Capa da Publicação

10 histórias que poderiam inspirar o filme do Doutor Estranho!

Por Gus Fiaux

Hoje, listamos dez histórias essenciais do personagem que poderiam inspirar a história do filme. Tratam-se de arcos clássicos, séries fechadas e revistas individuais, que contribuiriam com uma base narrativa completa ou então elementos singulares que poderiam ser aproveitados na história do filme estrelado por Benedict Cumberbatch e Rachel McAdams.

Imagem de capa do item

A Origem do Doutor Estranho

Strange Tales #115

O público está cada vez mais cansado da ideia de filmes de origens, pois eles contam com uma série de clichês e acabam perdendo a eficácia narrativa por sempre seguirem uma fórmula específica. Contudo, temos esperança com Doutor Estranho, por se tratar de uma história que, em seu cerne, é bem diferente da jornada clássica da maioria dos heróis da Marvel.

Se o filme seguir a história clássica do personagem, narrada na edição mencionada - e recontada inúmeras vezes -, temos Stephen Strange como um brilhante e arrogante neurocirurgião que, em um acidente de carro, tem suas mãos danificadas e se vê refém do alcoolismo e de demônios interiores. Procurando uma saída, ele viaja até o Tibete, para ir de encontro a um famoso mago, e poder ser salvo. Porém, ao adentrar o templo do Ancião, ele precisa deixar de lado suas fraquezas e seu ego para poder se tornar o Mago Supremo do Planeta!

Imagem de capa do item

O Mestre da Magia Negra e Retorno ao Mundo do Pesadelo

Strange Tales #110 e #116

Inserindo um dos maiores vilões do Doutor Estranho, a entidade conhecida como Pesadelo, as histórias trazem um pouco de desenvolvimento central ao personagem pré-estabelecido. Seria interessante usar elementos dela, no filme, para não "gastar", logo de cara, ameaças com Dormammu, que poderia ser uma ameaça perfeita para uma sequência.

Além disso, com Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose) na direção, adaptar histórias contendo o vilão Pesadelo é uma ótima saída para inserir alguns elementos de horror no Universo Cinematográfico da Marvel.

Imagem de capa do item

Os Domínios do Pavoroso Dormammu

Strange Tales #126

Contudo, porventura, se a Marvel ainda assim quiser adaptar o vilão Dormammu para os cinemas, ao menos, que façam da maneira mais acertada o possível. E uma das maneiras para que isso aconteça é adaptar o arco que conta com as primeiras aparições do vilão Dormammu e de Clea, uma das maiores mulheres na vida do Mago Supremo.

Trazendo o melhor da arte psicodélica e impressionante de Steve Ditko, a edição tem um forte teor de mistério, além do descobrimento da Dimensão Negra, que é um cenário recorrente ao longo da história do herói. O maior conflito, no entanto, é aquele que Strange deve lutar consigo mesmo, para manter sua moral intacta e compreender a importância da vida - e a tragédia da morte.

Imagem de capa do item

A Saga da Eternidade

Strange Tales #130-146

Possivelmente uma das mais importantes e melhores histórias do personagem, a Saga da Eternidade é uma história que nunca veríamos transposta integralmente para os cinemas. Contudo, adaptar alguns elementos dela seria interessante para a inserção de elementos ainda não explorados no MCU.

Após o seu mestre, o Ancião, ser subjugado pelo Barão Mordo e Dormammu, Strange precisa percorrer o cosmo e as dimensões para encontrar a Eternidade, que é basicamente a personificação do tempo e da realidade no Universo. Ainda que o filme possa não trazer a história essencial da série - que durou impressionantes dezessete edições -, seria uma oportunidade essencial para apresentar entidades como a Eternidade, que tem um papel fundamental na Saga do Infinito, a ser adaptada nas duas partes do terceiro filme dos Vingadores.

Imagem de capa do item

A Ameaça de Shuma-Gorath

Marvel Premiere #5-10

Uma das histórias mais sombrias do personagem, esse arco de seis edições foi o responsável por eventos chocantes na história do personagem, incluindo o surgimento de um dos seres mais tenebrosos do Universo Marvel: Shuma-Gorath, uma divindade que comanda centenas de dimensões.

Na série, Estranho e o Ancião sofrem uma série de ataques de inimigos misteriosos, e logo detectam uma ligação entre as investidas. Seguindo uma trilha de energia, Estranho acaba se deparando com a entidade demoníaca, que planeja invadir o mundo através da mente do Ancião. Incapaz de impedir o avanço da abominável criatura, Estranho é forçado a matar seu mestre. A história encaixaria perfeitamente no filme, caso a origem fosse distanciada como um flashback, além da possibilidade de poupar Dormammu para o futuro.

Imagem de capa do item

Tragédia Temporal

Marvel Premiere #11-14

Esse é um caso interessantíssimo. Cheia de profanidade e blasfêmia em relação à crença cristã, a história traz Estranho e Mordo em uma viagem temporal alucinada para deter o maligno feiticeiro Sise-Neg, que consegue voltar no tempo e recriar todo o Universo Marvel, tornando-se basicamente Deus.

A história é, da lista, a que menos tem possibilidade de ser transposta para os cinemas. Contudo, alguns elementos dela podem ser úteis. Se substituíssemos a figura de Sise-Neg por Mordo, teríamos um excelente conflito filosófico a respeito da necessidade do homem em se tornar deus. Além disso, seria a oportunidade ideal para inserir o contexto de viagens no tempo no Universo Cinematográfico da Marvel.

Imagem de capa do item

Por Ter Amado e Perdido

Doctor Strange: Master of the Mystic Arts #55

A história em si é descartável no que diz respeito de adaptação cinematográfica, por começar de um ponto já avançado na carreira do Mago Supremo. Porém, a questão por trás dela é algo que facilmente poderia ser lançado nas telas, incorporando dimensão emocional e psicológica ao personagem.

Na edição, temos Estranho em um momento sombrio de sua vida, indagando se os seus poderes são reais ou apenas ilusões criadas pela sua própria mente. O tom pesado da história cairia bem para um ator de peso como Benedict Cumberbatch, e seria um conflito secundário bem diferente de tudo visto até hoje em filmes de super-heróis.

Imagem de capa do item

Em Shamballa

Marvel Graphic Novel #23

Scott Derrickson, diretor do filme, já citou Em Shamballa como uma das histórias que inspirou o roteiro inicial do filme. Isso, por si só, já é motivo para qualquer fã ficar maravilhado. Parte da coleção de Graphic Novels originais da Marvel, a história tinha um tom menos super-heroico e mais intimista.

Aqui, Estranho é levado para um reino alternativo, onde conhece os Lordes da Shamballa, que o encarregam da missão de exterminar a raça humana para que ela possa renascer perfeita. Repleto de um conflito moral e ético, a história seria bem interessante, caso a Marvel quisesse apostar em um filme bem diferente do resto de seu Universo Cinematográfico da Marvel. Particularmente, sobre o personagem, é a história preferida deste que vos escreve.

Imagem de capa do item

O Juramento

Doctor Strange: The Oath #1-4

Uma das mais populares histórias centradas em Stephen Strange, ainda que recheada de erros e incongruências sobre a mitologia do personagem, O Juramento, de tudo que sabemos até agora, parece ser a história que movimentará a trama do filme, juntamente com a origem do personagem.

E apesar de todos os poréns, é uma boa história para inserir o herói no Universo Cinematográfico da Marvel. Na história, Estranho é baleado por uma figura misteriosa, e acaba sendo socorrido pela Enfermeira Noturna. Enquanto isso, o personagem descobre um elixir para todas as enfermidades, e fica dividido entre usá-lo para curar as chagas da humanidade, ou quebrar seu juramento de Hipócrates.

Imagem de capa do item

Autocirurgia

New Avengers Annual 2014

A história mais recente dentre as listadas, Autocirurgia é um ponto sombrio na vida do herói. Depois de ter vendido toda sua alma para conseguir o poder de um deus, Estranho é chamado para realizar um exorcismo, enquanto relembra uma cena particular de seu passado.

Ainda que não possa contar com elementos que dizem respeito à história de Estranho nos Novos Vingadores, a história possui uma ótima base para dar estofo e complexidade ao personagem. Além disso, seus cenários psicodélicos podem ser facilmente recriados no cinema, gerando uma experiência ainda melhor.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux