Capa da Publicação

10 histórias em quadrinhos que merecem ganhar uma série de TV!

Por Gus Fiaux
Imagem de capa do item

Jovens Vingadores

Em 2005, Jim Cheung e Allan Heinberg criaram a equipe conhecida como Jovens Vingadores. Depois da separação dos Vingadores (Vingadores - A Queda), alguns adolescentes se uniram para combater o crime. E como eram fãs, ou até mesmo filhos dos Vingadores, passaram a adotar codinomes e uniformes parecidos com os heróis adultos.

A primeira formação inclui Asgardiano (posteriormente Wiccano) e Célere, filhos da Feiticeira Escarlate, Patriota, Kate Bishop (conhecida por ser atual parceira do Gavião Arqueiro), Estatura, filha do segundo Homem-Formiga, Hulkling, príncipe híbrido Kree-Skrull, uma versão adolescente do Visão e Rapaz de Ferro, um viajante temporal que viria a ser o vilão Kang, o Conquistador. Alguns membros saíram e outros entraram. A última formação tinha até o Loki!

A razão pela qual a equipe merece uma série de TV são as inúmeras ligações com o Universo Cinematográfico da Marvel, desde possíveis aparições da heroína Jessica Jones até a introdução de um dos maiores vilões dos quadrinhos - o próprio Kang. E não é uma ideia muito distante! Já temos a Feiticeira e o Visão, Krees e Scott Lang como Homem-Formiga. O problema é que, para isso, os Vingadores já estabelecidos no cinema precisam se separar, de alguma forma.

Como deveria ser feito: Série regular para Netflix. Temporadas com um mínimo de 13 episódios.

Imagem de capa do item

Sandman

Muito se fala sobre uma adaptação cinematográfica de Sandman, que inclusive já está em desenvolvimento, mas devido à grandiosidade da história e a quantidade de subtemas explorados, realmente acho que funcionaria melhor como uma série de TV.

Sonho, um dos Perpétuos (grupo de seres que personificam alguns aspectos do universo) é aprisionado por um mago por cerca de 70 anos. Ao se libertar, ele deve restaurar seu reino (o Sonhar) e recuperar alguns artefatos que contêm parte do seu poder. Sonho descobre, dentre várias aventuras, que o objetivo de seu capturador era, na verdade, aprisionar sua irmã Morte, e usá-la para se tornar imortal.

Com uma série do Lucifer em desenvolvimento (que aliás, tem um papel significante ao longo da série), faz mais sentido que Sandman venha para a TV.

Como deveria ser feito: Série regular, com temporadas de poucos episódios (algo parecido com Sherlock, da BBC).

Imagem de capa do item

Livros da Magia

Já que Constantine está na TV... porque não trazer o pequeno Tim Hunter para as telinhas também?

Óbvio que estamos falando da minissérie escrita por Neil Gaiman, e não o titulo contínuo lançado depois. Até porque se desse certo, abriria espaço para um cross-over (até cinematográfico) entre os personagens da Liga da Justiça Sombria (que já está sendo desenvolvida por Guillermo del Toro).

Na história, Timothy Hunter conhece quatro mestres e conhecedores de magia (dentre os quais, John Constantine) que o levam em uma viagem pelo espaço-tempo para descobrir sobre a história e o desenvolvimento das forças místicas. E por quê? Porque Tim é a pessoa com capacidade de salvar ou condenar o mundo.

Como deveria ser feito: Minissérie de 8 episódios, pela mesma emissora da série do Constantine, a NBC

Imagem de capa do item

Umbrella Academy

Gerard Way é um fã assumido de histórias em quadrinhos. E suas contribuições para a nona arte variam desde um cover de Desolation Row para o filme Watchmen até quadrinhos escritos pelo cantor, como The True Lives of the Fabulous Killjoys e uma recente releitura do Homem-Aranha em Edge of the Spider-Verse #5.

Porém nada chama mais atenção que sua obra vencedora do prêmio Eisner, e desenhada por ninguém menos que o artista brasileiro Gabriel Bá. Umbrella Academy conta a história de várias crianças que nasceram de mulheres sem sinal nenhum de gravidez. Seis sobreviventes são adotados por um filantropo extraterrestre, que os treina como super-heróis. 20 anos depois, descobrimos que muita coisa mudou. O pai adotivo das crianças morreu, bem como um dos filhos, uma sétima criança surge misteriosamente e a irmã mais menosprezada passa a receber ligações estranhas...

Após o sucesso de Apocalypse Suit (o primeiro volume), veio Dallas, igualmente prestigiado. Atualmente, há planos para 2 outros volumes.

Como deveria ser feito: De início, uma minissérie de 6 episódios. Cada um baseado em uma edição do primeiro volume. Se for bem executada, hora de pensar numa temporada baseada em Dallas.

Imagem de capa do item

X-Factor Investigations

CSI da Marvel. É o que muitos pensam ao saber do que se trata X-Factor Investigations. E eles não estão errados. A equipe que recebeu o nome primeiro era composta pelos X-Men originais. A segunda formação retirava todos esses membros e incluía outros como Mercúrio, Destrutor, Polaris e Homem-Múltiplo. Pouco mudou desde então, exceto a função da equipe: de agentes federais à detetives particulares.

A realização de uma série de TV da equipe deveria acontecer por vários motivos, dentre os quais a possibilidade de inserir vários personagens mutantes ao universo já construído, algo que pode ser fácil, já que cada episódio podia funcionar perfeitamente como "o caso da semana".

Um dos maiores méritos de XFI é justamente o tratamento que cada personagem recebe ao longo do desenvolvimento da equipe, e ver isso na TV seria fantástico.

O pontapé inicial poderia inclusive vir do cinema, com X-Men - Apocalypse. O crescimento das ameaças mutantes poderia resultar na construção de uma equipe que pudesse resolver problemas menores.

Como deveria ser feito: Série regular de 20 episódios por temporada, em média.

Imagem de capa do item

Camelot 3000

Esse é um título que fez grande sucesso no Brasil lá na década de 80. Narra a história da volta do Rei Arthur à Inglaterra em pleno fim do século XXX... no meio de uma guerra alienígena contra o Planeta Terra!

Viajado, não? Mas isso não invalida a grandiosidade da minissérie desenhada por Brian Bolland e escrita por Mike Barr. Dentre vários subtemas, destaca-se a traição de Guinevere e Lancelot, e o cavaleiro Tristão reencarnado num corpo feminino.

Como deveria ser feito: Minissérie com 10 episódios. O bastante para desenvolver e adaptar esse clássico dos quadrinhos.

Imagem de capa do item

Justiceiro/Blade/Cavaleiro da Lua/Motoqueiro Fantasma

Há uma razão para esses quatro estarem juntos, e ela se chama Netflix.

A Marvel anunciou a produção de quatro séries baseadas em personagens urbanos (Luke Cage, Punho de Ferro, Jessica Jones e Demolidor) que irão se unir em uma série-evento (Os Defensores). Se isso der certo, é hora da Casa das Ideias começar a pensar em outros personagens que podem funcionar da mesma maneira.

Minha sugestão é o uso desses 4 personagens, já estabelecidos em outras mídias (com exceção do Cavaleiro da Lua) de modo desastroso. O único problema é conseguir orçamento suficiente para que algumas coisas funcionem, principalmente o segmento do Motoqueiro Fantasma.

E quem sabe, eles poderiam inclusive se reunir em uma equipe, como é o caso dos Defensores. E minha sugestão para nome de equipe não é outra se não "Knights" (fazendo referência a um dos selos mais famosos da Marvel).

Divididos em segmentos, as séries funcionariam individualmente, com o Blade e o Motoqueiro Fantasma caçando seres místicos e demoníacos enquanto Justiceiro e Cavaleiro da Lua lidam com coisas mais urbanas (não que esse último não possa se envolver com magia. Pelo contrário, ele deve). A união poderia começar a partir de um inimigo em comum... O Capuz, talvez.

Como deveria ser feito: No mesmo modelo que as séries do Netflix a ser lançadas no ano que vem.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux