrar o seu propósito: Shadow. Em um diálogo, uma personagem sugere que é mais o amor por um cachorrinho do que por um homem que Laura sente por Shadow, uma espécie de carinho protetivo mais do que uma paixão legítima. Laura quer apenas proteger seu cachorro e se livrar das moscas. Caramba, como tem mosca nesse episódio.

Anúbis retorna para um acerto de contas, Laura perde um braço, costura o braço de volta, é chamada de “vadia zumbi” em uma cena grotescamente hilária e, por fim, reencontra Shadow.

Wednesday não aparece dessa vez, mas temos uns pássaros pretos suspeitos que seguem Laura e Robbie por aí. Bem suspeitos.

Tivemos aqui uma interrupção que destoa da narrativa estabelecida pela série até então. Sem histórias paralelas, sem um curta de introdução. Apenas uma agradável, trágica, comovente, cômica e violenta interrupçaõmfjgij. Perdão, matei uma mosca que pousou no teclado.

Confira nossa galeria da série:

O quarto episódio de Deuses Americanos está disponível para stream pela Amazon Prime.

Imagem de perfil
sobre o autor Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais