Capa da Publicação

10 personagens dos quadrinhos que foram adaptados de forma medíocre!

Por Lucas Rafael

Com o boom dos filmes de quadrinhos, muitas adaptações tomaram as telonas dos cinemas por assalto. Nela, retratações incríveis de personagens que aprendemos a amar nas HQs foram expostas. No meio de tantas obras, algumas erraram feio ao adaptar heróis e vilões queridos das HQs.

Nesta lista, separamos os ofensores mais graves, aqueles personagens cuja adaptação soa quase como uma ofensa ao material fonte, sejam heróis ou vilões.

Faltou algum personagem que você julga essencial? Fale pra gente nos comentários!

Imagem de capa do item

Galactus - Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado

Vamos lá que nenhum filme do Quarteto Fantástico honrou o material dos quadrinhos. Ainda assim, a forma como Galactus, o Devorador de Mundos foi retratado em Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado, é, no mínimo, triste.

Sendo um do vilões mais coloridos, imponentes e grandiosos da Marvel, o filme focou muito mais em um retorno de Doutor Destino com enfoque no Surfista Prateado, com Galactus ficando em segundo plano, sendo retratado como uma espessa nuvem cósmica. Será que faltou orçamento aí para entregar uma versão mais condizente do vilão, nem que fosse só visualmente ao invés de termos narrativos?

Imagem de capa do item

Mulher-Gato

Criticar o filme da Mulher-Gato é chutar cachorro (ou gato) morto. A maioria deve saber que Hale Berry ganhou o prêmio Framboesa de pior atuação e ainda apareceu na cerimônia para recebê-lo pessoalmente. Pelo menos ela levou na esportiva.

Mulher-Gato é um filme que trata sua protagonista de forma hilária e bizarra. Embora ele até tente abraçar o lado femme fatale tão característico da personagem nas histórias em quadrinhos, forçar sua protagonista a se comportar como um felino geralmente não é uma boa escolha, a não ser que se trate de uma comédia besteirol mesmo.

Mulher-Gato é um filme que, definitivamente, não caiu de pé.

Imagem de capa do item

Deadpool em X-Men Origens: Wolverine

Outro que os fãs já cansaram de criticar foi a primeira iteração de Deadpool nos cinemas, em X-Men Origens: Wolverine. Aqui, o Mercenário Bocudo não tinha boca, contando com um visual bizarro. Ele também soltava lasers ou alguma coisa assim. Sim, ele já era interpretado por Ryan Reynolds.

Mais tarde, o ator corrigiu o erro trazendo uma versão mais digna de Deadpool às telonas, que recebeu resposta positiva por parte de fãs e crítica, chegando até a tirar sarro de sua aparição original. Outro que soube levar na esportiva, pontos para Reynolds.

Ainda assim, esta primeira tentativa não deixa de ser uma adaptação sofrível de Deadpool, claramente desrespeitosa ao material-fonte do Mercenário Tagarela.

Imagem de capa do item

Doutor Destino - Quarteto Fantástico

Doutor Destino é um dos vilões mais imponentes, articulados e ominosos das histórias em quadrinhos. Ele é o favorito de muitos leitores. Sendo assim, é uma pena que o público geral seja familiar às versões do vilão apresentadas nos filmes do Quarteto Fantástico até o momento.

Seja na versão de Julian McMahon, Toby Kebell ou até a mais antiga, de Joseph Cusp, nenhuma das adaptações fez justiça à imponência do Senhor da Latvéria dos quadrinhos, fazendo de Victor Von Doom só mais um vilão genérico e megalomaníaco em adaptações super-heroicas esquecíveis.

Imagem de capa do item

Venom/Eddie Brock - Homem-Aranha 3

Homem-Aranha 3 tentou lidar com um excesso de vilões que sua trama não soube trabalhar lá muito bem. O filme era o primeiro que adaptava Venom, o simbionte cósmico que se une ao fotógrafo Eddie Brock. Neste filme, tudo parece muito estranho, inclusive a abordagem usada para trazer Venom à vida.

O ator responsável por interpetar Eddie é Topher Grace, o rapazote de That 70's Show, o que já causa uma sensação de deslocamento em relação ao personagem. Podem falar o que quiserem do Venom de 2018, mas ao menos as interações entre o simbionte e Eddie foram acertadas no longa, enquanto em Homem-Aranha 3, Venom parece só mais um na galeria de vilões que a trama emprega.

Imagem de capa do item

Lanterna Verde

Ryan Reynolds já sofreu na mão da cultura popular. Além de encarnar a primeira versão de Deadpool, ele também foi Hal Jordan em uma das adaptações super-heroicas mais tristes já realizadas. Lanterna Verde era um filme que cometia diversos pecados cinematográficos, no entanto, o maior de todos talvez seja sua chatisse. Além de ser um filme insosso, ele é entediante.

A versão de Hal Jordan interpretada por Reynolds também não ajuda. A CGI aplicada para materializar os poderes do herói é estranha, e suas pistas de carro e metralhadoras verdes ficam um tanto cartunescas quanto comparadas ao restante do cenário.

Imagem de capa do item

The Spirit

Filme de Frank Miller adaptando a clássica obra de Will Eisner, temos aqui um filme com muito estilo e pouca substância. Trazer The Spirit para a estética de Sin City talvez não tenha sido lá a melhor das decisões.

Ainda assim, o maior pecado do filme está em adaptar um dos personagens mais icônicos dos quadrinhos, o herói titular Spirit, de forma sem graça, entregando um protagonista antipático e sem lá muita expressão, desonrando uma obra máxima das HQs no processo. Pelos menos Samuel L. Jackson é divertido no filme.

Imagem de capa do item

Homem-Coisa

O Homem-Coisa trata-se de um personagem com potencial para ser trabalhado em um filme de terror. Isso até se realizou em 2005, em um filme feito para a emissora SyFy. Mas ficou só na promessa mesmo.

O filme até tenta atravessar uma mensagem de teor ambiental disfarçado de conto de terror, mas falha por ser de qualidade duvidosa.

Sendo para maiores, temos cenas de violência sem graça aqui e ali. Os efeitos também não envelheceram bem, tornando Homem-Coisa uma obra atroz no catálogo de adaptações Marvel, longe de cumprir o potencial prometido pelas páginas da história em quadrinhos.

Imagem de capa do item

Apocalypse (Batman Vs. Superman)

Este aqui é uma ferida recente aberta na cultura popular.

Apocalypse é um dos vilões mais importantes da mitologia DC Comics, justamente por ser o responsável pela morte do Superman nos quadrinhos. Nas páginas das HQs, Apocalypse é uma força imparável, incansável, que destrói tudo ao seu redor conforme progride.

No filme, o personagem até ostenta sua qualidade destrutiva dos quadrinhos, mas seu visual feito de CGI acaba se parecendo demais com uma Tartaruga Ninja que deu errado.

Além do mais, o vilão é completamente desperdiçado em um espetáculo de computação gráfica insosso que reúne a tríade da DC. Existe todo um arco bizarro do personagem ser ressuscitado por Lex Luthor usando o cadáver do General Zodd que é simplesmente medonho.

Imagem de capa do item

Electro (Espetacular Homem-Aranha 2)

Temos também a retratação de Jamie Foxx como o vilão Electro. Embora o antagonista nunca tenha sido lá dos mais memoráveis no cânone do Homem-Aranha, o roteiro de Espetacular Homem-Aranha 2 fez de Electro uma espécie de fã amargurado do Teioso.

Com um visual um tanto estranho quando comparado aos quadrinhos (tudo bem que lá ele é bem mais carnavalesco em seus trajes), Electro acaba sendo um antagonista fraco movido por motivações pífias que não consegue sustentar o peso dramático do longa.

Imagem de perfil
Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais