Capa da Publicação

10 filmes que tiveram mortes de verdade durante as filmagens!

Por Gus Fiaux
Imagem de capa do item

Explosão - Mercenários 2

A produção do segundo filme foi algo conturbado e várias pessoas quase morreram. Stallone quebrou o pescoço e apanhou tanto de Dolph Lundgren que teve de ser hospitalizado, e Steven Austen quase perdeu uma perna por ficar próximo de uma explosão controlada. Porém, esses foram os menores dos males. Em outra explosão, um dublê foi morto - Kun Liu - e outro foi gravemente ferido - Nuo San. Os familiares dos dois processaram o estúdio, acusando-o de não ter feito um set adequado para as cenas.

Imagem de capa do item

O ataque do tubarão - Shark!

Antes mesmo de Steven Spielberg lançar o clássico Tubarão, filmes do gênero já faziam sucesso. Nesse filme de 1969, um dublê foi atacado e morto por um tubarão (por que será?) que deveria estar sedado. A cena chegou a ser filmada, mas não entrou para o corte final do filme. Para se ter noção do quanto os verdadeiros tubarões são os produtores, o caso fez tanto sucesso que renomearam o filme para Shark! (o título original era Caine), o que causou a revolta do diretor Samuel Fuller, que deixou a produção pela metade e chegou a pedir que retirassem seu nome do filme.

Imagem de capa do item

A queda do cavalo - O Retorno dos Mosqueteiros

Apesar de ser a cena de ação menos intensa da lista, não deixa de ser a menos fatal. As gravações aconteceram na Espanha, o que causou uma falha de comunicação entre o diretor e os membros da equipe nativa do lugar. Ao entenderem errado as ordens do diretor Richard Lester (Superman II e III), eles lavaram a estrada de pedra antes da cena fatídica. Naturalmente, a ruela ficou molhada e escorregadia. Quando os atores entraram a cavalo, Roy Kinnear - conhecido por seu papel como pai de Veruca Salt em A Fantástica Fábrica de Chocolate - caiu e fraturou a pelve. Com 54 anos, Kinnear morria de ataque cardíaco enquanto recebia socorro num hospital da Espanha. O acidente marcou o fim da carreira cinematográfica de Richard Lester.

Imagem de capa do item

Batida de barco - Pescando Confusão

Filme ruim. Produção pior ainda. Na cena final de perseguição de barcos, um dos barcos devia pular sobre uma rampa para evitar alguns arbustos, o dublê que fazia a cena perdeu o ângulo e atingiu alguns barcos, com vários figurantes nas proximidades, dentre os quais, Janet Wilder, seu marido e sogro. Ela, vinda de uma das primeiras famílias no ramo de dublês de Hollywood, morreu.

Imagem de capa do item

A grande inundação - A Arca de Noé

Antes de Russell Crowe estrelar na versão de Darren Aronofsky, houve um clássico baseado no mito bíblico. Lançado em 1928, o filme tinha uma cena de inundação, que carregou vários figurantes, dentre os quais, John Wayne. Porém, o volume e a pressão da água eram tão colossais que três figurantes se afogaram, vários sofreram graves ferimentos e um teve de amputar a perna. Assim como alguns males vem para o bem, a tragédia implicou na criação de um regulamento de segurança, que entrou em vigor no ano seguinte ao lançamento do filme.

Imagem de capa do item

Cena letal usada nos cortes finais - Triplo X

Infelizmente, cenas de ação custam muito dinheiro. Cenas de ação trágicas custam mais ainda, porém poucas vão para o corte final, até para preservar a memória dos falecidos. Não foi o caso aqui. O famoso dublê e paraquedista Harry O'Connor foi morto enquanto fazia uma cena no lugar de Vin Diesel, na qual ele era puxado por um barco em alta velocidade, montado em uma asa-delta. Ele devia pousar em um submarino, mas acabou batendo na coluna de uma ponte, e morreu com graves lesões. O diretor do filme, no entanto, resolveu deixar a cena pois, para ele, o olhar de pavor no rosto dos atores não conseguiu ser captado nas demais cenas.

Imagem de capa do item

A cavalaria - O Intrépido General Custer

A produção do faroeste de 1941 estrelada por Errol Flynn passou por momentos delicados, onde até o próprio astro teve colapsos por exaustão. Porém, outros não foram sortudos como o ator e se recuperaram. Três homens morreram no set. O primeiro caiu do cavalo e quebrou o pescoço. O segundo teve um infarto fulminante. O terceiro, e mais trágico, era o figurante Jack Budlong. Ele cavalgava junto de Errol quando seu cavalo tropeçou e o jogou longe, fazendo com que caísse sobre sua espada e morresse no hospital, dias depois.

Imagem de capa do item

Perseguição de carros - O Cavaleiro das Trevas

É inegável que a produção do segundo filme foi um tanto quanto... sinistra. Heath Ledger morreu de overdose após as filmagens. Christian Bale foi acusado de atacar sua mãe e irmã e Morgan Freeman sofreu lesões devido a um acidente de carro. E, infelizmente, dois membros da equipe morreram no set. Primeiro, o técnico de efeitos especiais, Conway Wickliffe foi morto quando a 4x4 que dirigia na cena de perseguição se chocou contra uma árvore. Ainda vivo, Wickliffe tentou sair do carro pela janela onde operava a câmera, porém outro técnico de efeitos especiais não percebeu a curva e se chocou com o carro e a árvore, matando Wickliffe. A segunda morte aconteceu quando um figurante sofreu um infarto no ensaio de uma cena de luta.

Imagem de capa do item

Corrida de bigas - Ben-Hur

Durante muito tempo houve um rumor de que um figurante havia morrido na cena da corrida de bigas do épico Ben-Hur de 1959. O boato morreu quando um dos membros da equipe disse que as cenas reais da corrida foram feitas com bonecos. Porém, um figurante de fato morreu nessa cena... apenas não nessa versão. Durante o filme mudo de 1925, as rodas de uma das bigas quebraram e um dublê foi morto.

Imagem de capa do item

A espiral da morte - Top Gun

O filme é dedicado à memória de Art Scholl, um renomado piloto acrobático que teve de fazer a famosa cena do giro, um dos momentos mais angustiantes do filme. O ator mandou uma mensagem para a cabine dizendo "Eu tenho um problema aqui... um problema real", minutos antes da aeronave se chocar com o Oceano Pacífico. Seu corpo e a nave nunca foram recuperados, o que significa que não se sabe as causas do acidente

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux