Liga da Justiça: Ben Affleck diz que Matt Damon o influenciou a deixar de ser o Batman

Capa da Publicação

Liga da Justiça: Ben Affleck diz que Matt Damon o influenciou a deixar de ser o Batman

Por Junno Sena

Não faz muito tempo que Ben Affleck comentou sobre como ele acredita que as salas de cinema se tornarão. Agora, o antigo Batman, decidiu falar um pouco mais sobre a sua decisão de deixar os filmes de heróis no passado. E, aparentemente, uma grande influência para essa escolha foi o ator Matt Damon.

Em entrevista para a Entertainment Weekly, ao lado de Matt Damon — que contracenou com o ator em Gênio Indomável e O Último Duelo —, Affleck comentou sobre como a sua experiência com Liga da Justiça não foi tão boa quanto pareceu:

“Eu não gostava de estar lá. Eu não achava interessante. E então, algumas coisas horríveis aconteceram. Foi o momento que percebi que não iria mais fazer aquilo”.

Foi questionando sobre o que o fazia ou não feliz, que Affleck percebeu que ser o Batman não era algo que o deixava confortável. E, durante a entrevista, apontou como Damon e sua participação em O Último Duelo, filme de Ridley Scott, o fez sentir felicidade em algo que o ator não esperava.

Ben Affleck na capa da Entertainment Weekly.

“Na verdade, eu falei com você sobre o assunto e você foi o que me influenciou a tomar essa decisão”, Affleck explicou. “Eu queria fazer as coisas que me traziam felicidade. Então fizemos O Último Duelo e eu me diverti todo dia no set de filmagem. Eu não era a estrela, não era gostável. Era o vilão. Eu não era nada das coisas que eu deveria ser quando eu comecei a atuar e isso foi ótimo. E foi uma sensação que veio através de uma coisa que eu não estava procurando.”

Vale lembrar que Batman não foi o primeiro herói levado ao cinema por Affleck. Em 2003, estrelou Demolidor: O Homem Sem Medo ao lado de Jennifer Garner e Michael Clarke Duncan. E, assim como Liga da Justiça, o filme esteve cercado de críticas.

Já quando tratamos de O Último Duelo, o diretor Ridley Scott se mostrou desgostoso em relação ao gênero de heróis ter tomado grande espaço na mídia e nas salas de cinema, além de sugerir que os millenials e celulares seriam a causa da bilheteria ruim. Independente da recepção do público, as falas de Affleck deixam claro que, para ele, o filme foi uma experiência muito melhor que carregar o manto de Batman.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ.