Capa da Publicação

Shang-Chi: Mãe do herói aparece pela primeira vez em HQ da Marvel

Por Arthur Eloi

Atenção: Alerta de Spoilers!

Com Shang-Chi em alta nos cinemas, a Marvel Comics iniciou uma nova saga do Mestre do Kung-Fu nas HQs. No seu novo quadrinho solo, o personagem assume o controle da organização criminosa Sociedade das Cinco Armas com boas intenções, mas se torna alvo de outros heróis da Marvel, como o Homem-Aranha, Capitão América e o Quarteto Fantástico. Ao mesmo tempo, o herói precisa lidar com o seu próprio passado – e a edição mais recente trouxe uma revelação inédita na sua história.

Shang-Chi #4, que chegou às bancas norte-americanas em 8 de setembro (via CBR), acompanha o protagonista recebendo estranhas mensagens em seus sonhos. Ele decide investigar, mas os sinais estão vindo da Zona Negativa. Para chegar até a origem, ele bate cabeça com o Quarteto Fantástico e rouba uma nave de exploração deles. Ao encontrar a fonte do sinal, porém, Shang-Chi enfim se depara com ninguém menos que Jiang Li, sua mãe.

Apesar de Shang-Chi existir nos quadrinhos desde os anos 70, Jiang Li só deu as caras em 2021

Enquanto há muitas histórias com Zheng Zu, o pai de Shang-Chi, a mãe do herói ainda não tinha dado as caras mas HQs, e acabou de fazer sua estreia na série mais recente. Ela conta que foi banida para a Zona Negativa pelo Mandarim, mas que sobreviveu à morte graças a seus poderes psíquicos, que lhe permitiram estabelecer uma conexão com as criaturas monstruosas que vagam pelo lugar. Assim, Jiang Li conseguiu se manter viva, e pode mostrar uma face do mal ao assumir o comando da Sociedade das Cinco Armas das mãos do filho.

A nova HQ do Shang-Chi começou a ser publicada nos EUA em maio, e conta com quatro edições até agora, escritas por Gene Luen Yang, com ilustrações por Dike Ruan. Ainda não há previsão de chegada ao Brasil.

Aproveite e relembre os 9 melhores momentos do filme de Shang-Chi:

Imagem de perfil
sobre o autor Arthur Eloi

Repórter entusiasta de filmes ruins, jogos de tiro e de horror em todas as suas formas. Dá notas duvidosas para obras questionáveis • @ArthurEloi117