Capa da Publicação

Christopher Nolan fala sobre inspiração ao criar um Batman realista

Por Leo Gravena

Se baseando no realismos da Metropolis do Super-Homem, assim como a contratação de atores famosos e criticamente respeitados em papéis-chave do filme, Nolas explicou que mesmo com Batman e o Super-Homem sendo personagens diferentes, há aspectos de filmagem que podem ser aplicados a ambos  com sucesso.

Aqui está parte da entrevista:

Um filme do Batman sempre foi algo que você teve vontade de fazer? E havia algo específico que você queria trazer?

Sim, tudo veio de uma maneira bem interessante, meu agente, Dan Aloni, me ligou e disse: “Acho que você não vai se interessar nisso, mas a Warner me ligou e eles estão querendo fazer um Batman.” Eles já haviam parado de fazer os filmes há um bom tempo, e naquela época ninguém usava a palavra “reboot”, isso não existia, então era uma questão de: “O que você gostaria de fazer com isso?” Eu disse, “Bem, na verdade, tem algo no qual estou interessado”, porque é um dos filmes pelo qual sou muito influenciado e não falamos sobre é o Superman do Dick Donner, de 1978. O filme fez uma grande impressão em mim. Eu consigo me lembrar dos trailers, de tudo. E era óbvio para mim que mesmo sendo brilhante, o que Tim Burton fez com o Batman em 1989, mesmo sendo um sucesso mundial, não era uma história de origem, não era uma épica história no mundo real; era algo muito Tim Burton, muito idiossincrático e gótico. Mas deixou essa importante lacuna na cultura pop, tivemos o Superman de 1978, mas nunca tivemos um Batman de 1978, onde você vê sua história de origem, onde o mundo é o mundo em que vivemos, mas tem aquela figura extraordinária ali. E isso é o que funcionou tão bem no filme do Dick Donner. Então eu entrei no estúdio e disse: “Bem, é isso o que eu quero fazer”. E eu nem me lembro de onde saiu o “reboot”, masfoi após Batman Begins. Então não tínhamos ideia dessa referencia ou que estávamos recomeçando uma franquia. Era mais algo tipo, “ninguém nunca fez essa história de origem desse jeito e tratou como um grande filme de ação, tipo um blockbuster de ação contemporâneo.”

Preso no realismo…

O que eu amei sobre Superman é o jeito que Nova York se parecia com Nova York, ou que Metropolis se parecia com Nova York; Metropolis parecia uma cidade que você podia reconhecer. E então tinha esse cara voando sobre as ruas. “Isso é incrível, então vamos fazer isso com o Batman, e vamos colocar um elenco incrível”, o que é o que haviam feito naquele filme, e que eu não vi sendo feito desde então. Eles tinha todo mundo, de Marlon Brandon até Glenn Ford, fazendo o pai do Superman, sabe, era um elenco fantástico. Então começamos a colocar esse incrível elenco, em torno do Christian Bale, que parecia ser perfeito para o Batman, mas trazer Sir Michael Caine e Gary Oldman e Morgan Freeman e Tom Wilkinson. Foi apenas incrível.

Em outro ponto na entrevista, Nolan discutiu porque ele tentou ser mais seguro ao fazer Batman Begins, e não já preparou uma trilogia. Soltando os filmes a cada três ou quatro anos, ele disse, permitiam que ele avaliasse a percepção da critica e audiência, e para criar uma sequencia que mostraria o que os filmes do Batman haviam “se tornado”, ao invés do que ele imaginava ao criar a série.

Ele admitiu que a Warner estava interessada em ouvir ideias para uma franquia desde o inicio, porém ele e o escritos David S. Goyer evitaram a questão.

Fonte: ComicBook

Imagem de perfil
sobre o autor Leo Gravena

Editor-Chefe | @LeoGravena
"...It was never going to be okay..."