The New Dark Avengers de Norman Osborn

Capa da Publicação

The New Dark Avengers de Norman Osborn

Por Felipe Lima

Algumas boas tramas, algumas forçadas de barra tradicionais na longa passagem do roteirista a frente da franquia dos Vingadores. A essa altura, com o número 108 lançado e com a trama respingando nas histórias do grupo principal, vale a pena uma sucinta (se possível) resenha sobre a volta de Norman Osborn e dos seus Vingadores Sombrios.

Os dois retornos estão longe de ser triunfantes. Na verdade, a reconstrução dos Vingadores Sombrios pode ser mesmo vista como mais um delírio megalomaníaco de Osborn. Agora chancelado por uma verdadeira liga de organizações criminosas como a Hidra e a IMA, suas pretensões desde a fuga planejada e executada com auxílio indispensável de um culto clandestino a sua figura como Duende Verde são de reconstrução do MARTELO e destruição dos Vingadores. A noção do culto espalhado nos mais diferentes locais é bem interessante, demonstrando o que noções distorcidas do mundo em que vivemos pode levar pessoas inocentes (outras nem tanto) a cometer coisas terríveis pensando estar fazendo o bem.

Como das outras vezes em que foi razoavelmente bem sucedido, Norman entendeu que não é apenas a força bruta que conquista o que deseja, e tenta usar a mídia contra seus adversários. Aliás, foi a perda dessa noção n’O Cerco que ajudou a causar sua última grande queda. Distração e show de luzes são suas principais armas, mas para isso julgou que precisava de novos Vingadores Sombrios.

O recrutamento da equipe é uma bela homenagem à já clássica formação original. Inclusive as escolhas seguem a mesma lógica, que é profanar e subverter arquétipos tradicionais dos maiores heróis da Terra. Mas dessa vez com muito menos graça, Bendis. Dentre personagens vindos da minissérie do período de Norman na prisão, de Guerreiros Secretos, e alguns “desenterrados”, o único verdadeiramente carismático (talvez por parecer fora de sintonia) seja Skaar, o filho do Hulk. Mas a sensação ainda é de ideia requentada.

Com exceção da história da fuga de Osborn (originalmente publicada em New Avengers #16.1), cuja arte foi de Neal Adams, temos o paraibano Mike Deodato (com uma ajudinha do mineiro Will Conrad) no restante das histórias. E a ajuda do Will parece ter sido necessária por questão de prazos, não sei. Pois a arte está corrida, com ótimos painéis, mas outros aparentando pressa. Nada que prejudique demais a qualidade do ótimo trabalho dessas duas figuras, mas acaba destacado da qualidade que estamos acostumados.

Com muita ação e pancadaria, o arsenal tecnológico/biológico a disposição de Norman parece ter lhe servido muito bem para parecer poderosíssimo aos olhos da imprensa e do país que acompanha a luta aos pés da Mansão dos Vingadores. Mas, sinceramente, ela parece se arrastar demais, e nos faz perguntar onde Bendis quer levar essa história. O que não muda muito com a adição do recauchutado (essa história parece abusar da reutilização) Ragnarok. Vamos ver no que vai dar.

Fonte: Marvel616

Imagem de perfil
sobre o autor Felipe Lima

Apaixonado por música, viciado em internet, cinema, Tony Hawk Pro Skater, The King of Fighters e Cuphead. Colecionador de Funko e action figures em geral.