Capa da Publicação

10 coisas que você não sabia sobre o Charada!

Por Gus Fiaux

Traduzido e adaptado do WC.

Imagem de capa do item

Um professor o iniciou no mundo dos enigmas

Nos quadrinhos, um professor lançou o desafio de resolver um quebra-cabeças, e aquele que fizesse mais rápido ganharia um livro de charadas e enigmas. Em vez de usar seu poderoso intelecto para resolver de maneira justa, Nigma trapaceou e assim ganhou o livro.

Pode parecer bobagem, mas foi desde cedo que percebemos a inclinação do personagem para o lado criminoso. Após ganhar, o garoto teve seu ego inflado e passou a utilizar como mantra de sua vida que só trapaceando chegaria longe.

Imagem de capa do item

Ele já trabalhou em um parque de diversões

Após deixar os estudos para se entregar à sua nova obsessão com enigmas, Edward trabalhava com charadas em um parque de diversões. Ele mantinha uma pequena barraca onde apresentava ao público uma charada impossível, e ganhava por cobrar pelas tentativas de resolvê-la.

Frustrado por usar seu intelecto em assuntos tão triviais, ele largou o emprego e se voltou para a vida criminosa.

Imagem de capa do item

Ele admirava Harry Houdini

O vilão com sua grande parcela de extravagância foi altamente inspirado por Harry Houdini, famoso mágico.

Basta olhar para suas armadilhas que quase fizeram o Homem-Morcego se afogar e ser eletrocutado, todas muito similares às que o artista húngaro planejava para si próprio.

Imagem de capa do item

Ele tinha câncer

No arco "Silêncio", foi revelado que o vilão tinha câncer, e utilizou um dos Poços de Lázaro de Ra's Al Ghul para se curar, o que acabou causando efeitos inesperados.

"Silêncio" foi uma excelente saga que demonstrou o quão bom vilão é o Charada, sendo mais que apenas um mestre do crime menosprezado nos cinemas e na maioria dos quadrinhos.

Imagem de capa do item

Ele já tentou ser bom

Durante Crise Infinita, o Charada recebeu uma porrada na cabeça e ficou em coma por quase um ano. Quando voltou, perdeu parte de sua memória e deu as costas ao crime.

Trabalhou durante um tempo como consultor particular e chegou até a se aliar com o Batman, mas não durou muito tempo, uma vez que percebeu que os casos não eram tão complexos assim para seu cérebro superior.

Imagem de capa do item

Tem seus próprios ajudantes

No cinema e nos desenhos, ele só é visto sozinho, mas nos quadrinhos, muitas vezes teve a ajuda da dupla Echo e Query, duas meninas parecidíssimas em personalidade que são apenas diferenciadas pela cor dos cabelos.

Nigma disse ter encontrado as duas em uma casa de sadomasoquismo chamada Caixa de Pandora.

Imagem de capa do item

Ele já foi morador de rua

O personagem teve um papel primordial na já mencionada "Silêncio", o que fez com que fosse difícil estabelecê-lo na continuidade da série após o arco.

Seguido de algumas violentas retaliações de vilões pela história, o personagem foi despido de seus dons lógicos e acabou sendo um dos moradores de rua de Gotham.

Imagem de capa do item

Seu nome não é Edward Nigma

E. Nigma é uma pequena piada contada com seu pseudônimo, uma vez que seu verdadeiro nome é Edward Nashton, e que foi alterado para Nigma depois que ele entrou para a vida criminosa.

Isso permitiu que ele quebrasse vínculos com seu passado, devido a traumas com seu pai agressivo e sua mãe ausente.

Imagem de capa do item

Ele já teve um moicano verde

Canto inferior direito.

Apenas mais uma das características mudanças trazidas pelos Novos 52. E é um moicano estilizado.

Imagem de capa do item

Ele já descobriu a identidade secreta do Batman

Falando novamente em Silêncio, durante o tempo em que ele estava no poço de Lázaro, o Charada conseguiu descobrir a identidade por trás do Capuz do Homem-Morcego.

O Batman, por sua vez, conseguiu fazer com que ele não desse com a língua nos dentes ao perguntar-lhe qual a necessidade de charadas se já se sabe a resposta. Isso fez com que Edward ficasse obcecado por algum tempo e mantivesse a identidade de seu inimigo em segredo.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux