Dragon Ball Super: Mangá levanta questão importante sobre os poderes do vilão Gas

Capa da Publicação

Dragon Ball Super: Mangá levanta questão importante sobre os poderes do vilão Gas

Por Junno Sena

Atenção: Alerta de Spoilers!

Dentre tantas novidades apresentadas no arco do vilão Granolah em Dragon Ball Super, uma das que tem chamado a atenção foi o uso das Esferas do Dragão de uma forma totalmente original para a franquia. O vilão utilizou as esferas para realizar o desejo de se tornar o guerreiro mais poderoso do universo. No novo capítulo da série, um novo detalhe é adicionado a essa dinâmica, deixando-a ainda mais complexa.

O que parecia um desejo simples tomou uma virada quando Gas se tornou o ser mais poderoso do universo após um pedido feito pelos Heeters às Esferas do Dragão. Na trama, logo foi confirmado que, por ter feito o desejo após Granolah, o menor membro dessa organização criminosa se tornou o novo guerreiro mais forte do universo.

Mas, para concretizar o desejo de Granolah, o mesmo teve que fazer um sacrifício. Então veio a pergunta: o que Gas precisou abdicar para se tornar ainda mais forte? 

“É você mesmo, Gas?” Personagens ficam em choque com transformação do vilão

No capítulo 78, Macki e Oil confirmam que o desejo dos Heeters não apenas tornou Gas o mais forte do universo, mas também criou um novo corpo para o vilão. Diferente de Granolah, que precisou envelhecer 50 anos para compensar o rápido crescimento de poder.

Nem ao menos Gas sabe o que foi dado em troca. Elec, que fez o pedido, não estava apenas fora de vista do leitor, mas também de seu irmão, Gas, que havia sido mandado até Granolah para distraí-lo.

O que pareceu o início de uma resposta nesse capítulo, na verdade, apenas trouxe ainda mais dúvidas. Aparentemente, o arco do vilão Granolah está apenas começando; Com a nova ameaça de Gas, não apenas ganhamos uma nova incógnita do quão poderoso o personagem se tornou, mas também quais serão as consequências desse pedido.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Junno Sena

Pós graduando em Antropologia com o raio problematizador ligado no 120. Assiste filme trash para relaxar e dorme cantarolando a trilha sonora de A Hora do Pesadelo. Blaxploitation na veia e cinema coreano no coração. Atualmente mora em Petrópolis, RJ.