Capa da Publicação

10 coisas que queremos ver em um game de Harry Potter!

Por Gus Fiaux

O universo do Mundo Bruxo de J.K. Rowling é vasto e rico demais, e portanto, merecia mais destaque no mundo dos games. A recente empreitada da Portkey Games, Hogwarts Mystery não parece ter agradado muito os fãs, devido a uma série de fatores, mas ainda há espaço para melhorar, seja em mobile ou nos consoles.

Nesta lista, abordarei 10 coisas que todos os fãs gostariam de ver em um jogo situado no universo de Harry Potter e Animais Fantásticos, levando em conta o histórico que a franquia já teve entre os games. Para isso, estarei dando ideias principalmente do que pode ser incorporado a um jogo de console, por conta da maior variedade de opções.

Créditos: Divulgação

Imagem de capa do item

Antes de tudo, um RPG

A primeira ideia, que muitos fãs clamam há muito tempo, é justamente o formato de RPG, no qual você mesmo pode criar e customizar seus personagens, vivendo sua própria aventura. Esse modelo é bem interessante e permitiria ao jogador realmente se sentir como uma parte da saga.

Por outro lado, Hogwarts Mystery já tentou apostar nisso, e não deu muito certo. A culpa, no entanto, não está no formato, mas sim na plataforma, já que o mobile possui menos recursos. Além disso, o jogo não oferece muitas opções de interação e nem liberdade de exploração , o que é impensável quando se fala em RPG. E isso nos leva ao próximo item...

Imagem de capa do item

Uma história construída por decisões

Jogos como Until Dawn, Detroit: Become Human e Life is Strange têm feito muito sucesso no mercado recentemente, levantando o interesse do público por games cada vez mais interativos, onde o jogador realmente pode definir os diversos caminhos de uma história. E essa mecânica combina muito com o Mundo Bruxo.

O jogo poderia funcionar baseado nas diversas escolhas e decisões tomadas pelos jogadores - desde as aulas que ele decide tomar às pessoas com quem se alia, talvez definindo o destino após Hogwarts, seja como Comensal da Morte ou membro dos Aurores, por exemplo.

Imagem de capa do item

Um mundo vasto demais para não ser aberto...

Falando na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, precisamos lembrar que o mundo físico onde se situa a saga é impressionante ao extremo. Por conta disso, seria bem interessante poder explorar todos os confins de Hogwarts em uma mecânica de mundo aberto, da forma mais livre possível.

Basta lembrar dos games de A Ordem da Fênix e O Enigma do Príncipe, que de certa forma, já traziam essa ideia, ainda que de uma forma bem rudimentar e "presa" a uma história principal. Seria legal expandir isso, deixando todas as escolhas nas mãos do jogador, principalmente para explorar todos os segredos e mistérios do castelo.

Imagem de capa do item

Além da escola

Contudo, vale lembrar que Hogwarts é apenas um pequeno pedaço desse universo tão mitológico. E embora o interesse realmente seja explorar as terras da escola, temos também vários lugares que ofereceriam tantas possibilidades quanto o Grande Salão ou as Salas Comunais das casas.

Locais como Hogsmeade, Ministério da Magia, Beco Diagonal e até mesmo as escolas bruxas de outros países seriam um deleite para os fãs da franquia, e embora não precisassem ser o foco principal do game, poderiam ser cenários secundários, acessados casualmente em algumas missões e tarefas especiais.

Imagem de capa do item

Interatividade com o Pottermore

Apesar de ter sido criada nos livros, a franquia de J.K. Rowling se expandiu para tantas outras mídias e formatos, tomando um lugar de destaque no cinema, por exemplo. Uma das adições épicas foi o Pottermore, o site oficial da saga, onde você pode, por exemplo, descobrir sua casa de Hogwarts e seu Patrono.

Considerando esses elementos, e aproveitando a interconectividade, seria muito legal que o jogo pudesse ser atrelado ao Pottermore, permitindo que você absorvesse algumas características do site. Além disso, tanto o game quanto o site podem se unir para disponibilizar conteúdos e textos exclusivos da franquia.

Imagem de capa do item

Jogos e atividades divertidas

Quem está na escola não quer só estudar, e uma diversão extra aqui e ali valeria muito a pena. Afinal de contas, os estudantes ainda interagem entre si, seja em competições de duelos, jogando Xadrez de Bruxo ou até mesmo nas estonteantes partidas disputadas no campo de Quadribol.

Aproveitando que os jogos anteriores baseados nos filmes já dispunham desse sistema de minigames, seria legal ver ainda mais opções juntas, desde fazer pequenas tarefas aos vários jogos, que inclusive podiam homenagear games mais antigos, e dar como recompensas as cartas de bruxos dos Sapos de Chocolate.

Imagem de capa do item

Batalhas letais

Contudo, embora a diversão seja necessária, não podemos nos esquecer que o que tornou Harry Potter tão empolgante foi justamente o senso de urgência de uma ameaça tão avassaladora como Lord Voldemort e seus Comensais da Morte. Com isso, seria legal trazer algumas batalhas reais para o jogo.

Isso tornaria a narrativa da história mais séria, e favoreceria, por exemplo, a dinâmica de escolhas alterando a trama. Além disso, traria um senso de perigo real, enquanto os jogadores realmente se preocupariam em lutar para salvar a vida de seus personagens, e não apenas disputar duelos amigáveis na segurança do castelo.

Imagem de capa do item

Explorando novas franquias

Originalmente chamada de "Harry Potter", a franquia foi redesignada como "Mundo Bruxo" há alguns anos, já que a trama do Menino que Sobreviveu só representa uma porção desse universo. E agora, com Animais Fantásticos encontrando seu habitat nos cinemas, o ideal seria aproveitar essa expansão.

Eventos especiais seriam muito bem-vindos, mas a simples ideia de interagir com personagens e traços da história desse prelúdio/spin-off já seria excelente para situar os fãs na dimensão monumental da saga, inclusive aproveitando elementos importantes da história bruxa como a ascensão e queda de Grindelwald.

Imagem de capa do item

Uma história original

E embora todos nós adoremos a saga de Harry ou as novas aventuras de Newt, o jogo precisaria de algo que o tornasse único e parte de uma aventura construída totalmente para o jogador - e por ele. E a forma mais simples e interessante de fazer isso é criar uma história nova e definitiva.

Isso tornaria o jogo uma peça crucial para a franquia, introduzindo uma nova saga, dessa vez construída totalmente para outra mídia. E para ver como isso dá certo, basta observar games como Star Wars: The Force Unleashed e Alien: Isolation, que ajudam a expandir a profundidade de suas franquias com novos personagens e uma história única.

Imagem de capa do item

Expansão do universo

Isso, por fim, toca em um aspecto muito importante da necessidade de um jogo: ajudar a expandir e criar mais conteúdo para a franquia, e não apenas propor uma diversão casual baseada no puro amor dos fãs. O jogo precisa se provar não apenas como um complemento, mas como parte dessa grande saga.

Com isso, podíamos ver ou até mesmo vivenciar algumas histórias mencionadas nos livros ou na nova franquia de filmes. Pense, por exemplo, como seria legal descobrir mais do passado de Dumbledore ou de outros professores, ou até mesmo testemunhar os primeiros anos da criação de Hogwarts? Só isso já traria esse game como uma parte integral e necessária da história.

Imagem de perfil
Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Demon to some... angel to others (ele/dele) || @gus_fiaux