Capa da Publicação

10 curiosidades que você precisa saber sobre Death Stranding!

Por Leo Gravena

Death Stranding é um dos jogos mais comentados dos últimos anos e, como era de se esperar, muita coisa aconteceu para que ele chegasse ao mercado.

Durante o desenvolvimento, Hideo Kojima e sua equipe enfrentaram diversos dilemas e problemas, porém tudo sempre foi resolvido de maneiras muito intrigantes e interessantes.

Confira aqui algumas curiosidades sobre a produção, história e criação de Death Stranding. 

Imagem de capa do item

Mais que amigos, friends!

Hideo Kojima considera Mads Mikkelsen um dos maiores atores de todos, porém o astro não era um grande fã de jogos. Foi necessário que o filho de Mikkelsen explicasse para ele quem Kojima era. Eles se reuniram e Mads aceitou participar do jogo. Desde então os dois se tornaram bastante amigos.

Ao ter uma reunião com o criador do jogo, Mads disse que **”ele tentou me explicar toda a trama e é tão elaborada que eu, eu fiquei perdido, mas realmente queria saber mais sobre”.

Low Roar

Kojima é um grande fã da banda Low Roar, inclusive a música “I’ll Keep Coming” toca no trailer do jogo exibido na E3 2016. Porém, o diretor foi além de apenas usar as músicas.

O clipe de “Give me an Answer” é completamente baseado no jogo. Segundo o diretor Dylan Marko Bell, que dirigiu o clipe, “conhecendo o passado da banda, me fez pensar que seria divertido criar um mundo no qual alguns fãs pudessem entrar fisicamente no jogo Death Stranding antes que ele saísse”.

A banda também está presente na excelente trilha sonora no jogo.

Imagem de capa do item

Higgs

O personagem Higgs recebeu o nome devido ao Bóson de Higgs, como o próprio personagem esclarece no jogo.

Na física, o bóson de Higgs age como uma ponte entre partículas elementares e o campo de Higgs, permitindo que um grande campo interaja com as partículas no universo, como electrons.

De uma forma metafórica, Higgs, o personagem, se compara ao bóson já que ele age como um mediador entre os fenômenos envolvendo os BTs e o mundo físico de Death Stranding.

Imagem de capa do item

A Mulher Biônica

Desde que era uma criança, Kojima é um grande fã de A Mulher Biônica, a série clássica foi exibida de 1976 até 78 e, mesmo com apenas 3 temporadas, se tornou um clássico cult.

Assim que começou a desenvolver a história do jogo, ele sabia que queria Lindsay Wagner, que deu vida à Mulher Biônica na série clássica, em Death Stranding. A atriz deu voz apenas para uma personagem, porém sua aparência foi utilizada em duas.

Imagem de capa do item

Silent Hills

Alguns anos atrás, Hideo Kojima estava desenvolvendo Silent Hills, o nono jogo da franquia que também seria um reboot. Contudo, o criador acabou saindo da Konami e o projeto nunca foi para a frente. Muitos fãs sempre sonharam em ver esse jogo, porém dificilmente ele acontecerá como idealizado por Kojima.

O mais interessante é que muitos elementos do jogo foram parar em Death Stranding. Norman Reedus também seria o protagonista, Guillermo del Toro estava envolvido no projeto e muitos fãs estavam fazendo várias teorias antes do jogo ser lançado de que, na verdade, Death Stranding se passaria no universo de Silent Hill.

Imagem de capa do item

Quase foi diferente…

Durante o painel de Death Stranding na Comic-Con de San Diego deste ano, Kojima revelou que o papel de Cliff quase foi para Keanu Reeves.

Mesmo querendo, desde o ínicio, Mads Mikkelsen para o papel, várias pessoas próximas do diretor sugeriram que Keanu seria uma escolha melhor. No fim, o ator de John Wick acabou ficando de fora do jogo e Kojima foi com sua primeira opção.

Imagem de capa do item

Empreendedor

No jogo, BRIDGES é a companhia responsável por tentar reunir a sociedade fraturada que é os Estados Unidos. Contudo, mesmo antes do jogo ser lançado, vários fãs já estavam se utilizando de bonés e de patches do jogo.

Como ele não é bobo, a Kojima Productions possui os direitos da marca e todos os produtos da empresa fictícia que são vendidos por sites e lojas terceirizadas, tem que pagar alguns direitos autorais para a companhia.

Imagem de capa do item

Conexões

Death Stranding é um jogo sobre conexões, muitas vezes literalmente. Em entrevista com o Wired, Kojima explicou que a história é *”sobre o que você chama de vertentes [Strands, no original] na psicologia - como as pessoas são conectadas”.

No jogo, Strands são as conexões estabelecidas na Rede Chiral e a na identificação de Sam. No jogo, elas permitem a conexão entre as cidades, fazendo com que as pessoas fiquem mais próximas uma das outras.

Imagem de capa do item

Título

O título do jogo tem uma origem bem estranha. Quando baleias encalham em águas rasas ou nas praias, os biólogos chamam o evento de “Cetacean stranding”, ou “arrojamento” no bom e velho português. Normalmente, o arrojamento não acaba bem para as baleias, que morrem de desidratação ou se afogam quando a maré tapa seu orifício respiratório.

Mesmo com várias teorias sobre o assunto, ninguém sabe exatamente o que causa do arrojamento.

Imagem de capa do item

Horizon Zero Dawn

Death Stranding e Horizon Zero Dawn possuem várias referências uns aos outros, isso porque Death Stranding se utilizou do motor gráfico do jogo.

Durante o desenvolvimento de Death Stranding, Kojima pediu pelo motor gráfico usado pela Guerrilla Games e a Décima Engine para criar Horizon Zero Dawn para que ele pudesse dar vida ao seu jogo.

Ao invés de mandar contratos ou pedir algum tipo de compensação pelo uso da tecnologia, a Guerrilla simplesmente mandou os códigos sem pedir nada em troca. Segundo Kojima, o código foi enviado para eles em uma “caixa muito, muito bonita”. Ao abri-lá, ele encontrou um USB e a carta “Sr. Kojima, por favor use esse motor gráfico”.

Imagem de perfil
Leo Gravena

Editor | Ele/Dele | @LeoGravena
Escrevo sobre cultura geek na internet desde 2012
"Don't look back -- the past is exactly where it belongs."