Capa da Publicação

Netflix: Produtora de Steven Spielberg fecha contrato com o streaming

Por Evandro Lira

Steven Spielberg, cineasta que há alguns anos supostamente travou uma guerra com a Netflix, acaba de fechar um acordo com a gigante do streaming por meio de sua produtora Amblin Partners.

O contrato coexistirá lado a lado com o acordo de anos de Spielberg com a Universal Pictures. Tanto a Netflix quanto a Universal terão filmes diferentes produzidos pela Amblin. Espera-se então que a produtora faça ainda mais filmes que de costume, especialmente para sanar o apetite voraz da Netflix por conteúdo.

Ted Sarandos, co-CEO e diretor de conteúdo da Netflix, chamou Spielberg de “visionário” ao falar sobre o novo acordo:

“Steven Spielberg é um visionário e excelente líder criativo. Como tantos outros ao redor do mundo, meu crescimento foi moldado por seus personagens e histórias memoráveis ​​que têm sido duradouras e inspiradoras. Mal podemos esperar para começar a trabalhar com a equipe da Amblin e estamos honrados e emocionados por fazer parte deste capítulo da história cinematográfica de Steven.”

Logo da Amblin Partners

Jeff Small, o CEO da Amblin Partners, também falou sobre o assunto:

“Ao aprofundar nossos laços com a Netflix por meio dessa nova parceria cinematográfica, estamos construindo o que tem sido por muitos anos uma relação de trabalho incrivelmente bem-sucedida tanto na televisão quanto no cinema. A plataforma global que eles construíram – com mais de 200 milhões de membros – fala por si mesma, e estamos extremamente gratos por ter a oportunidade de trabalhar junto com eles e sua incrível equipe para oferecer a icônica marca de narrativa da Amblin ao público da Netflix.”

Os últimos filmes de Steven Spielberg foram todos produzidos pela Amblin Entertainment, incluindo seu próximo lançamento, o musical Amor, Sublime Amor.

No passado, mais precisamente na temporada do Oscar de 2019, foi relatado que Steven Spielberg liderava um movimento que servia para proibir filmes de streaming de concorrem ao Oscar. Naquele ano, a Netflix dominava todas as categorias da premiação.

Apesar disso, um dos fundadores da DreamWorks, Jeffrey Katzenberg, revelou na época que toda a história não passava de distorção da mídia.

De qualquer forma, agora é um fato que Spielberg e a Netflix são parceiros de negócios, e que com certeza eles vão alinhar seus interesses na hora de produzir e distribuir seus próximos filmes.

E aí, o que você achou da ideia? Será que veremos filmes dirigidos por Spielberg desembarcar direto na Netflix? Comente!

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Evandro Lira

Editor, bacharel em Cinema e Audiovisual, bruxo nascido trouxa, filho dos filhos do átomo, mestre dos quatro elementos, fã de mais coisas do que deveria, frequentemente falando sozinho no Twitter. Segue: @evandroslira