Capa da Publicação

10 curiosidades sobre a produção de “Manto e Adaga”!

Por Gus Fiaux

Décima primeira série da Marvel Television, Manto e Adaga já chegou com os dois pés na porta, conquistando um público que estava desconfiado por algumas decepções recentes, como Punho de Ferro Inumanos. A série recebeu uma aclamação tão imediata que já nos fez esquecer esses desastres e focar nas boas novas.

Aqui, você vai conferir 10 curiosidades dos bastidores de Manto e Adagadesde segredos sobre a criação da série até os planos para a já confirmada segunda temporada, que deve chegar à Freeform no próximo ano. Você vai descobrir alguns mistérios sobre a produção do seriado, bem como alguns detalhes sobre os personagens e coisas que podemos esperar para o futuro.

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Produção

Como dito no item de introdução, Manto e Adaga é a décima primeira série da Marvel TV a pertencer ao Universo Cinematográfico da Marvel. É a primeira adaptação em live-action dos dois consagrados personagens da Casa das Ideias, que antes só haviam aparecido em animações, como Ultimate Homem-Aranha.

Para desenvolver os dois heróis da melhor forma possível, o estúdio contratou o showrunner Joe Pokaski. Ele já era famoso por ter escrito dois episódios de Demolidor, mas seu maior reconhecimento vem dos quadrinhos, uma vez que ele já foi autor de títulos como Ultimate Fantastic Four e Secret Invasion: Inhumans.

Imagem de capa do item

Números e audiência

A série também marca a primeira parceria entre a Marvel e a Freeform - antigamente conhecida como ABC Family, o canal mais "adolescente" do ramo da ABC. Além disso, assim que os episódios foram exibidos, às quintas-feiras, nos Estados Unidos, eles iam diretamente para o serviço de streaming da Hulu, onde é exibida outra série da Marvel, Fugitivos.

O primeiro episódio da série rendeu um total de 1,64 milhões de espectadores para a Freeform - e isso só para a emissora, porque estima-se que cerca de 7 milhões de pessoas assistiram ao episódio através de mídias digitais. Basicamente, foi a maior estreia da Freeform - e a melhor audiência para o canal desde a finale de Pretty Little Liars.

Imagem de capa do item

Subversão de papéis

Para evitar alguns subtextos problemáticos dos quadrinhos, a série optou por mudar e subverter alguns elementos, de uma maneira a criar personagens ainda mais complexos. Basicamente, nas HQs, Tyrone Johnson é um bandido que mora nas ruas, enquanto Tandy Bowen é uma garota rica que foge com ele logo depois de uma tentativa de assalto.

Na série, vemos alguns contrastes sociais - mas tudo é representado da forma menos óbvia o possível. Tanto Tandy quanto Tyrone tiveram uma criação ótima, mas Tandy se tornou uma delinquente juvenil e assaltante durante sua adolescência, enquanto Tyrone é um jovem genial, que ainda sofre pela morte de seu irmão mais velho. A história de ambos é ligada pela Roxxon.

Imagem de capa do item

Inimigos corporativos

E isso, por si só, gera um item à parte. A Roxxon Corporation funciona como a "vilã" principal da série - algo que é interessante por discutir questões referentes à predação corporativa e à falta de cuidado com a população e com vidas inocentes, em prol de lucros. Curiosamente, não é a primeira vez que a empresa dá as caras no Universo Cinematográfico da Marvel.

A Roxxon está presente nesse universo desde Homem de Ferro 2, onde é mencionada (principalmente na sequência do Grand Prix. Posteriormente, a empresa foi citada também em Homem de Ferro 3 e na série de TV da Agente Carter, o que nos leva a um ponto bem interessante...

Imagem de capa do item

Águas passadas, problemas futuros

Manto e Adaga é uma continuação "cronológica" dos eventos da segunda temporada de Agente Carter e traz ligações bem importantes com o décimo nono episódio da primeira temporada de Agentes da S.H.I.E.L.D., graças à presença de um elemento bem peculiar dos quadrinhos: a Darkforce.

Basicamente, a Darkforce é uma espécie de matéria escura que é descoberta e utilizada pela Madame Máscara em Agente Carter. Posteriormente, a energia é usada pela Roxxon para criar uma série de experimentos - que é o que dá poderes ao vilão Blecaute. Agora, vale notar que é o elemento que garante as habilidades de Tyrone, o Manto.

Imagem de capa do item

Interligação

Um dos grandes elogios recebidos por Manto e Adaga é a forma como a série se relaciona com outros seriados do Universo Cinematográfico da Marvel. Além das já mencionadas ligações com Agentes da S.H.I.E.L.D. e Agente Carter, a série também estabeleceu uma conexão muito interessante com a segunda temporada de Luke Cage.

Ao longo da série, descobrimos que a Detetive Brigid O'Reilly já trabalhou na delegacia do Harlem, antes de ser transferida para Nova Orleans. Ela então menciona Misty Knight, uma personagem importante da série do Herói Blindado. Curiosamente, a segunda temporada de Luke Cage também mantém essa ligação através de menções a O'Reilly.

Imagem de capa do item

Transpirando cultura

Manto e Adaga é a primeira série de super-heróis - dentro ou fora do Universo Cinematográfico da Marvel - situada em Nova Orleans. E, para tornar a experiência ainda mais imersiva, muito da cultura local foi transferida para a série - tanto na música quanto em elementos religiosos, como o vodu, por exemplo.

O mais incrível disso tudo é que Noëlle Renée Bercy, a atriz que interpreta Evita Fusilier na série, é praticante ativa da religião, e ajudou os produtores a representá-la da forma mais verossímil possível, servindo como consultora de roteiro. Na série, ela é a sobrinha de Chantelle, uma importante feiticeira da cidade.

Imagem de capa do item

Podem ir esquecendo o traje clássico

Quando se adapta quadrinhos para a TV ou para os cinemas, os criadores precisam encontrar um equilíbrio exato entre respeitar o material original e criar algo que não soe ridículo nas telas. O mesmo aconteceu aqui, em Manto e Adaga, principalmente no que diz respeito aos trajes clássicos dos personagens.

Enquanto tivemos um Manto que, de fato possui seu manto icônico das HQs, sabemos que Adaga nunca terá seu traje clássico, de acordo com o criador Joe Pokaski. Muito disso se deve ao fato de que o traje da heroína era bem sexualizado, até ser modificado recentemente para títulos mais atuais.

Imagem de capa do item

Planos para a segunda temporada

Durante a San Diego Comic-Con 2018, o criador Joe Pokaski e Jeph Loeb, o presidente da Marvel Television, foram ao palco para anunciar que Manto e Adaga havia sido oficialmente renovada para a segunda temporada, que deve chegar à televisão no ano que vem. Agora, o plano é compor algo ainda mais fiel à contraparte dos quadrinhos.

Sabemos que o principal plano para a segunda temporada é reintroduzir Brigid O'Reilly, dessa vez como a vilã/anti-heroína Mayhem. Quem assistiu ao fim da série sabe como isso vai acontecer. Além disso, também teremos a presença de um vilão clássico da equipe, o psicodélico Mister Jip, que já deu as caras na série, durante uma visão no sexto episódio.

Imagem de capa do item

Crossover?!

Aliás, falando em planos para a segunda temporada, muito se discute sobre a possibilidade de um crossover entre Fugitivos e Manto e Adaga, e há algumas pistas nítidas de que isso possa acontecer em um futuro não muito distante. O primeiro indício é que as duas equipes já se encontraram antes nos quadrinhos, em mais de uma ocasião.

No entanto, o que mais dá base a essa teoria é o formato de exibição de ambas as séries. Manto e Adaga estreou na Freeform e seus episódios posteriormente eram disponibilizados na Hulu. Por outro lado, Fugitivos surgiu no serviço de streaming, mas sua primeira temporada já está sendo exibida no Freeform, logo após o fim de Manto e Adaga.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux