Capa da Publicação

Cota gay nas HQs?

Por Gus Fiaux

Como muitos já sabem, recentemente ocorreu uma impactante história na Marvel Comics na qual um Wolverine e um Hercules de uma terra paralela a 616 (o universo padrão da Marvel) se beijavam. A história atraiu bastante os olhares da mídia e dos mais diversos fãs de HQs em todos os cantos do mundo. Há os que gostaram e os que odiaram, mas ainda assim trouxe uma grande polêmica e impacto, o que faz com que muitos se perguntem: Qual a razão de tudo isso?

As HQs são um dos melhores meios de dissuasão de idéias, acompanhando os fatos que acontecem no mundo desde que existem, desde a luta das mulheres por seu reconhecimento, passando pelas inúmeras guerras no Oriente Médio até assuntos mais recentes, como a queda das Torres Gêmeas.

122_THE_RAWHIDE_KID_1Então por que, de uma hora pra outra, somos bombardeados com personagens homossexuais nas HQs? Bem, por incrível que pareça, isso não é recente. É uma trilha que está sendo seguida desde os anos 70/80, cada vez mais tentando se adaptar as diferenças que o mundo nos apresentava com o tempo. A Marvel tomou o passo inicial em 1979, com a criação do Estrela Polar, que veio a se assumir apenas 13 anos após sua criação, em 1992, mas que já vinha dando pistas desde sempre sobre sua condição sexual.

Ele foi o primeiro personagem gay dos quadrinhos por ordem de publicação, mas não exatamente o primeiro cronológico, já que essa posição é ocupada pelo cowboy Rawhide Kid, que foi criado no ano de 1955 mas só saiu do armário em 2003, na polêmica minissérie Rawhide Kid Vol 3, o que deu novos olhares para fãs mais “conservadores”, chegando a ocorrer um não tão divulgado boicote contra a Marvel.

No lado DC, sempre existiram personagens menos famosos como Apollo, Meia Noite e Manto Negro, este último filho do Lanterna Verde original, Alan Scott, o personagem mais polêmico da editora no ano passado, pois devido ao reboot, Alan passa a ser gay, junto de Katherine Kane, a Batwoman.

kate-kane-and-renee-montoya

O primeiro beijo gay dentro dos quadrinhos veio pela Marvel, juntamente com o primeiro casamento, sendo que o beijo foi protagonizado por Rictor e Shatterstar, do X-Factor e o casamento aconteceu logo com o Estrela Polar e seu parceiro Kyle, no ano passado. Algo até normal vindo de uma editora que tende a ser liberal como a Marvel.

northstarheaderMas então por que transformar logo personagens consagrados como Wolverine e Hercules, assim? Bom, antes de mais nada, devemos lembrar que eles vem de uma terra paralela, não tendo relação nenhuma com o Wolverine e o Hercules do 616 além de seus nomes e habilidades. Mesmo assim, é impossível, e até um pouco desrespeitoso com fãs que lêem a bastante tempo que façam uma mudança radical em um personagem que possui toda uma mitologia e a fama de machão como o Wolverine

Isso é notável, de longe, mas também não há motivos para se alarmar quanto a isso. É inegável que a transformação de personagens já existentes e consagrados não foge de uma jogada de marketing totalmente sem sentido e sem pé no chão, mas aos que pensam que agora todos os personagens passarão a ser homossexuais, como tem ocorrido direto nos fóruns da vida e até aqui mesmo, nos comentários do site, ledo engano de vocês.

Basta partir de duas premissas: Tanto Marvel quanto DC possuem no máximo 50 heróis e vilões gays, em cada uma. Isso em um universo com mais de 5.000 personagens, ou seja, o total gay dos quadrinhos não passa de 1% da população geral. E em segundo, querendo ou não, os leitores gays são minoria no quadro geral, apesar de existirem.

7641_originalPassagens como o casamento do Estrela, o beijo de Rictor dentre outras coisas são pequenos aspectos em um panorama bem maior, e não são diferentes do primeiro herói negro ou da primeira heroína nas HQs, é apenas uma maneira bem distinta de agraciar leitores gays e trazer um pouco de luz a cabeça das pessoas, afinal, hoje o assunto da vez é homossexualidade, mas ninguém se lembra que nas distantes décadas de 30/40, a simples aparição de uma heroína era tida com repulsa pelos leitores mais conservadores, que também temiam um alastre feminino nas HQs, tirando destaque masculino.

Novamente aqui, as HQs servem como ponte entre o real e a ficção, e é óbvio que muitos não gostaram de ver um Wolverine beijando outro homem, assim como eu mesmo, mas devemos parar com esse mimimi absurdo de pensar que tudo que acontece é negativo.

hulkling__wiccan_001E aqui vai um recado para você, senhor machão que fica ofendido com qualquer coisa relacionada a homossexualidade apresentada nos quadrinhos ou fora deles: Todos somos pessoas, e devemos lembrar que grandes pessoas são diferentes umas das outras. Como seria o mundo hoje em dia sem Freddie Mercury (vocalista do Queen), Harvey Milk (famoso político americano) ou até mesmo, aproximando dos quadrinhos, um Ian McKellen (o intérprete do Magneto na trilogia original)?

Não criem alarde em cima disso pensando que isso influenciará as pessoas a serem homossexuais (senão todos seríamos psicopatas por ler histórias do Coringa, ou até mesmo ricos por lerem Homem de Ferro e Batman), e até mesmo sendo piegas, se não concorda, apresente sua ideia, mas sem pré-julgamentos sem nexo.

Vida Longa e Próspera

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux